Petição inicial de inexistência de débito
13 pág.

Petição inicial de inexistência de débito


DisciplinaPrática Forense I - Civil13 materiais29 seguidores
Pré-visualização3 páginas
EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA __ VARA CÍVEL DA COMARCA DE GURUPI-TO
URGENTE - PEDIDO LIMINAR
- Justiça Gratuita
- Prioridade de Tramitação
Autor......: Chico K9
Réu..........: Oi Móvel S.A
Ação........: INEXISTENCIA DE DÉBITO C/C TUTELA ANTECIPADA COM PEDIDO DE DANOS MORAIS
 
CHICO K9, brasileiro, mecânico, casado, portador do RG n° 1.195.174 e CPF n° 050.513.192.67, residente e domiciliado na rua 9, centro Gurupi-TO, com endereço eletrônico (chicok9operigoso@hotmail.com) devidamente representada por sua advogada legalmente constituída (procuração em anexo), vem, respeitosamente perante Vossa Excelência, propor
INEXISTENCIA DE DÉBITO C/C TUTELA ANTECIPADA COM PEDIDO DE DANOS MORAIS
Em face da Oi Móvel S.A, pessoa jurídica, devidamente inscrita sob o n° de CNPJ: 62.587.559/0014-30, com sede na Avenida T9, praça A, Centro Goiânia-GO, pelos motivos de fato e direito a seguir expostos:
1. JUSTIÇA GRATUITA
 Declara o requerente, não ter condições de arcar com qualquer tipo de custas ou taxas processuais, sem prejuízo do seu sustento, motivo pelo qual requer desde já, os benefícios da justiça gratuita com crivo na lei 1.060/50.
2. DA PRIORIDADE DE TRAMITAÇÃO
O autor vem à presença de vossa Excelência, informar que encontra-se com 75 anos de idade e enquadra-se como idoso, na acepção jurídica, amparado pelo artigo 1.048 do CPC e art. 71 do Estatuto do Idoso, requer a prioridade de tramitação, nos termos da lei.
3. DOS FATOS
O requerente, no dia 27 de fevereiro de 2018, compareceu a concessionária Fiat da cidade de Gurupi-TO, no intuito de realizar o seu grande sonho, qual seria: trocar o seu carro Fiat Uno no valor de R$ 10.000,00 reais, por um Fiat Bravo no valor de R$ 40.000,00 reais.
Além do valor do carro, o autor tinha R$ 20.000,00 reais para dar de entrada no veículo novo, e a diferença no valor de R$ R$ 10.000,00 reais financiaria. 
O vendedor aceitou a proposta do requerente e disse que o carro estava na promoção apenas no mês de fevereiro de 2018. Assim, o vendedor fez o seu cadastro, no entanto, não foi aprovado devido uma restrição em seu nome junto ao SERASA realizada pela empresa OI MÓVEL S. A, por um suposta dívida no valor de R$ 206,00 reais, dívida esta que teria sido contraída no Estado de Goiás (notificação da restrição em anexo), e que diante disso não pode realizar a compra.
Além do mais, o requerente jamais saiu do Estado do Tocantins.
Diante deste fato, a ré agiu de má-fé, prática totalmente abusiva e indevida, ao inserir o nome do autor no rol de inadimplentes, vez que o requerente nada deve, situação vergonhosa e constrangedora, do qual jamais foi vivenciada pelo autor (negativação do seu nome/cpf).
Excelência, a atitude maliciosa da requerida, além de causar transtornos psicológicos ao autor, ocasionou diversos problemas também, visto que o impossibilitou de comprar o carro tão almejado. 
A existência do dano moral é cristalina!
Portanto, trata-se de negativação abusiva, que inclui o nome de pessoa idônea no rol dos maus pagadores, com reputação ilibada nesta cidade, motivo pelo qual o Requerente revoltou-se por saber que se encontra desprotegido deste tipo de situação, que grandes empresas valendo-se do seu poder econômico, negligenciam as mais básicas relações de comércio no que diz respeito a vida privada do cliente, visando somente o lucro. 
Neste sentido, o autor não viu alternativa, senão propor a presente demanda para declarar inexistente a relação contratual a qualquer débito advindo, como também almeja ter seu nome retirado do rol de inadimplentes e a condenação da ré ao pagamento de danos morais. 
4. DO FUNDAMENTOS JURÍDICOS
4.1 DA TUTELA DE URGÊNCIA
O Requerente nunca contraiu nenhuma dívida com a Requerida, no entanto, teve seu crédito restrito em decorrência de uma situação provocada, exclusivamente, por negligência da Requerida. 
