A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Fontes das Obrigações I

Pré-visualização | Página 5 de 22

de	
  resilir	
  seria	
  assim	
  sua	
  vontade	
  presumida.	
  A	
  natureza	
  do	
  poder	
  de	
  
resilir	
  unilateralmente	
  o	
  contrato	
  não	
  sofre	
  contestação:	
  trata-­‐se	
  de	
  um	
  direito	
  potestativo.3	
  Entretanto,	
  
deve	
  haver	
  notificação	
  prévia,	
  sendo	
  a	
  resilição	
  feita	
  por	
  meio	
  da	
  denúncia	
  do	
  contrato.	
  Os	
  efeitos	
  da	
  
resilição	
  são	
  ex	
  nunc,	
  ou	
  seja,	
  operam	
  dali	
  para	
  frente,	
  não	
  de	
  maneira	
  retroativa.	
  
	
  
Rescisão	
  
Não	
  foi	
  usada	
  no	
  Código	
  Civil	
  de	
  maneira	
  unívoca	
  (em	
  sentido	
  técnico),	
  mas	
  indistinta.	
  
Em	
  sentido	
  técnico,	
  a	
  rescisão	
  ocorreria	
  especificamente	
  nos	
  casos	
  de	
   lesão.	
  Vincula-­‐se	
  à	
  ideia	
  
de	
  estado	
  de	
  necessidade	
  da	
  parte	
  ou	
  sua	
  ingenuidade,	
  mas,	
  ultimamente,	
  vem	
  se	
  entendendo	
  que	
  não	
  
basta	
  o	
   desequilíbrio	
   entre	
   as	
   prestações	
  de	
  um	
   contrato	
   comutativo,	
   nem	
  é	
  vício	
   de	
   consentimento.	
  
Exige-­‐se,	
  para	
  sua	
  caracterização,	
  um	
  elemento	
  subjetivo.	
  Aproxima-­‐se	
  da	
  anulabilidade,	
  porque	
  há	
  de	
  
ser	
  pleiteada	
  em	
  ação	
  proposta	
  pelo	
  interessado.4	
  
A	
   ação	
   rescisória	
   pode	
   ser	
   proposta,	
   até	
   dois	
   anos	
   após	
   o	
   trânsito	
   em	
   julgado,	
   porém	
   só	
   em	
  
determinadas	
  situações.	
  
	
  
Arras	
  e	
  estipulação	
  em	
  favor	
  de	
  terceiros	
   	
  
Arras	
  ou	
  sinal:	
  é	
  uma	
  importância	
  em	
  dinheiro	
  ou	
  um	
  bem	
  dado	
  por	
  um	
  contratante	
  a	
  outro.	
  É	
  
parte	
  do	
  preço.	
  Essa	
  transferência	
  de	
  dinheiro	
  ou	
  bem	
  ocorre	
  quando	
  da	
  celebração	
  do	
  contrato.	
  
Objetivos:	
  
1) Estabelece	
  a	
  presunção	
  de	
  que	
  foi	
  alcançado	
  um	
  acordo	
  final	
  pelas	
  partes;	
  
2) Enfatiza,	
  reforça	
  a	
  obrigatoriedade	
  do	
  ajuste;	
  
3) Assegura	
  aos	
  contratantes	
  o	
  chamado	
  direito	
  de	
  arrependimento.	
  
Art.	
   417.	
   Se,	
   por	
   ocasião	
   da	
   conclusão	
   do	
   contrato,	
   uma	
   parte	
   der	
   à	
   outra,	
   a	
   título	
   de	
   arras,	
  
dinheiro	
  ou	
  outro	
  bem	
  móvel,	
  deverão	
  as	
  arras,	
  em	
  caso	
  de	
  execução,	
  ser	
  restituídas	
  ou	
  computadas	
  na	
  
prestação	
  devida,	
  se	
  do	
  mesmo	
  gênero	
  da	
  principal.	
  
Art.	
  418.	
   Se	
  a	
  parte	
  que	
  deu	
  as	
  arras	
  não	
  executar	
  o	
   contrato,	
  poderá	
  a	
  outra	
   tê-­‐lo	
  por	
  desfeito,	
  
retendo-­‐as;	
   se	
  a	
   inexecução	
   for	
  de	
  quem	
   recebeu	
  as	
  arras,	
   poderá	
  quem	
  as	
  deu	
  haver	
  o	
   contrato	
  por	
  
desfeito,	
  e	
  exigir	
  sua	
  devolução	
  mais	
  o	
  equivalente,	
  com	
  atualização	
  monetária	
  segundo	
  índices	
  oficiais	
  
regularmente	
  estabelecidos,	
  juros	
  e	
  honorários	
  de	
  advogado.	
  
