A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Preconceito ou Intolerância Religiosa sob Movimento Hare Krishna em Caruaru-PE.docx

Pré-visualização | Página 1 de 4

Um Estudo Sobre Intolerância E Preconceito A Partir Da Realidade Do Movimento Hare Krishna Em Caruaru-Pe.
Ewerton Alves da Silva[1: Acadêmico do 2° Período em Direito no Centro Universitário Tabosa de Almeida – ASCES-UNITA, Caruaru-PE. E-mail: tomalvess@gmail.com]
Adilson Ferraz [2: Doutorando em Direito pela Universidade de Buenos Aires - UBA, Doutorando em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica Argentina - UCA, Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE e Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Caruaru - ASCES. ]
Resumo
O trabalho utiliza-se de elementos históricos da colonização com participação religiosa em meio aos conceitos da ciência política. Pesquisa uma tendência natural da rejeição ao desconhecido ou pré-concebido ao indivíduo, para tal o estudo no âmbito antropológico. A axiologia investida na eficácia sócio-jurídica da liberdade de crença. Substancia o estudo hermenêutico enquanto preconceito e intolerância e sua antinomia. Utilizamos a participação da sociedade caruaruense, do movimento Hare Krishna em Caruaru-PE e instrumentos da Administração Pública Municipal. O estudo indica um entendimento duplo, a sociedade compreende como preconceito algo de "menor" dano e a intolerância sendo atos valorados por ato de agressão. Já́ para o grupo de pesquisa, os adeptos do movimento Hare e para os órgãos do Governo Municipal, bem como para o ordenamento jurídico, tratam-se de sinônimos em prática.
Palavras-chave: Caruaru; Religião; Intolerância; Hare Krishna.
Introdução
Muitas batalhas já foram travadas no processo de integração de grupos com foco racial, de trabalhadores, de gênero e mais recentemente ao que tange a liberdade sexual. O anseio da aceitação social de forma total por estes grupos, resultou em grandes lutas, obtendo respostas significativas, amparadas em sua maioria primeiramente no âmbito jurídico, que gera um amparo legal que se torna uma ferramenta poderosa diante de uma "maioria". 
Entender a ação da maioria neste sentido é relativo ao que cita Mendes Chaves (CHAVES, Rev. C. Sociais. Vol. I N.01, p.149): 
Na literatura sociológica a palavra minoria tem sido utilizada frequentemente em dois sentidos. Significa primeiro, mais amplamente, um grupo de pessoas que de algum modo e em algum setor das relações sociais se encontra numa situação de dependência ou desvantagem em relação a um outro grupo, "maioritário", ambos integrando uma sociedade mais ampla. As minorias recebem quase sempre um tratamento discriminatório por parte da maioria. Nesse sentido, por exemplo, uma pequena comunidade religiosa de credo divergente da fé professada pela maioria da população é uma minoria e pode sofrer problemas vários no campo das relações religiosas; ou a oposição num país "pouco democrático", ocupando lugar subordinado na estrutura política, tendo pouca chance de ação. 
Pouco se conhece quando é abordado o tema Intolerância Religiosa, pois é facilmente reportado o assunto ao entendimento de preconceito. Qual seria esta diferença? Em que ponto a discriminação, a não aceitação pode ser rotulada e definida pela intolerância ou mero preconceito? Haveria um nivelamento de superioridade e inferioridade entre o preconceito e a intolerância? Quais as sanções positivas e negativas sociais e dos instrumentos do Estado? 
O Movimento Hare Krishna, a religião, protagonista principal do objeto de pesquisa – a dúvida relacionada à manifestação de preconceito ou intolerância - fundamenta-se a partir da premissa histórica de origem do que seria neste momento, portanto, o Movimento Hare Krishna, diferente da maioria dos brasileiros: cristãos. 
Teorias e dogmas do Hare Krishna a nível mais profundo e suas peculiaridades que não colaboram com esta pesquisa serão desprezadas.
