A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
356 pág.
Hits Brasil Fernando carneiro de Campos

Pré-visualização | Página 34 de 50

composto pelo sonoplasta Paulo Ribeiro para a novela O Grito, da 
Rede Globo. Os sonoplastas das novelas sempre foram 
importantes no processo de escolha da música adequada para cada 
personagem. Alguns deles notam que compor temas é um bom 
jeito de ganhar dinheiro, e apresentam suas composições para os 
diretores das novelas. Se o diretor gosta da ideia, o sonoplasta 
procura uma gravadora interessada em grava-la. 
O tema toca como música de fundo na novela, e muita gente 
acha que ficaria mais bonito ainda em versão cantada. Paladino 
repassa para a RGE a missão de gravar uma versão cantada dessa 
música o mais depressa possível. Hélio se dispõe a grava-la, 
embora o tom da gravação não seja no tom exato de sua voz. 
Fazendo ajustes na letra e na melodia, ele grava os vocais no 
estúdio Prova, de propriedade de José Scatena, o pioneiro que 
havia criado a RGE em 1957. Como não está a fim de procurar 
outro nome, assume de novo o nome Steve MacLean. O nome da 
música passa a ser True Love (1976), e Paulo Ribeiro recebe o 
pseudônimo Paul Nixon. Sem nada para preencher o lado B, Hélio 
regrava Air For A Great Love atualizando a sua sonoridade. Ter 
uma música na trilha de uma novela da Rede Globo é garantia de 
sucesso, e True Love se torna um dos maiores sucessos de sua 
carreira de cantor romântico, que decola a partir desse momento. 
Os Carbonos são bons músicos, e Hélio sempre os convoca para 
fazer alguma gravação cover. Para a trilha sonora dessa mesma 
novela, ele pede para replicarem a base de Tenderness (Twins). O 
arranjo de orquestra é feito pelo maestro Hector Lagna Fietta. 
Hits Brasil: Sucessos “estrangeiros” Made In Brazil 
 187 
Quando tudo está pronto, Umberto Carezzato, baixista dos 
Carbonos, ouve a fita máster ainda sem vocal e comenta como a 
gravação ficou bonita. Beto pergunta para Hélio quem vai ser o 
cantor, e surpreende-se ao saber que é ele mesmo. Ele sabe que 
melhor cantor do conjunto é seu irmão Raul, e acha que Hélio está 
biruta. Mas Hélio é muito persuasivo, e o convence a cantar. Beto 
fala um inglês razoável, e Hélio ensina-lhe a pronúncia correta de 
algumas palavras. A voz de Beto é dobrada eletronicamente, e a 
versão cover é lançada como sendo de uma dupla chamada 
Brothers, uma das raras gravações de covers em que Beto canta em 
inglês. 
Com o sucesso de True Love, Steve MacLean é requisitado para 
gravar outras músicas para trilhas de novelas da rede Globo, 
também lançando seus sucessos em compactos pela RGE. A 
novela O Casarão (1976) torna Forever Alone um sucesso. A música, 
também composta por Paulo Ribeiro, é muito bonita, 
acompanhada de um lindo arranjo do maestro Daniel Salinas. No 
lado B do compacto sai a canção Our Love, Our Happiness, 
composta por Steve em parceria com Luiz Marcelo Caggiano (seu 
parceiro nos Mustangs e no Sunday), que assina Lou K. Gee. 
Chrystian não fala inglês, mas um americano que ouça cantando 
em inglês pensa que ele fala perfeitamente a língua, pois ele tem 
uma pronúncia excelente. Na qualidade de produtor, Hélio leva 
Chrystian para gravar um LP em Nashville, em 1976, e lá, os 
americanos, que o ouvem cantar, vem conversar com ele em 
inglês, e o coitado do Chrystian não entende patavina do que lhe 
dizem. 
Em seguida sai o compacto duplo Four For Brazil (1977), com 
as músicas IF You Could Remember, de Tony Stevens; Forever Alone, 
de Steve MacLean; Angel, do Julian, ou seja, Luiz Felipe Dib Neto, 
ex-baterista do Lee Jackson; e Children, de Paul Denver, ou melhor, 
Carlos Alberto de Souza, o Carlinhos dos Buttons. 
Fernando Carneiro de Campos 
 188 
A única música que Hélio compôs especialmente para o Steve 
MacLean é Sweet Sounds Oh Beutiful Music, feita em parceria com sua 
namorada chamada Rosana, que assina a letra como Rose Anne, 
fazendo sucesso na trilha da novela Loco-Motivas (1977). Para 
completar um compacto duplo, Hélio pega o playback de Fly, uma 
composição sua que havia produzido para o Chrystian, e a regrava 
com sua voz. Inclui novamente Our Love, Our Happiness, e ainda 
grava Thank You Dear composta por Antonio Paladino. 
