A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Fontes das Obrigações I

Pré-visualização | Página 3 de 22

uma	
   adesão	
   das	
   duas	
  
partes	
  a	
  um	
  tipo	
  preestabelecido	
  de	
  contratação.	
  Ex.:	
  compra	
  e	
  venda	
  de	
  ações	
  na	
  bolsa	
  de	
  valores	
  –	
  
ocorre	
   de	
   acordo	
   com	
   os	
   modelos	
   preestabelecidos	
   na	
   bolsa;	
   formulário	
   de	
   contrato	
   de	
   locação	
   na	
  
papelaria.	
   Esse	
   tipo	
   de	
   contrato	
   acelera	
   e	
   simplifica	
   a	
   contratação,	
   além	
   de	
   estabelecer	
   limites	
   à	
  
iniciativa	
  dos	
  auxiliares	
  do	
  empresário:	
  delega-­‐se	
  a	
  partir	
  de	
  modelos	
  preordenados,	
  impõem-­‐se	
  limites	
  
à	
  atuação.	
  É	
  o	
  caso	
  da	
  realização	
  de	
  uma	
  contratação	
  em	
  um	
  banco,	
  em	
  que	
  não	
  é	
  o	
  gerente	
  que	
  inova,	
  
ao	
   contrário,	
   ele	
   simplesmente	
   segue	
   padrões,	
   limites	
   de	
   atuação	
   pré-­‐determinados.	
   No	
   contrato	
  
standart	
  há	
  a	
  outorga	
  de	
  limites	
  de	
  alçada	
  ao	
  preposto.	
  
5. Contratos	
  normativos:	
  estabelecem	
  regras	
  gerais	
  e	
  abstratas	
  de	
  contratação,	
  cujo	
  conteúdo	
  se	
  
aplicará	
  ao	
  caso	
  singular	
  e	
  concreto.	
  Exemplo:	
  dissídio	
  coletivo.	
  
20/09/2010	
  	
  
	
  
Teoria	
  da	
  base	
  do	
  negócio	
  
Essa	
  teoria	
  se	
  divide	
  em	
  dois	
  sentidos:	
  
• 	
  Subjetivo:	
  são	
  ambas	
  as	
  partes	
  
• Objetivo:	
   é	
   o	
   conjunto	
   de	
   circunstâncias	
   cuja	
   existência	
   e	
   persistência	
   o	
   contrato	
  
pressupõe.	
  
Para	
   celebrar	
   o	
   negócio	
   jurídico,	
   as	
   partes	
   precisam	
   alcançar	
   um	
   consenso,	
  mas	
   antes	
   dele	
   é	
  
necessário	
   partir	
   de	
   conceitos	
   iguais.	
   Antes	
   do	
   consenso,	
   as	
   partes	
   imaginaram	
  que	
   as	
   circunstâncias	
  
existiram	
  e	
  persistiram	
  durante	
  o	
  tempo.	
  
Teoria	
  da	
  imprevisão	
  
França,	
  1916,	
  caso	
  da	
  concessão	
  de	
  gás,	
  em	
  que	
  o	
  carvão	
  subiu	
  muito	
  te	
  preço	
  –	
  aqui	
  constata-­‐
se	
  um	
  caso	
  em	
  que	
  um	
  fato	
  futuro	
  e	
  imprevisível	
  que	
  gerou	
  a	
  falta	
  de	
  correspondência	
  entre	
  prestação	
  
e	
  contraprestação.	
  
A	
  teoria	
  da	
  imprevisão	
  repercutiu	
  na	
  Itália	
  (art.	
  1467,	
  CCIt,	
  de	
  1942),	
  refletindo-­‐se	
  na	
  teoria	
  da	
  
onerosidade	
  excessiva,	
  reconhecida	
  pelo	
  Código	
  Civil	
  nosso	
  art.	
  478.	
  
Art.	
  478.	
  Nos	
  contratos	
  de	
  execução	
  continuada	
  ou	
  diferida,	
  se	
  a	
  prestação	
  de	
  uma	
  das	
  partes	
  se	
  
tornar	
   excessivamente	
   onerosa,	
   com	
   extrema	
   vantagem	
   para	
   a	
   outra,	
   em	
   virtude	
   de	
   acontecimentos	
  
4	
  
	
  
extraordinários	
  e	
  imprevisíveis,	
  poderá	
  o	
  devedor	
  pedir	
  a	
  resolução	
  do	
  contrato.	
  Os	
  efeitos	
  da	
  sentença	
  
que	
  a	
  decretar	
  retroagirão	
  à	
  data	
  da	
  citação.	
  
Possibilidades	
  de	
  revisão	
  do	
  contrato:	
  
1) Art.	
   6º,	
   V,	
   CDC:	
   São	
   direitos	
   básicos	
   do	
   consumidor:	
   V	
   -­‐	
   a	
   modificação	
   das	
   cláusulas	
  
contratuais	
  que	
  estabeleçam	
  prestações	
  desproporcionais	
  ou	
  sua	
  revisão	
  em	
  razão	
  de	
  fatos	
  
supervenientes	
  que	
  as	
  tornem	
  excessivamente	
  onerosas;	
  
2) A	
   cada	
   três	
   anos	
   é	
   facultado	
   a	
   qualquer	
   das	
   partes	
   (locador	
   ou	
   locatário)	
   buscar	
   a	
   ação	
  
revisional.	
  Se	
  houver	
  uma	
  diferença	
  muito	
  grande	
  daquela	
  locação	
  em	
  relação	
  ao	
  mercado	
  
qualquer	
  um	
  pode	
  buscar	
  o	
  reequilíbrio	
  dos	
  valores	
  em	
  relação	
  ao	
  mercado.	
  
