A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
COMUNICAÇÃO   UNIDADE 3

Pré-visualização | Página 7 de 7

anterior.”
PREMISSA 1 PREMISSA 2
“Os hospitais passam por
uma superlotação como
jamais vista antes na
história.”
CONCLUSÃO
Quadro 3 – Estrutura de um argumento.
Fonte: Elaborado pela autora, 2015.
22 Laureate- International Universities
Comunicação
Perceba que o seu argumento deve conter estes três elementos, mas não necessariamente nesta 
ordem. Você é livre para começar a escrever por onde quiser, basta ter em mente o que não 
pode faltar na sua argumentação. A primeira premissa trata de uma evidência, ou algo que todo 
mundo sabe e não se precisa nem comprovar; a segunda complementa ou justifica a sua evidên-
cia (neste caso, você pode inclusive utilizar o argumento de alguma autoridade no assunto); e 
finalmente, uma conclusão apresenta a sua opinião quando se somam as duas premissas.
3.4.6 Como elaborar uma conclusão para o seu texto
Finalmente, a melhor maneira de concluir um texto dissertativo-argumentativo é com uma pro-
posta de intervenção. Uma proposta de intervenção responde às seguintes perguntas: o que 
você pode propor para amenizar este problema? O que você faria se fosse uma autoridade 
competente no assunto? Como você interviria no problema? O que você pode argumentar na 
conclusão que demonstra que você é um cidadão consciente? Trata-se da solução apresentada 
para a questão.
23
Síntese
•	 Neste capítulo, observamos os três principais tipos de textos: narrativos, descritivos e 
argumentativos, suas respectivas conceituações e principais características.
•	 Falamos das regras da língua portuguesa, que existem para que as pessoas possam se 
entender da melhor maneira possível. Mesmo conhecendo e sabendo aplicar as regras da 
língua, precisamos saber escrever com criatividade, caso contrário, nosso texto se tornará 
monótono.
•	 Você compreendeu os principais recursos que podem ajudar a criar um texto: as figuras 
de palavras, de construção e as figuras de som.
•	 Observou que para fazer sentido, o texto possui sentenças que devem ser coesas, seja por 
concordância ou regência.
•	 E finalmente, conhecemos algumas técnicas para produzir textos acadêmicos melhores, 
especialmente os textos dissertativo-argumentativos, que podem ser usadas também nas 
suas apresentações como profissional.
Síntese
24 Laureate- International Universities
Referências
ANDRADE, Maria M.; HENRIQUES, Antonio. Língua Portuguesa: noções básicas para cursos 
superiores. São Paulo: Atlas, 1994. 
BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970.
BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Frontei-
ra, 2009.
ELIAS, Marisa del Cioppo. De Emílio a Emília: a trajetória da alfabetização. São Paulo: Scipio-
ne, 2000.
GALLO, Camille. Faça como Steve Jobs: e realize apresentações incríveis em qualquer situa-
ção. São Paulo: Lua de Papel, 2010.
HOUAISS, Antonio; SALLES VILLAR, Mauro de. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 
Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
KOCH, Stephen. Oficina de escritores: um manual para a arte da ficção. São Paulo: Martins 
Fontes, 2009.
LEITE, M. Dinâmica Evolutiva do Processo Criativo. In: VIRGOLIM, Angela M. e ALENCAR, Eunice 
S. M. L. (orgs.). Criatividade: Expressão e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.
MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, Graciela R. Produção textual na universidade. São Pau-
lo: Parábola Editorial, 2010.
PREDEBON, José. Criatividade: abrindo o lado inovador da mente. São Paulo: Atlas, 2008.
RIBEIRO, Marlene. Movimento camponês: trabalho e educação. São Paulo: Expressão Popular, 
2013.
RILKE, Ranier Maria. Cartas a um jovem poeta. Porto Alegre: L&PM, 2010.
SANTOS, Lulu; MOTA, Nelson. Certas coisas. Intérprete: Lulu Santos. Rio de Janeiro: WEA, 
1985. 1 CD.
Bibliográficas