Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Portifólio gláucia (1)

Pré-visualização | Página 1 de 2

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
SERVIÇO SOCIAL
CÉLIA MARIA DA SILVA RODRIGUES
GLAUCIMAR MARIA DA SILVA RODRIGUES
JULIANA CHAGAS PURIFICAÇÃO
WELIDA MAYSA DE LIMA
PROJETO DE AÇÃO
ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE ITABIRA - APAE
Itabira
2017
CÉLIA MARIA DA SILVA RODRIGUES
GLAUCIMAR MARIA DA SILVA RODRIGUES
JULIANA CHAGAS PURIFICAÇÃO
WELIDA MAYSA DE LIMA
projeto de ação
ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE ITABIRA - APAE
Trabalho apresentado ao Curso Serviço Social da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para as disciplinas Serviço Social na Área de Saúde, Previdência Social e Assistência Social, Serviço Social e Processos de Trabalho, Direito e Legislação Social, Estágio em Serviço Social II.
Professores. Amanda Boza Gonçalves, Maria Lucimar 
Itabira
2016
SUMÁRI
1 APRESENTAÇÃO	4
2 JUSTIFICATIVA	5
3 OBJETIVO	5
3.1 GERAL	5
3.2 ESPECÍFICOS	6
4 PÚBLICO ALVO	6
5 METAS A ATINGIR	7
6 METODOLOGIA	7
7 RECURSOS HUMANOS	9
8 PARCEIROS OU INSTITUIÇÕES APOIADORAS	9
Y9 AVALIAÇÃO	10
10 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO	10
11 BIBLIOGRAFIA REFERENCIADA	10
1. APRESENTAÇÃO
Durante o segundo semestre do ano de 2015 iniciei o Estágio Curricular Obrigatório I na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Itabira – APAE, no qual pude conhecer a instituição fazendo uma Caracterização Socioinstitucional. A partir dessa caracterização, a proposta do presente trabalho é desenvolver um Projeto de Ação. 
Como já citado no trabalho referente ao estágio anterior, um dos campos onde o Serviço Social da APAE atua é o Centro de Convivência. E um dos serviços oferecidos é o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Pessoas com Deficiência Intelectual e/ou Múltipla: Serviço realizado em grupos e organizado de modo a garantir aquisições progressivas das Pessoa com Deficiência Intelectual e/ou Múltipla, de acordo com o seu ciclo de vida, prevenindo a ocorrência de situações de risco social, assegurando espaços de referência para o convívio grupal, comunitário e social e o desenvolvimento de relações de afetividade, solidariedade e encontros intergeracionais, promovendo sua convivência familiar e comunitária. Organiza-se de modo a ampliar trocas culturais e de vivências, desenvolver o sentimento de pertença e de identidade, fortalecer vínculos familiares e incentivar a socialização e a convivência comunitária. Possui caráter preventivo e proativo, pautado na defesa e afirmação dos direitos e no desenvolvimento de capacidades e potencialidades para o enfrentamento da vulnerabilidade social.
Realizarei um Projeto de Ação envolvendo os familiares dos usuários do Centro de Convivência, chamado “Famílias fortes construindo o futuro”.
Esse Projeto terá o foco em ajudar os familiares nas questões da vivência diária, incentivando e estimulando o trabalho em parceria, na qual a instituição poderá oferecer algo a esses familiares e também contar com a colaboração de cada um deles. Entendemos que se as famílias forem fortalecidas estaremos construindo um futuro mais sólido e contribuindo não apenas a nível institucional, mas também para a sociedade como um todo. 
2. DESENVOLVIMENTO
2.1 ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA
		A Estratégia Saúde da Família (ESF) visa à reorganização da atenção básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde, e é tida pelo Ministério da Saúde e gestores estaduais e municipais como estratégia de expansão, qualificação e consolidação da atenção básica por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior potencial de aprofundar os princípios, diretrizes e fundamentos da atenção básica, de ampliar a resolutividade e impacto na situação de saúde das pessoas e coletividades, além de propiciar uma importante relação custo-efetividade. 
