A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Fontes das Obrigações I

Pré-visualização | Página 4 de 22

que	
  rompa	
  
o	
  nexo	
  contratual.	
  Essa	
   impossibilidade	
  pode	
  ser	
  parcial,	
  como	
  no	
  caso	
  de	
   impossibilidade	
  econômica,	
  
em	
  que	
  é	
  possível	
  fazer	
  cumprir	
  a	
  obrigação,	
  mas	
  ficaria	
  tão	
  caro	
  que	
  seria	
  inviável	
  fazê-­‐la.	
  A	
  doutrina	
  
entende	
  que	
  essa	
  resolução	
  se	
  operaria	
  ex	
  tunc	
  (as	
  partes	
  voltariam,	
  na	
  medida	
  do	
  possível,	
  ao	
  estado	
  
anterior.	
  
Essa	
  inexecução	
  se	
  caracteriza	
  por	
  uma	
  impossibilidade	
  superveniente,	
  posterior	
  ao	
  fato,	
  e	
  está	
  
vinculada	
  à	
  obrigação	
  principal	
  do	
  contrato.	
  
5	
  
	
  
Na	
  inexecução	
  voluntária,	
  haverá	
  indenização	
  por	
  perdas	
  e	
  danos,	
  que	
  podem	
  incluir	
  os	
   lucros	
  
cessantes,	
  os	
  danos	
  emergentes	
  os	
  danos	
  morais	
  e	
  a	
  cláusula	
  penal.	
  	
  
Cláusula	
  penal:	
  tem	
  natureza	
  de	
  indenização	
  prevista	
  ou	
  por	
  lei	
  ou	
  no	
  contrato,	
  servindo	
  como	
  
um	
   desincentivo	
   ao	
   inadimplemento.	
   É	
   uma	
   multa,	
   que	
   pode	
   ocorrer	
   mesmo	
   que	
   o	
   contrato	
   seja	
  
mantido	
   (ex.:	
   o	
   atraso	
   de	
   uma	
   parcela	
   –	
   pode	
   gerar	
   uma	
  multa).	
   O	
   limite	
   a	
   essa	
   cláusula	
   penal	
   está	
  
contido	
  nos	
  artigos	
  412	
  e	
  413do	
  CC:	
  a	
  obrigação	
  acessória	
  não	
  pode	
  ultrapassar	
  a	
  obrigação	
  principal.	
  
Entretanto,	
  se	
  esta	
  for	
  abusiva,	
  há	
  a	
  possibilidade	
  de	
  interferência	
  do	
  juiz.	
  
Art.	
   412.	
   O	
   valor	
   da	
   cominação	
   imposta	
   na	
   cláusula	
   penal	
   não	
   pode	
   exceder	
   o	
   da	
   obrigação	
  
principal.	
  
Art.	
  413.	
  A	
  penalidade	
  deve	
   ser	
   reduzida	
  eqüitativamente	
  pelo	
   juiz	
   se	
  a	
  obrigação	
  principal	
   tiver	
  
sido	
   cumprida	
  em	
  parte,	
   ou	
   se	
  o	
  montante	
  da	
  penalidade	
   for	
  manifestamente	
  excessivo,	
   tendo-­‐se	
  em	
  
vista	
  a	
  natureza	
  e	
  a	
  finalidade	
  do	
  negócio.	
  
Cláusulas	
  puramente	
  potestativas:	
  são	
  nulas,	
  uma	
  vez	
  que	
  são	
  baseadas	
  no	
  arbítrio	
  de	
  só	
  uma	
  
parte	
  (“se	
  eu	
  quiser,	
  isso	
  ocorrerá”)	
  
Cláusula	
  leonina:	
  atribui	
  a	
  um	
  dos	
  contratantes	
  vantagens	
  injustificáveis	
  e	
  prejudiciais	
  ao	
  outro,	
  
é	
   abusiva	
   e	
   pode	
   ou	
   não	
   depender	
   do	
   arbítrio	
   de	
   uma	
   parte.	
   No	
   CDC,	
   fica	
   clara	
   a	
   vedação	
   a	
   essas	
  
clausulas	
  abusivas.	
  
CDC,	
   Art.	
   51.	
   São	
   nulas	
   de	
   pleno	
   direito,	
   entre	
   outras,	
   as	
   cláusulas	
   contratuais	
   relativas	
   ao	
  
fornecimento	
  de	
  produtos	
  e	
  serviços	
  que:	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   IV	
   -­‐	
   estabeleçam	
   obrigações	
   consideradas	
   iníquas,	
   abusivas,	
   que	
   coloquem	
   o	
   consumidor	
   em	
  
desvantagem	
  exagerada,	
  ou	
  sejam	
  incompatíveis	
  com	
  a	
  boa-­‐fé	
  ou	
  a	
  eqüidade;	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  §	
  1º	
  Presume-­‐se	
  exagerada,	
  entre	
  outros	
  casos,	
  a	
  vontade	
  que:	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  I	
  -­‐	
  ofende	
  os	
  princípios	
  fundamentais	
  do	
  sistema	
  jurídico	
  a	
  que	
  pertence;	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   II	
  -­‐	
  restringe	
  direitos	
  ou	
  obrigações	
  fundamentais	
   inerentes	
  à	
  natureza	
  do	
  contrato,	
  de	
  tal	
  modo	
  a	
  
ameaçar	
  seu	
  objeto	
  ou	
  equilíbrio	
  contratual;	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  III	
  -­‐	
  se	
  mostra	
  excessivamente	
  onerosa	
  para	
  o	
  consumidor,	
  considerando-­‐se	
  a	
  natureza	
  e	
  conteúdo	
  
do	
  contrato,	
  o	
  interesse	
  das	
  partes	
  e	
  outras	
  circunstâncias	
  peculiares	
  ao	
  caso.	
  