Delineando ainda Mendes Chaves, segundo o autor em seu artigo Minorias e seu Estudo no Brasil (CHAVES, 1974), fundamentamos a necessidade da pesquisa também contemplar os instrumentos do Estado, uma vez que a própria criação do Estado e seu processo evolutivo na história vem contribuir para o surgimento e manutenção das minorias, ampliando a diferença entre as relações maioria-minoria. Convenciona ao poder estatal como um instrumento eficiente de uso da maioria para subjugar as minorias. 
Para o Estado Democrático, laico, que detém várias origens étnicas, culturais e religiosas, criar uma nacionalidade homogênea e única seria estar na contramão do regime proposto.
Há de se questionar, o próprio interesse do Hare Krishna na ampla difusão de sua dogmática, do convite à adesão e nas formas gerais de publicidade convidativa. 
Delimitaremos geograficamente o território de pesquisa na cidade de Caruaru, Estado de Pernambuco. Caruaru possui em base de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, população (estimada em 2016) em pouco mais de 351 mil e Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - (IDHM 2010) de 0,677. Considerada matriz polo econômico do Estado de Pernambuco, detentora de instituições educacionais tradicionais e cursos de nível superior. [3: IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Brasília, 2016. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/v4/brasil/pe/caruaru/panorama>. Acesso em: 17 de maio de 2017.]
1. Conceitos De Tolerância Religiosa E Preconceito 
Desde a antiguidade que a humanidade enfrenta conflitos conviviais com base nas divergências religiosas. Em todos os períodos históricos são evidenciadas as batalhas entre pessoas e povos, movidos pela "intolerância", termo que ainda buscaremos melhor compreensão adiante. 
Assim como nas perseguições cristãs contra pagãos e judeus, através de conversões obrigatórias ou às vias de execução em praça pública ou fogueira. A evolução no tempo é visualizada pelas perseguições aos judeus na Alemanha nazista, o conhecido Holocausto, bem como na União Soviética, um Estado com jurisdição ateísta que perseguia quaisquer grupos religiosos. 
Para o estudo contemporâneo, na esfera delineada para Caruaru-PE, município brasileiro, com regime de Estado Democrático de Direito constituído, na realidade do pluralismo religioso, com amparo legal para a liberdade de exercício de escolha individual da prática religiosa, delineia-se o desenvolvimento histórico brasileiro.
A ocupação do Brasil, oriunda da colonização ocidental, portuguesa, católica. Assim destacamos: 
Em certo sentido, o achamento do Brasil esteve inserido dentro do ideal de cruzada presente em Portugal. Os lusos desbravaram os oceanos em busca de cristãos e especiarias, pretendendo encontrar riquezas que pudessem ser comercializadas e cristianizar o mundo. Portanto, a origem do processo de ocupação territorial da Terra de Santa Cruz, serviu, de certa forma, as intenções da igreja católica. 
Os portugueses que vieram para o Brasil estiveram inseridos no universo mental de seu tempo e espaço, partilharam o ideal de cruzada, adotando o catolicismo como insígnia do poder da coroa. (Para entender a história... ISSN 2179-4111. Ano 1, Volume ago., Série 29/08, 2010: 01-06). 
Destacamos aqui a característica correlacionada da força religiosa amparada e de certa forma aliada da vertente política das vontades e influências destes que compõem o poder da coroa, do controle social posto naquele momento. 
A ação dos padres jesuítas no Brasil Colônia do século XVI, quando os jesuítas que compunham a ordem religiosa católica chamada Companhia de Jesus, com o objetivo de pulverizar a fé católica, especificamente no Brasil o objetivo de era de cristianizar as populações indígenas. Nas missões, os jesuítas organizavam os indígenas em torno de um regime de trabalho e religiosidade. Submetiam aos costumes e culturas europeias não admitindo qualquer tipo de diversidade cultural, nem mesmo as originárias da colônia, em uma relação de trabalho escravo. 
Trazer estes fatos históricos, colaboram com o entendimento axiológico da predominância religiosa brasileira. Já que a formação da sociedade