A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Fontes das Obrigações I

Pré-visualização | Página 6 de 22

designado	
   no	
   contrato,	
  
independentemente	
  da	
  sua	
  anuência	
  e	
  da	
  do	
  outro	
  contratante.	
  
Parágrafo	
   único.	
   A	
   substituição	
   pode	
   ser	
   feita	
   por	
   ato	
   entre	
   vivos	
   ou	
   por	
   disposição	
   de	
   última	
  
vontade.	
  
Num	
  determinado	
  contrato,	
  uma	
  vantagem	
  resultante	
  desse	
  ajuste	
  reverterá	
  não	
  em	
  favor	
  das	
  
partes,	
  mas	
  em	
  favor	
  de	
  um	
  terceiro,	
  que	
  não	
  é	
  parte,	
  não	
  foi	
  sequer	
  representado	
  nesse	
  negócio.	
  	
  
Exemplo	
  típico:	
  seguro	
  de	
  vida	
  –	
  	
  o	
  beneficiário	
  não	
  é	
  o	
  que	
  fez	
  o	
  seguro,	
  mas	
  um	
  terceiro.	
  
Outro	
  exemplo:	
  doação	
  com	
  encargo	
  –	
  estipulante	
  obtém	
  do	
  promitente	
  (devedor)	
  a	
  promessa	
  
em	
  favor	
  do	
  beneficiário.	
  
	
  
Modalidades	
  de	
  Contrato	
  -­‐	
  Contratos	
  em	
  espécie	
  
Compra	
  e	
  Venda	
  
Definição:	
  um	
  contrato	
  pelo	
  qual	
  uma	
  das	
  partes	
  se	
  obriga	
  a	
  transferir	
  a	
  propriedade	
  de	
  um	
  bem	
  
à	
  outra,	
  recebendo,	
  em	
  contraprestação,	
  determinada	
  soma	
  em	
  dinheiro.	
  
Art.	
  481.	
  Pelo	
  contrato	
  de	
  compra	
  e	
  venda,	
  um	
  dos	
  contratantes	
  se	
  obriga	
  a	
  transferir	
  o	
  domínio	
  de	
  
certa	
  coisa,	
  e	
  o	
  outro,	
  a	
  pagar-­‐lhe	
  certo	
  preço	
  em	
  dinheiro.	
  
Art.	
   482.	
   A	
   compra	
   e	
   venda,	
   quando	
   pura,	
   considerar-­‐se-­‐á	
   obrigatória	
   e	
   perfeita,	
   desde	
   que	
   as	
  
partes	
  acordarem	
  no	
  objeto	
  e	
  no	
  preço.	
  
O	
  fim	
  específico	
  é	
  a	
  alienação	
  do	
  bem,	
  não	
  a	
  mera	
  entrega.	
  A	
  entrega	
  pode	
  estar	
  motivada	
  por	
  
outros	
  motivos.	
  Mas,	
   na	
   compra	
   e	
   venda,	
   o	
   objetivo	
   é	
   tirar	
   do	
  meu	
   patrimônio	
   e	
  mandar	
   para	
   o	
   do	
  
outro.	
  
Não	
  precisa	
  ser	
  toda	
  a	
  contraprestação	
  paga	
  em	
  dinheiro,	
  mas	
  só	
  a	
  sua	
  parte	
  mais	
  importante.	
  
Assim,	
  se	
  a	
  parte	
  mais	
  importante	
  for	
  um	
  bem,	
  o	
  que	
  existe	
  é	
  uma	
  permuta.O	
  dinheiro,	
  então,	
  deve	
  ser	
  
parte	
  fundamental	
  da	
  contratação.	
  
Nosso	
   sistema	
   jurídico	
   se	
   filiou	
   ao	
   modelo	
   romano,	
   em	
   que	
   o	
   contrato	
   de	
   compra	
   e	
   venda	
  
obriga	
   a	
   transferir	
   a	
   propriedade,	
  mas	
   ele	
   não	
   transfere	
   a	
   propriedade.	
  O	
   contrato	
   é	
   apenas	
   o	
   título	
  
aquisitivo.	
  Só	
  se	
  transfere	
  a	
  propriedade,	
  o	
  seja,	
  o	
  modo	
  de	
  aquisição	
  da	
  propriedade	
  se	
  dá	
  através	
  do	
  
registro	
  de	
  escritura	
  pública,	
  no	
  caso	
  de	
  bens	
  imóveis,	
  ou	
  por	
  tradição,	
  para	
  os	
  bens	
  móveis.	
  
8	
  
	
  
	
  Sistema	
   francês:	
   a	
  mera	
   celebração	
  do	
   contrato	
   também	
  gera	
  efeitos	
   reais	
   (modo),	
   além	
  dos	
  
obrigacionais	
  (título).	
  A	
  regra	
  aqui	
  é	
  que	
  se	
  eu	
  celebro	
  um	
  contrato	
  de	
  compra	
  e	
  venda	
  hoje	
  e	
  um	
  outro	
  
registra	
  primeiro,	
  é	
  ele	
  quem	
  adquirirá	
  direitos	
  reais.	
  A	
  mim	
  só	
  restaria	
  uma	
  indenização	
  por	
  perdas	
  e	
  
danos.	
  