Quando	
   houver	
   onerosidade	
   excessiva	
   superveniente,	
   haverá	
   a	
   possibilidade	
   de	
   resolução	
   do	
  
contrato	
  ou	
  revisão	
  do	
  preço.	
  Se	
  a	
  onerosidade	
  excessiva	
  for	
  contemporânea	
  à	
  execução	
  do	
  contrato,	
  
havendo:	
  
1) Lesão:	
  passível	
  de	
  resolução	
  por	
  vício	
  de	
  consentimento;	
  
2) Vício	
   redibitório:	
   resolução	
   do	
   contrato	
   (ação	
   redibitória)	
   ou	
   abatimento	
   do	
   preço	
   (ação	
  
estimatória).	
  
Art.	
  478.	
  Nos	
  contratos	
  de	
  execução	
  continuada	
  ou	
  diferida,	
  se	
  a	
  prestação	
  de	
  uma	
  das	
  partes	
  se	
  
tornar	
   excessivamente	
   onerosa,	
   com	
   extrema	
   vantagem	
   para	
   a	
   outra,	
   em	
   virtude	
   de	
   acontecimentos	
  
extraordinários	
  e	
  imprevisíveis,	
  poderá	
  o	
  devedor	
  pedir	
  a	
  resolução	
  do	
  contrato.	
  Os	
  efeitos	
  da	
  sentença	
  
que	
  a	
  decretar	
  retroagirão	
  à	
  data	
  da	
  citação.	
  
Art.	
   479.	
   A	
   resolução	
  poderá	
   ser	
   evitada,	
   oferecendo-­‐se	
   o	
   réu	
   a	
  modificar	
   eqüitativamente	
   as	
  
condições	
  do	
  contrato.	
  
Art.	
  480.	
  Se	
  no	
  contrato	
  as	
  obrigações	
  couberem	
  a	
  apenas	
  uma	
  das	
  partes,	
  poderá	
  ela	
  pleitear	
  
que	
   a	
   sua	
   prestação	
   seja	
   reduzida,	
   ou	
   alterado	
   o	
  modo	
   de	
   executá-­‐la,	
   a	
   fim	
   de	
   evitar	
   a	
   onerosidade	
  
excessiva.	
  
	
  
Resilição	
  
É	
   a	
   dissolução	
   do	
   contrato	
   por	
   simples	
   declaração	
   de	
   vontade	
   de	
   uma	
   ou	
   das	
   duas	
   partes	
  
contratantes.	
  
Ou	
   seja,	
   basta	
   a	
   manifestação	
   de	
   vontade	
   de	
   um	
   dos	
   contratantes	
   para	
   que	
   o	
   contrato	
   se	
  
extinga,	
   deixe	
  de	
   existir.	
  Não	
  há	
   a	
  motivação	
  necessária	
   pelo	
   inadimplemento,	
   basta	
   a	
   declaração	
  de	
  
vontade.	
  
6	
  
	
  
Art.	
   473.	
   A	
   resilição	
   unilateral,	
   nos	
   casos	
   em	
   que	
   a	
   lei	
   expressa	
   ou	
   implicitamente	
   o	
   permita,	
  
opera	
  mediante	
  denúncia	
  notificada	
  à	
  outra	
  parte.	
  
A	
  resilição	
  bilateral	
  é	
  o	
  distrato,	
  negócio	
  jurídico	
  pelo	
  qual	
  as	
  partes,	
  declarando	
  conjuntamente	
  
a	
  vontade	
  de	
  dar	
  acbo	
  do	
  contrato,	
  rompem	
  o	
  vínculo	
  extinguindo	
  a	
  relação	
  jurídica.	
  É,	
  em	
  síntese,	
  um	
  
contrato	
  para	
  extinguir	
  o	
  outro.1	
  
Art.	
  472.	
  O	
  distrato	
  faz-­‐se	
  pela	
  mesma	
  forma	
  exigida	
  para	
  o	
  contrato.	
  
Na	
  resilição	
  unilateral	
  em	
  contratos	
  por	
  prazo	
  indeterminado2,	
  presume	
  a	
  lei	
  que	
  as	
  partes	
  não	
  
quiseram	
  se	
  obrigar	
  perpetuamente	
  e,	
  portanto,	
  que	
  se	
  reservaram	
  a	
  faculdade	
  de,	
  a	
  todo	
  tempo,	
  resilir	
  
o	
  contrato.	
  O	
  fundamento	
  do	
  poder