Requisitos	
  para	
  aplicação	
  da	
  teoria	
  da	
  imprevisão:	
  
1) Contratos	
  de	
  execução	
  continuada	
  ou	
  diferida	
  onde	
  ocorra	
  desequilíbrio	
  superveniente;	
  
2) Existência	
  de	
  onerosidade	
  excessiva;	
  
3) Desequilíbrio	
   causado	
  por	
   acontecimentos	
   extraordinários,	
   imprevisíveis	
   e	
   inevitáveis.	
   Se	
  o	
  
evento	
  ocorria	
  ordinariamente,	
  ou	
  podia	
  ser	
  razoavelmente	
  previsto	
  pelas	
  partes,	
  não	
  cabe	
  
teoria	
  da	
  imprevisão.	
  
4) Lucro	
   exagerado	
   do	
   credor	
   (contratos	
   comutativos	
   onde	
   há	
   uma	
   equivalência	
   hipotética	
  
entre	
  as	
  prestações).	
  
	
  
Resolução	
  e	
  extinção	
  dos	
  contratos	
  
Extinção:	
  é	
  um	
  termo	
  genérico,	
  serve	
  para	
  todos	
  os	
  casos	
  em	
  que	
  o	
  contrato	
  deixar	
  de	
  existir.	
  O	
  
modo	
   normal	
   de	
   extinção	
   do	
   contrato	
   é	
   o	
   adimplemento.	
   A	
   extinção	
   anormal	
   pode	
   ser	
   fundada	
   em	
  
situações	
  anteriores	
  ou	
  contemporâneas	
  à	
  celebração	
  do	
  contrato.	
  Essas	
  causas	
  podem	
  ser:	
  
• Anteriores	
  ou	
  contemporâneas:	
  levam	
  à	
  anulação	
  ou	
  nulidade	
  dos	
  contratos.	
  
• Contemporâneas	
   (causas	
   supervenientes	
   à	
   celebração	
   do	
   contrato):	
   levam	
   à	
   resolução,	
  
resilição	
  ou	
  rescisão.	
  	
  
	
  
Resolução	
  
Está	
   vinculada	
   à	
   inexecução	
   das	
   obrigações	
   contratuais	
   por	
   um	
   dos	
   contratantes.	
   No	
   nosso	
  
sistema	
   jurídico	
   é	
   um	
   remédio	
   concedido	
   à	
   parte	
   adimplente	
   para	
   romper	
   o	
   vínculo	
   contratual,	
  
mediante	
  ação	
  judicial.	
  É	
  o	
  sistema	
  francês	
  o	
  adotado,	
  que	
  consta	
  no	
  art.	
  474,	
  CC.	
  
Pacto	
  comissório	
  expresso:	
   cláusula	
  que	
   faculta	
  à	
  parte,	
   independentemente	
  de	
  ação	
   judicial,	
  
que	
   ela	
   busque	
   a	
   resolução	
   contratual,	
   evidentemente	
  dependendo	
  da	
   vontade	
  do	
  outro.	
   Esse	
   pacto	
  
comissório	
   é	
   algo	
   que	
   determina	
   a	
   resolução	
   dos	
   contratos	
   bilaterais	
   e	
   sinalagmáticos	
   em	
   caso	
   de	
  
inadimplemento.	
  
Mesmo	
   que	
   não	
   haja	
   esse	
   pacto	
   expresso,	
   temos	
   a	
   cláusula	
   resolutiva	
   tácita,	
   que	
   existe	
   em	
  
todo	
  contrato	
  bilateral	
  (obrigações	
  para	
  ambas	
  as	
  partes)	
  por	
  disposição	
  de	
  lei	
  (art.	
  474,	
  CC).	
  	
  
Art.	
  474.	
  A	
  cláusula	
  resolutiva	
  expressa	
  opera	
  de	
  pleno	
  direito;	
  a	
  tácita	
  depende	
  de	
  interpelação	
  
judicial.	
  	
  
Art.	
  475.	
  A	
  parte	
  lesada	
  pelo	
  inadimplemento	
  pode	
  pedir	
  a	
  resolução	
  do	
  contrato,	
  se	
  não	
  preferir	
  
exigir-­‐lhe	
  o	
  cumprimento,	
  cabendo,	
  em	
  qualquer	
  dos	
  casos,	
  indenização	
  por	
  perdas	
  e	
  danos.	
  
21/09/2010	
  
	
  
Resolução	
  por	
  inexecução	
  involuntária	
  
Ocorre	
  quando	
  se	
  dá	
  um	
  caso	
  fortuito,	
  força	
  maior	
  ou	
  culpa	
  de	
  terceiro,	
  ou	
  seja,	
  algo