No	
  compromisso	
  de	
  compra	
  e	
  venda,	
  cria-­‐se	
  um	
  híbrido	
  no	
  nosso	
  sistema.	
  Este	
  é	
  um	
  contrato	
  
preliminar,	
  em	
  que	
  o	
  mero	
  compromisso	
  de	
  compra	
  e	
  venda	
  gera	
  efeitos	
  reais,	
  mesmo	
  sem	
  registro,	
  há	
  
uma	
  finalidade	
  social	
  pragmática.	
  
Partes:	
  vendedor	
  e	
  comprador.	
  
Objeto:	
   a	
  maioria	
  da	
  doutrina	
  diz	
   que	
  deve	
   ser	
  um	
  bem	
  com	
  existência	
  material.	
   Em	
  caso	
  de	
  
bens	
  imateriais,	
  não	
  se	
  chama	
  compra	
  e	
  venda,	
  mas	
  cessão.	
  
Características:	
  
1. Bilateral	
  (gera	
  obrigações	
  para	
  ambas	
  as	
  partes);	
  
2. Sinalagmático	
  (reciprocamente	
  dependentes);	
  
• Obrigação	
  do	
  comprador:	
  pagar	
  o	
  preço;	
  
• Obrigação	
  do	
  vendedor:	
  entregar	
  a	
  coisa	
  com	
  o	
  ânimo	
  de	
  transferir	
  a	
  propriedade	
  (é	
  
por	
  isso	
  que	
  o	
  vendedor	
  responde	
  por	
  evicção).	
  
3. Comutativo:	
   equivalência	
   subjetiva,	
  em	
   regra,	
  nas	
  prestações	
   (contudo,	
   também	
  pode	
   ser	
  
aleatório	
  -­‐	
  "compro	
  o	
  lançamento	
  da	
  rede	
  ao	
  rio",	
  "compro	
  o	
  ventre	
  da	
  vaca",	
  "compro	
  safra	
  
futura");	
  
4. Oneroso:	
  sacrifícios	
  patrimoniais	
  para	
  obter	
  vantagem	
  patrimonial,	
  de	
  ambas	
  as	
  partes;	
  
5. Consensual:	
  basta	
  o	
  simples	
  acordo	
  de	
  vontades	
  para	
  o	
  contrato	
  gerar	
  efeitos	
  obrigacionais;	
  
6. Obrigação	
   única	
   (instantânea	
   ou	
   diferida):	
   a	
   obrigação	
   de	
   transferir	
   a	
   propriedade	
   se	
  
realiza	
  num	
  só	
  instante.	
  
27/09/2010	
  
	
  
Eficácia	
  -­‐	
  Divisão	
  entre	
  título	
  e	
  modo	
  
Compra	
   e	
   venda	
   de	
   bem	
   imóvel:	
   o	
   título	
   do	
   contrato,	
   sob	
   a	
   forma	
   da	
   escritura	
   pública.	
   Os	
  
efeitos	
  da	
   lavratura	
  em	
  escritura	
  pública	
  geram	
  efeitos	
  obrigacionais	
  apenas.	
  Só	
  o	
  registro	
  de	
   imóveis	
  
que	
  transfere	
  a	
  propriedade.	
  
Capacidade	
  e	
   legitimação:	
  as	
  partes	
  têm	
  que	
  ser	
  capazes	
  de	
  celebrar	
  o	
  contrato.	
  O	
  vendedor,	
  
capacidade	
   de	
   alienar,	
   o	
   comprador,	
   capacidade	
   de	
   pagar	
   o	
   preço.	
   A	
   capacidade	
   é	
   presumida	
   para	
  
maiores	
  de	
  18.	
  Para	
  que	
  não	
  haja	
  a	
  plena	
  capacidade,	
  o	
  procedimento	
  é	
  a	
  interdição,	
  para	
  atender	
  aos	
  
interesses	
  do	
  interdito.	
  
	
  Isso	
   quer	
   dizer	
   que,	
   em	
   determinadas	
   circunstâncias,	
   o	
   agente,	
   mesmo	
   capaz,	
   não	
   poderá	
  
celebrar	
   o	
   negócio	
   jurídico.	
   Situação	
   circunstancial.	
   Com	
   determinadas	
   pessoas.	
   Partes	
   ilegítimas.	
   Ex:	
  
Venda	
  do	
  ascendente	
  ao	
  descendente	
  –	
  para	
  que	
  ela	
  seja	
  uma	
  venda	
  válida,	
  é	
  preciso	
  a	
  anuência	
  dos	
  
outros	
  herdeiros.	
  O	
  sentido	
  disso	
  é	
  eliminar	
  diferenças	
  do	
  ponto	
  de	
  vista	
  da	
  sucessão.	
  
Outro	
  exemplo	
  é	
  o	
  fato	
  de	
  o	
  falido	
  também	
  não	
  poder	
  vender.	
  
O	
   cônjuge,	
   sem	
   o	
   consentimento	
   do	
   outro,	
   não	
   pode	
   vender,	
   a	
   menos	
   que	
   seu	
   regime	
  
matrimonial	
  seja	
  de	
  separação	
  total	
  de	
  bens	
  ou	
  participação	
  final	
  nos	
  aquestos.	
  
Elementos	
  essenciais	
  da	
  compra	
  e	
  venda:	
  
1. Objeto: