A noção do direito
3 pág.

A noção do direito


DisciplinaIntrodução ao Direito I92.989 materiais691.879 seguidores
Pré-visualização2 páginas
UNIDADE I \u2013 A NOÇÃO DO DIREITO 
1.1- O DIREITO NO UNIVERSO DO CONHECIMENTO 
\uf0fc A Introdução ao Estudo do Direito é a disciplina que tem por finalidade 
fornecer uma visão global da ciência que trata do fenômeno jurídico, 
proporcionando uma compreensão de conceitos jurídicos comuns a 
todas as disciplinas do curso de Direito, além de introduzir o aluno na 
terminologia técnico-jurídica. 
\uf0fc É uma disciplina essencialmente propedêutica (que traz estudos 
introdutórios/preparatórios) ao ensino dos vários ramos jurídicos, devido 
às noções básicas e gerais que visa transmitir, estabelecendo as linhas 
fundamentais da ciência jurídica, expondo os conceitos universais do 
Direito. 
\uf0fc É também uma disciplina essencialmente epistemológica (teoria ou 
ciência da origem, natureza e limites do conhecimento) por três motivos 
principais: 
\uf0fc Podemos definir a Ciência do Direito, assim, como conhecimentos, 
metodicamente coordenados, resultantes do estudo ordenado das 
normas jurídicas com o propósito de apreender o significado objetivo das 
mesmas e de construir o sistema jurídico, bem como de descobrir suas 
raízes sociais e históricas. 
\uf0fc É a Ciência do Direito que constrói o sistema jurídico ou ordenamento 
jurídico- que é a ordenação das normas do direito de um país (Brasil, 
França, Espanha, etc.) e que formula os conceitos e teorias jurídicas. 
1.2- ACEPÇÕES E DEFINIÇÕES DA PALAVRA DIREITO 
\uf0fc A palavra Direito vem do latim directum que corresponde à ideia de 
regra, direção, sem desvio. 
\uf0fc No Ocidente, em alemão, recht, em italiano diritto, em francês droit, em 
espanhol derecho, têm o mesmo sentido. 
\uf0fc Os romanos denominavam-no de jus, jussum, jubere, justitia, que significa 
justo, justiça, conjunto de leis. 
\uf0fc No grego era diké ou díkaion, que significa indicar, direito, o que foi 
indicado. 
\uf0fc A solução dos conflitos, com base no direito e na intervenção do Estado 
é o que torna possível a vida em sociedade. 
1.2.1- CONCEITO DE DIREITO 
\uf0fc Não se tem notícia histórica da data de origem da palavra \u201cDireito\u201d, ou 
seja, o exato momento do seu aparecimento para o significado que nos 
interessa. Afirma-se, porém, que veio do Latim directum, que significa 
direto, reto, correto, direito. 
\uf0fc Direito pode ser analisado como o conjunto de normas obrigatórias que 
disciplinam as relações humanas ou como a ciência que estuda essas 
normas. 
\uf0fc Pode ainda ser visto como valores informativos da normogênese \u2013 para 
a criação da norma \u2013 ou, em última análise, como o direito de agir ou 
não agir, conforme a norma permita ou não proíba (faculdade). 
\uf0fc Assim podemos dizer: 
a) direito é a norma (lei em sentido lato); 
b) Direito é também ciência (aqui sempre com \u201cD\u201d maiúsculo) que estuda a 
norma; 
c) direito é, ainda, definido como o conjunto de valores (com foco no valor 
justiça) que inspiram o homem na criação de normas (matar alguém resulta em 
uma pena porque existe um valor maior, de proteção à vida); 
d) por fim, direito também é a faculdade, a opção, o poder que cada um dos 
cidadãos tem de agir (conforme a lei permita ou não proíba), e de exigir do 
Estado a segurança, a proteção para que os demais cidadãos respeitem os 
seus direitos. 
\uf07d Outro fato que se denota pela apreciação histórica é que em cada 
tempo e lugar o conceito de direito tende a uma dessas vertentes 
conceituais \u2013 norma, ciência, valor e poder. 
\uf07d Em obras contemporâneas, destacamos algumas conceituações 
históricas e modernas, para notarmos a evolução que o significado da 
palavra sofreu no acompanhar do desenvolvimento sócio cultural dos 
povos. 
\uf07d É possível notar a evolução na conceituação do direito na história, 
saindo de um significado poético de natureza filosófica, passando por 
mecanismo de controle social e atualmente se caracterizando um 
instrumento de resposta social. 
 