Art.	
  419.	
  A	
  parte	
  inocente	
  pode	
  pedir	
  indenização	
  suplementar,	
  se	
  provar	
  maior	
  prejuízo,	
  valendo	
  as	
  
arras	
  como	
  taxa	
  mínima.	
  Pode,	
  também,	
  a	
  parte	
  inocente	
  exigir	
  a	
  execução	
  do	
  contrato,	
  com	
  as	
  perdas	
  
e	
  danos,	
  valendo	
  as	
  arras	
  como	
  o	
  mínimo	
  da	
  indenização.	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Art.	
   420.	
   Se	
   no	
   contrato	
   for	
   estipulado	
  o	
  direito	
   de	
  arrependimento	
  para	
  qualquer	
   das	
  partes,	
   as	
  
arras	
  ou	
  sinal	
  terão	
  função	
  unicamente	
  indenizatória.	
  Neste	
  caso,	
  quem	
  as	
  deu	
  perdê-­‐las-­‐á	
  em	
  benefício	
  
da	
  outra	
  parte;	
   e	
  quem	
  as	
   recebeu	
  devolvê-­‐las-­‐á,	
  mais	
  o	
   equivalente.	
   Em	
  ambos	
  os	
   casos	
  não	
  haverá	
  
direito	
  a	
  indenização	
  suplementar.	
  
Arras	
  confirmatórias:	
  demonstram	
  a	
  existência	
  de	
  uma	
  composição	
  final	
  de	
  vontades.	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
1	
  Orlando	
  GOMES,	
  Contratos,	
  20ª	
  ed.,	
  Rio	
  de	
  Janeiro,	
  Forense,	
  2000,	
  p.	
  184.	
  
2	
  Nos	
  contratos	
  de	
  prazo	
  determinado	
  não	
  cabe	
  a	
  resilição,	
  mas	
  a	
  resolução	
  por	
  inadimplemento.	
  
3Ibidem,	
  p.	
  185.	
  
4	
  Ibidem,	
  p.	
  188.	
  
7	
  
	
  
Arras	
   penitenciais:	
   permitem	
  o	
   desfazimento	
   do	
   negócio,	
  mediante	
   a	
   perda	
   do	
   sinal,	
   se	
   pelo	
  
comprador,	
   ou	
   a	
   sua	
   devolução	
   em	
  dobro,	
   por	
   parte	
   de	
   quem	
  o	
   recebeu.	
   Aproximam-­‐se	
   da	
   cláusula	
  
penal.	
  
As	
  arras	
  são	
  úteis	
  em	
  situações	
  em	
  que	
  não	
  se	
  tem	
  o	
  dinheiro	
  todo	
  para	
  realizar	
  uma	
  compra,	
  
ou	
  quando	
  é	
  necessário,	
  por	
  parte	
  do	
  comprador,	
  verificar	
  as	
  certidões	
  de	
  um	
  determinado	
  imóvel	
  que	
  
deseja	
  comprar,	
  por	
  exemplo.	
  As	
  arras	
  também	
  podem	
  ter	
  o	
  sentido	
  de	
  pagamento	
  parcelado.	
  
O	
  valor	
  das	
  arras	
  é	
  por	
  volta	
  de	
  10%	
  a	
  20%	
  do	
  valor.	
  	
  
Em	
  geral,	
  os	
  contratos	
  celebrados,	
  ainda	
  que	
  prevejam	
  as	
  arras,	
  contém	
  uma	
  cláusula	
  que	
  prevê	
  
a	
  irretratibilidade	
  do	
  negócio,	
  em	
  que	
  ocorre,	
  assim,	
  a	
  perda	
  do	
  direito	
  de	
  arrependimento.	
  
É	
  um	
  pacto	
  acessório.	
  Não	
  é	
  essencial	
  na	
  natureza	
  de	
  um	
  contrato,	
  pode	
  ser	
  previsto	
  ou	
  não.	
  
As	
   arras	
   têm	
  natureza	
   real	
   e	
   não	
  meramente	
   consensual.	
  Deve	
  haver	
   a	
   transferência	
  do	
  bem	
  
para	
  que	
  o	
  pagamento	
  do	
  sinal	
  se	
  configure.	
  
	
  
Estipulação	
  em	
  favor	
  de	
  terceiros	
  
Art.	
  436.	
  O	
  que	
  estipula	
  em	
  favor	
  de	
  terceiro	
  pode	
  exigir	
  o	
  cumprimento	
  da	
  obrigação.	
  
Parágrafo	
  único.	
  Ao	
  terceiro,	
  em	
  favor	
  de	
  quem	
  se	
  estipulou	
  a	
  obrigação,	
  também	
  é	
  permitido	
  exigi-­‐
la,	
   ficando,	
   todavia,	
   sujeito	
   às	
   condições	
   e	
   normas	
   do	
   contrato,	
   se	
   a	
   ele	
   anuir,	
   e	
   o	
   estipulante	
   não	
   o	
  
inovar	
  nos	
  termos	
  do	
  art.	
  438.	
  
Art.	
  437.	
  Se	
  ao	
  terceiro,	
  em	
  favor	
  de	
  quem	
  se	
  fez	
  o	
  contrato,	
  se	
  deixar	
  o	
  direito	
  de	
  reclamar-­‐lhe	
  a	
  
execução,	
  não	
  poderá	
  o	
  estipulante	
  exonerar	
  o	
  devedor.	
  
Art.	
   438.	
   O	
   estipulante	
   pode	
   reservar-­‐se	
   o	
   direito	
   de	
   substituir	
   o	
   terceiro