	Ademais, não é justo o Autor ter seu nome incluso no rol dos maus pagadores, pois reside em cidade pequena e estas informações são facilmente propagadas e comentadas por todos, haja vista que a aquisição de produtos, bem como qualquer compra a prazo será liberado somente, após a exclusão da restrição em seu nome, caso o Requerente permaneça com a restrição não poderá realizar suas atividades, o que é de suma importância.
A esse respeito, o amparo legal para tal requerimento encontra-se presente no código de processo civil vigente em seu artigo 300, que garante a antecipação da tutela em vista da lesão material e moral que a parte autora vem sofrendo, sendo assim o dispositivo nos ensina que:
Art. 300.  \u201cA tutela de urgência será concedida quando houver elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo.\u201d 
......omissis....
§ 2° - A tutela de urgência pode ser concedida liminarmente ou após justificação prévia;
§ 3º - A tutela de urgência de natureza antecipada não será concedida quando houver perigo de irreversibilidade dos efeitos da decisão.
A antecipação dos efeitos da tutela é medida necessária, não havendo perigo de irreversibilidade dos efeitos da decisão. A manutenção da dívida em nome do Requerente não trará apenas prejuízos de ordem patrimonial, mas também riscos a sua saúde mental, física e moral, uma vez que foi vítima de uma situação que não participou, não contribuiu e nem deu causa de qualquer forma. 
	Assim, torna-se necessária a ordem de imediata retirada da restrição/negativacão no SERASA, que excluam o nome do Requerente de todas as restrições decorrentes da dívida, totalmente indevida, em seu nome, objeto da presente, conforme Prova inequívoca - notificação da restrição em anexo -, tendo em vista, que esse título versa sobre um título nunca contraído.
	O requerente sofreu restrições em seu crédito devido à negativação indevida em seu nome e, agora, caso tenha que esperar a resolução do litígio, além de constar no rol dos maus pagadores, terá seu direito cerceado, causando-lhe danos irreparáveis. Portanto, demonstrado está o perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo (periculum in mora), que é requisito a concessão do pedido liminar.
	Resta claro a probabilidade do direito (verossimilhança da alegação), tendo em vista que o título levado a protesto não fora contraído pelo Consumidor, ora Autor, que no presente caso, existe má-fé da Requerida, a qual colocou o Requerente em situações de dificuldade, cabendo ao Poder Judiciário punir a prática dessas infrações, como forma de inibir o cometimento de outras de mesma natureza.
	Demonstrado também o fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação, que caso não cesse o provocado pela Requerida em relação ao protesto indevido (negativação) no CPF do Requerente, este fica impossibilitado de contratar qualquer operação financeira com terceiros ou instituições financeiras, colocando seu poder de compra em sérios riscos, pois estará impedido de comprar a prazo. 
	Ademais, a presente medida não trará prejuízo algum à requerida, pois mesmo se houvesse possibilidade do Requerente possuir tal dívida em atraso com a Requerida, fato este que não é verdade, poderá futuramente retornar com negativação. 
	Presente os requisitos para a concessão da medida liminar, requer desde já, que se oficie a Requerida para retirar URGENTE a restrição do nome do Requerente, sob pena de multa diária no importe de R$ 1.000,00 (um mil reais), a ser determinado por Vossa Excelência em caso de descumprimento da ordem, a partir do dia seguinte do recebimento da determinação.
4.2 DA INEXISTÊNCIA DO DÉBITO
O requerente vem até vossa Excelência expor fundamentos que servirão para o reconhecimento da inexistência da dívida alegada e por consequência implicarão na retirada do nome do autor dos órgãos de proteção de crédito.
A declaração de inexistência de débito deve ocorrer após o suposto devedor ter ciência da dívida e por conseguinte