A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
ATIVIDADE 4

Pré-visualização | Página 1 de 2

Pergunta 1
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	Historicamente, as formas de inclusão e de exclusão social dos portadores de necessidades especiais variaram de maneira considerável. Nosso material referencial descreveu a visão da sociedade escravista que imperou no Brasil até fins do século XIX. Sobre os escravos brasileiros, é correto afirmar:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	a.
Os africanos e afrodescendentes escravizados eram considerados bens produtivos que só serviam se saudáveis e fortes fisicamente.
	Resposta Correta:
	a.
Os africanos e afrodescendentes escravizados eram considerados bens produtivos que só serviam se saudáveis e fortes fisicamente.
	Feedback da resposta:
	Segundo o material referencial (EBOOK, 2015:12): “Em muitas sociedades, como afirmam Alves (1992) e Goffman (1975), as necessidades especiais eram vistas com discriminação, ocorrendo inclusive extermínio por parte do grupo ou a tolerância, quando a característica especial era vista como exótica. Mesmo no Brasil, entre os povos indígenas no início da colonização, eram comuns as práticas de exclusão ou valorização de indivíduos portadores de necessidades especiais, conforme relatado por Alves (1992).
Em outro exemplo no que se refere ao Brasil, Freyre (2006, p. 157) fala que o regime agrário escravista concebia o negro (após a substituição da mão de obra indígena) não como um ser humano, mas como um bem produtivo. Caso este se acidentasse, nascesse com necessidades especiais ou sofresse uma mutilação, era descartado e excluído dos demais – inclusive essa prática era prevista pela Lei do Sexagenário.
Isso poderia ser uma das raízes da segregação e discriminação do trabalhador com necessidades especiais na sociedade brasileira no âmbito do trabalho, como vemos na atualidade. Há uma cultura da discriminação nas esferas do trabalho em todos os campos profissionais quanto ao portador de necessidades especiais”.
	
	
	
Pergunta 2
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	Sobre a reflexão acerca da exclusão ou inclusão dos portadores de necessidades especiais, o material referencial afirma:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	b. 
As necessidades especiais já foram tratadas como algo a ser discriminado, excluído e até eliminado.
	Resposta Correta:
	b. 
As necessidades especiais já foram tratadas como algo a ser discriminado, excluído e até eliminado.
	Feedback da resposta:
	Segundo o material referencial (EBOOK, 2015:12): “Em muitas sociedades, como afirmam Alves (1992) e Goffman (1975), as necessidades especiais eram vistas com discriminação, ocorrendo inclusive extermínio por parte do grupo ou a tolerância, quando a característica especial era vista como exótica. Mesmo no Brasil, entre os povos indígenas no início da colonização, eram comuns as práticas de exclusão ou valorização de indivíduos portadores de necessidades especiais, conforme relatado por Alves (1992).
Em outro exemplo no que se refere ao Brasil, Freyre (2006, p. 157) fala que o regime agrário escravista concebia o negro (após a substituição da mão de obra indígena) não como um ser humano, mas como um bem produtivo. Caso este se acidentasse, nascesse com necessidades especiais ou sofresse uma mutilação, era descartado e excluído dos demais – inclusive essa prática era prevista pela Lei do Sexagenário.
Isso poderia ser uma das raízes da segregação e discriminação do trabalhador com necessidades especiais na sociedade brasileira no âmbito do trabalho, como vemos na atualidade. Há uma cultura da discriminação nas esferas do trabalho em todos os campos profissionais quanto ao portador de necessidades especiais”.
	
	
	
Pergunta 3
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	A imagem a seguir foi extraída da História em Quadrinhos As Aventuras de Tintin, do cartunista belga Hergé. 
Neste episódio, criado no início da década de 1930, Tintin viaja ao Congo, colônia africana da Bélgica na época.
Há diversas questões que podem ser discutidas a partir da imagem. Duas, contudo, chamam mais a atenção. São elas: 
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	c. 
O etnocentrismo e o racismo
	Resposta Correta:
	c. 
O etnocentrismo e o racismo
	Feedback da resposta:
	TinTin constrói as aventuras de seu herói no Continente Africano a partir da visão do europeu, representado como civilizado, servido por habitantes locais, exóticos e bárbaros. Então, podemos dizer que a imagem nos remete principalmente às questões de etnocentrismo e racismo. 
	
	
	
Pergunta 4
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	Qual das alternativas abaixo define melhor o que é cidadania?
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	a.
Trata-se do pertencimento de um indivíduo – direitos e obrigações - dentro de uma comunidade politicamente articulada.
	Resposta Correta:
	a.
Trata-se do pertencimento de um indivíduo – direitos e obrigações - dentro de uma comunidade politicamente articulada.
	Feedback da resposta:
	O material referencial diz (Ebook, 2015, p. 14): “Trata-se de um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada, tendo esses direitos e obrigações, sob a forma de leis. A cidadania pode ser vista na modernidade sob duas categorias: formal (refere-se ao direito indicativo de nacionalidade – como um “cidadão brasileiro”) e substantiva (definida pela sociologia e pela ciência política como posso de direitos sociais)”.
	
	
	
Pergunta 5
0 em 0,25 pontos
	
	
	
	Os búzios (pequenas conchas) são jogados por sacerdotes de algumas religiões de matriz africana. O jogo dos búzios, acreditam os seguidores dessas religiões, são uma forma de entrar em contato com os orixás e sondar seus conhecimentos.
Nesse sentido, os búzios estão na esfera do sagrado, para os praticantes de religiões de matriz africana.
A partir dessa reflexão, assinale a alternativa correta:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	e.
Não há relação imediata entre o conceito de sagrado e de profano ou desses conceitos com a universalidade e a individualidade.    
	Resposta Correta:
	b. 
Sagrado e profano não são conceitos universais, já que dependem da religião professada pelo indivíduo.
	Feedback da resposta:
	Sagrado e profano não são conceitos universais, já que dependem da religião professada pelo indivíduo. No caso exposto na questão, os búzios são objetos sagrados para praticantes das religiões de matriz afro, já que falam de crenças que são significativas para esses indivíduos. Contudo, para praticantes de outras religiões, podem não ser sagradas e, inclusive, serem profanos.
	
	
	
Pergunta 6
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	A imagem a seguir ilustra uma reportagem da revista Metrópoles, de 11 de abril de 2016, com o seguinte título: “Marcas ampliam tons de nude para atender a todas as mulheres”.
No corpo da reportagem, descobrimos que diversas marcas, de esmaltes a meias-calças, estão redefinindo a ideia de “cor da pele”, tradicionalmente associado ao bege.
Podemos dizer que essa mudança reflete um ganho social resultado de articulações de diferentes grupos que lutam pela conscientização a respeito:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	a. 
Das questões étnico-raciais e como elas aparecem no dia a dia.
	Resposta Correta:
	a. 
Das questões étnico-raciais e como elas aparecem no dia a dia.
	Feedback da resposta:
	Quando marcas passam a compreender que não há uma única cor de pele (bege; portanto, branco), elas estão respondendo à articulação de grupos que procuraram chamar atenção para as questões étnico-raciais e como elas aparecem no dia a dia: na escolha de um esmalte, de um sapato, de uma meia-calça ou de um sutiã.     
	
	
	
Pergunta 7
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	Observe o gráfico a seguir e selecione a alternativa que melhor o ilustra:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	e.
Percebemos que a questão da desigualdade de gênero se reflete no mercado de trabalho, na medida em que mulheres ganhavam em 2010,