		Um ponto importante é o estabelecimento de uma equipe multiprofissional (equipe de Saúde da Família – eSF) composta por, no mínimo: 
médico generalista, ou especialista em Saúde da Família, ou médico de Família e Comunidade; 
enfermeiro generalista ou especialista em Saúde da Família; 
 auxiliar ou técnico de enfermagem; e 
agentes comunitários de saúde
		Podem ser acrescentados a essa composição os profissionais de Saúde Bucal: 
cirurgião-dentista generalista ou especialista em Saúde da Família, 
auxiliar e/ou técnico em saúde bucal 
É prevista, ainda, a implantação da Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde nas Unidades Básicas de Saúde como uma possibilidade para a reorganização inicial da atenção básica com vistas à implantação gradual da ESF ou como uma forma de agregar os agentes comunitários a outras maneiras de organização da atenção 
		Cada equipe de Saúde da Família (eSF) deve ser responsável por, no máximo, 4.000 pessoas, sendo a média recomendada de 3.000 pessoas, respeitando critérios de equidade para essa definição. Recomenda-se que o número de pessoas por equipe considere o grau de vulnerabilidade das famílias daquele território, sendo que, quanto maior o grau de vulnerabilidade, menor deverá ser a quantidade de pessoas por equipe.
3. OBJETIVOS 
3.1 GERAL 
O objetivo geral do Projeto “Famílias fortes construindo o futuro” é o fortalecimento dos vínculos familiares, de forma que a parceria entre a instituição e as famílias contribua para a melhora na convivência tanto familiar quando institucional dos usuários do Centro de Convivência e um melhor desenvolvimento desses usuários. Acredito que uma vez alcançada essa aproximação da instituição com os familiares, teremos muito mais oportunidades de garantir um trabalho sólido e gerar os resultados esperados para a instituição, para os familiares/cuidadores e também para o usuário como maior interessado. 
3.2 ESPECÍFICOS
Os objetivos específicos do Projeto “Famílias fortes construindo o futuro” envolvem não apenas a área social, como também a saúde física, psicológica e espiritual de cada familiar dos usuários do Centro de Convivência.
Social: Acredito que a defesa e garantia dos direitos sociais são de fundamental importância para os familiares dos usuários. Uma vez que os direitos já são assegurados em Lei, precisamos contribuir para que os usuários conheçam esses direitos e garantir que tenham acesso a eles. 
Saúde Física: Muitos dos familiares dos usuários do Centro de Convivência estão enfrentando o envelhecimento, e na maioria dos casos coincidem com o envelhecimento dos próprios usuários, daí a necessidade de uma maior preocupação com a saúde física dessas pessoas, orientando a respeito de cuidados básicos, consultas regulares, uso correto dos medicamentos, etc.
Saúde Psicológica e Espiritual: Algumas pessoas são mais fortes e outras mais fracas psicologicamente e espiritualmente, observamos que casos como o da deficiência intelectual e múltipla, requer do familiar/cuidador uma preparação psicológica e espiritual muito grade, nas questões de aceitação, enfrentamento, descriminalização alheia, etc. Daí a necessidade de oferecer à essas famílias um cuidado especial nessas áreas. 
4. PÚBLICO ALVO 
Como já citado anteriormente o público alvo do Projeto “Famílias Fortes Construindo o Futuro” são os familiares/cuidadores dos usuários do Centro de Convivência da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Itabira. Esse público é composto por mães, pais, irmãos e até mesmo por vizinhos ou amigos próximos dos familiares que acabaram se tornando cuidadores desses usuários. 
A Apae trabalha atualmente com duas turmas de usuários do Centro de Convivência, uma no período da manhã e outro no período da tarde. Mas o Projeto será desenvolvido apenas com o público de familiares dos usuários do período da manhã, contemplando um número de aproximadamente 40 pessoas.
5. METAS A ATINGIR
A principal meta a atingir é o maior número possível de famílias fortalecidas. O que nos levará a alcançar
Página12