A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Motilidade dos intestinos

Pré-visualização | Página 1 de 1

Intestino Delgado:
 Os movimentos do intestino delgado como em qualquer parte do trato gastrintestinal, podem ser divididos em 2 partes: 
Segmentação ou contrações de mistura: é um tipo de motilidade que faz com que o quimo proveniente do estomago se misture com as enzimas. 
Peristaltismo ou contrações propulsivas: é a propulsão do quimo ao longo de todo o tubo digestório. 
Segmentação: quando uma porção do intestino delgado é distendida pelo quimo, o estiramento da parede intestinal desencadeia contrações localizadas e espaçadas em intervalos ao longo de todo o intestino delgado que duram cerca de frações de segundos.
Estas contrações causam os anéis de contrição que ocorrem ao mesmo tempo ocorrendo cerca de seis a nove vezes por minuto. Estas contrações segmentares evidentemente são capazes de fragmentar o quimo, cerca de dois a três vezes por minuto, promovendo desta maneira a mistura progressiva das partículas alimentares com as secreções do intestino delgado. 
Peristaltismo: o quimo é propelido por todo o intestino delgado através das ondas peristálticas. Estas ondas ocorrem em qualquer parte do intestino delgado com função de propelir o quimo no sentido anal. A atividade peristáltica do intestino delgado aumenta acentuadamente após as refeições: Ocorre pela chegada do quimo ao duodeno. 
Durante todo o intestino delgado o trajeto do alimento dura cerca de 6 a 8 horas. 
Intestino grosso:
Formação do quilo, que é pobre em água e nutrientes que vão sendo absorvidos durante o processo. 	
Esvaziamento do intestino delgado ocorre no íleo em sua porção final, onde o quimo passa para o intestino grosso em sua porção inicial, isso acorre pela abertura do esfíncter íleocecal que só abrira quando o ceco estiver vazio. O grau de contratilidade do esfíncter íleocecal e a intensidade do peristaltismo no íleo terminal são controlados significativamente por reflexos oriundos do ceco. Quando o ceco está cheio, portanto distendido, a contração de esfíncter íleocecal é intensificada e o peristaltismo ileal é inibido, o que retarda o esvaziamento adicional do quimo. Qualquer irritação presente no ceco retarda o esvaziamento ileal, por exemplo, apêndice inflamado. 
Válvula íleocecal: sua função consiste em impedir o refluxo ou fluxo retrógrado do conteúdo fecal do cólon para o intestino delgado (íleo). 
Flora bacteriana do intestino grosso: nesta localidade não causa mal algum, mas caso se espalhe para outros locais podem causar problemas sérios. 
Geralmente estas bactérias fazem a degradação de celulose, que não é digerida nem absorvida pelo organismo. Existe um equilíbrio natural entre estas bactérias e nosso organismo, pois elas fazem a degradação da celulose enquanto isso nós fornecemos um meio ideal para viverem. 
Por qualquer caso que seja, quando esta flora bacteriana é prejudicada ou totalmente eliminada, a celulose não será mais digerida pelas bactérias o que aumenta a motilidade do intestino grosso causando uma consequente diarreia. A flora bacteriana caso prejudicada ou totalmente perdida tem de ser reposta através de medicamentos, que as contenham. 
Intestino grosso é dividido em 2 partes: 
Cólon absortivo: compreende o ceco, cólon ascendente e ½ anterior do cólon transverso, sendo também chamado de metade proximal do cólon. 
· Absorção de H2O e eletrólitos (íons) do quimo para a formação do quilo ou fezes sólido pastosas. 
2. Cólon armazenador: metade distal, que compreende a metade terminal do cólon transverso, cólon descendente e sigmóide.
Ainda ocorre uma pequena absorção de água e eletrólitos, mas insignificante, pois a grande maioria já foi absorvida. Sua principal função é o armazenamento da matéria fecal, até o momento adequado em que ocorrera a defecação. 
Motilidade do intestino grosso: para as funções mencionadas acima não são necessários movimentos intensos, os movimentos são em geral muito lentos, mas apesar disto ainda exibem características semelhantes ao do intestino delgado, podendo também ser divididos em 2 tipos: movimentos de mistura (haustrações) e movimentos propulsivos em massa. 
Haustrações: estes movimentos têm a finalidade de virar o alimento de forma que à parte que não estava em contato com a parede do tubo, passe a estar em contato para assim melhorar a absorção. 
As tênias cólicas promovem a formação de uma bolsa, pelo relaxamento de uma ou duas tênias enquanto uma outra oposta se contrai, causando a reversão do alimento. Este movimento tem a finalidade de espalhar o alimento sobre a parede do intestino grosso, o que aumenta a absorção, no geral o volume do quimo que chega ao intestino grosso pode ser de até 1,5 l/dia, mas apenas 80 a 200 ml de fezes são expelidas diariamente. 
Movimentos de massa ou propulsivos: o A finalidade principal é a propulsão do alimento, ocorre mais na porção final onde já ocorreram todas as absorções necessárias, sua onda peristáltica podem se iniciar no cólon transverso e terminar no cólon sigmóide. 
Os movimentos de massa podem se iniciar por dois tipos de reflexos: ambos os reflexos facilitam o inicio dos movimentos de massa. 
Reflexos gastrocólicos: estimulado pelo enchimento do estômago, ou seja, pelas distensões das paredes do estomago. 
Reflexos duodenocólicos: estimulados pelo enchimento duodenal. 
Os movimentos de massa são mais estimulados após as refeições, pois existe um trânsito gastrintestinal, e conforme o novo alimento vai chegando a uma determinada região o que estava lá anteriormente tem de sair, por sua vez estimulam a defecação