 
TÉCNICA JURÍDICA 
\uf07d A técnica da ciência do Direito é o conjunto de procedimentos 
destinados a tornar mais perfeita e eficaz a criação e aplicação do 
direito, bem como a tornar mais completo o seu conhecimento. 
\uf07d Técnica Jurídica é o método de realização das normas jurídicas: se o 
Direito se expressa por meio da lei, expressão da vontade soberana da 
nação, para que ela cumpra sua finalidade de harmonizar lides e litígios, 
é imprescindível uma técnica na sua elaboração, que é a técnica 
jurídica. 
\uf07d Para Paulo Dourado de Gusmão, \u201ca técnica jurídica é o conjunto de 
princípios que disciplinam a elaboração, a interpretação e a aplicação 
correta da Norma Jurídica, permitindo a plena realização do Direito na 
vida Social.\u201d 
\uf07d A técnica jurídica vem sendo estudada como um corpo tripartido: 
TÉCNICA DA FORMULAÇÃO LEGISLATIVA DO DIREITO 
 Refere-se à conduta do legislador enquanto tal na criação de normas e 
divide-se em Iniciativa, Discussão e Aprovação (fases que pertencem ao 
Poder Legislativo no que tange à análise dos projetos de lei que foram 
propostos) e Sanção, Promulgação e Publicação (fases a cargo do Poder 
Executivo no que tange à análise dos projetos de lei que vieram do Poder 
Legislativo) 
2. TÉCNICA DA CIÊNCIA DO DIREITO 
 Que se destina a concentrar, sistematizar e unificar a matéria jurídica, 
simplificando e organizando o direito par sua melhor compreensão e aplicação; 
3.TÉCNICA DA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO OU TÉCNICA JURISDICIONAL 
Que engloba as técnicas de interpretação do direito (determina o sentido da 
norma) e de integração do direito (busca resolver o problema das lacunas no 
direito), tendo por fundamentos os princípios nos quais se apoiam os operadores 
do direito (juiz, advogado, promotor) para aplicação correta da Norma Jurídica 
em cada caso concreto. 
\uf07d São fases da Técnica da formulação legislativa do direito Iniciativa, 
Discussão e Aprovação e Sanção, Promulgação e Publicação: 
INICIATIVA: 
\uf07d apresentação do projeto de lei, é a faculdade, competência que a 
Constituição atribui ao indivíduo para que esse possa vir a apresentar um 
projeto de lei; é o ato que inaugura o processo legislativo. 
DISCUSSÃO: 
Um projeto vai ser discutido em todos os âmbitos, será iniciado pela 
câmara ou casa revisora, revisto pela que não o iniciou e analisado 
pelas comissões técnicas permanentes de acordo com o projeto. Depois 
de exaustivamente discutido e não tiver mais o que se discutir sobre o 
projeto, este é encaminhado para votação. 
VOTAÇÃO: 
É o ato de decisão da maioria dos membros ali presentes. A votação 
aprova ou rejeita o processo e, em regra para aprovar é necessário 50% 
dos votos mais 1. 
SANÇÃO: 
A sanção só pode ser dada pelo chefe do Executivo (Presidente da 
República, Governador ou Prefeito). 
\uf07d Este receberá o texto legal do projeto de lei que vem do Congresso 
Nacional, da Câmara dos Deputados ou de Vereadores, 
respectivamente, devidamente discutido e votado. 
\uf07d O Chefe do Executivo pode dar a sua aquiescência (consentimento, 
aprovação) ao projeto ou vetá-lo, seja de forma total ou parcial. 
\uf07d Caso o projeto tenha alguns termos ou artigos vetados, ele voltará à 
discussão e votação. 
\uf07d Após derrubados esses vetos o projeto será encaminhado ao Legislativo 
(Senado) e não mais ao Executivo, tendo o Legislativo como função, 
agora, aprovar o projeto, promulgá-lo. 
PROMULGAÇÃO : 
\uf07d É como um atestado de que a lei foi aprovada pelas etapas anteriores. 
\uf07d É um atestado da existência válida da lei e de sua executoriedade. 
\uf07d Em regra é o Presidente da República que verifica se a lei foi 
regularmente elaborada e depois atesta que a ordem jurídica está 
sendo inovada, estando a lei apta a produzir efeitos no mundo jurídico. 
\uf07d A presunção de validade das leis decorre da promulgação. 
\uf07d O que