Helio é sujeito dinâmico, cheio de ideias, com muita visão 
comercial, e sabe o que cola na orelha das pessoas. Surge a ideia de 
fazer um disco contendo uma centena de músicas, algo que 
certamente chamaria muito a atenção do público. Mas não cabem 
cem músicas em um disco de vinil, porque no vinil só cabe uns 26 
minutos de cada lado (52 minutos no total). Uma centena de 
músicas significa cerca de 300 minutos de gravação (5 horas). O 
CD, lançado alguns anos depois tem o limite de 80 minutos. Hélio 
fica imaginando um modo de junta-las e decide fazer um pot- pourri, 
ou em inglês Medley. 
Toda vez que aparece um ritmo novo no mundo, ele é mais 
forte do que a música. A nova onda internacional é a Discotheque e 
o pessoal abre o baú regravando músicas dos anos 40, 50 e 60 
nesse ritmo. Ele cria um grupo vocal de garotas, as Harmony Cats, 
que cantam músicas antigas em ritmo de Discotheque, vocalizadas 
em um estilo próprio. Chama as garotas que já cantam em coro 
com Steve MacLean e muitos outros cantores, tanto em inglês 
quanto em português: Sua irmã Maria Amélia, sua namorada 
Vivian, Cidinha, Rita e Heleninha. Dois LPs, lançados pela Som 
Livre fazem um sucesso enorme. 
A trilha sonora da novela Pecado Rasgado (1978) nos traz mais 
uma canção de Steve MacLean. No auge da onda Discotheque, a 
bonita música Places é uma balada romântica no melhor estilo. No 
lado B do compacto sai a música Happiness, não tão bonita. Como 
Hits Brasil: Sucessos “estrangeiros” Made In Brazil 
 189 
diretor artístico da RGE, Hélio faz maluquices deliciosas, como 
contratar gente bonita para dublar cantores internacionais em 
programas populares. Com a explosão da onda Discotheque, surge a 
cantora alemã, Dee. D. Jackson, fazendo um sucesso incrível com 
Automatic Lover. Uma gravação original da Júpiter Records, 
representada no Brasil pela RGE. Como Dee. D. Jackson jamais 
viria ao Brasil só para cantar em programas populares, como Raul 
Gil, Bolinha e Carlos Imperial, Hélio cria uma dublê da Dee D. 
Jackson, representada por Regina Shakti (apresentada a Helio por 
Sonia Abreu sua amiga de infância), uma garota muito bonita e 
sensual, mais charmosa do que a própria Dee. D Jackson, 
dublando a canção em companhia de um dançarino fantasiado de 
robô. Regina torna-se atração obrigatória no programa Buzina do 
Chacrinha (TV Bandeirantes), onde a coisa fica ainda mais maluca. 
Cada vez que se apresenta no programa, Regina se vê 
acompanhada de mais robôs. Chega uma sexta-feira na qual 
Chacrinha anuncia que Dee. D Jackson estaria acompanhada por 
mais de trinta robôs. Por ser um programa anárquico, a bagunça é 
tanta que fica difícil contar os “robôs”. Foi cômico, mas parecia 
não ter nem vinte deles, cada qual mais ridículo do que o outro. 
Paloma (1979) é gravada quando o Sunday se resume em Hélio e 
Vivian, fazendo muito sucesso na trilha sonora da novela Os 
Gigantes. Hélio e Vivian estão com as agendas lotadas, sem tempo 
para se apresentarem em programas de televisão. Para resolver o 
problema, apresentam um rapaz bonitão vestido de fraque 
acompanhado de duas garotas gatíssimas trajando minivestidos de 
noivas para fingirem ser o Sunday, dublando Paloma na televisão. 
Outra criação incrível é o grupo Genghis Khan brasileiro, 
capitaneado pelo coreógrafo Jorge Danel (1979). Jorge raspa a 
cabeça e dubla na televisão as músicas do alemão Genghis Khan com 
suas maravilhosas coreografias, sem imitar em nada o grupo 
original. Até que um dia eles inventam de gravar Comer, Comer, uma 
Fernando Carneiro de Campos 
 190 
música em português, composta por Carlinhos Borba Gato, que 
faz um sucesso ainda maior, e mudam o nome o grupo para 
Brazilian Genghis Khan. Chrystian e as Harmony Cats seguem a 
tendência