O papel das ciencias humanas e dos movimentos sociais - Leoncio
16 pág.

O papel das ciencias humanas e dos movimentos sociais - Leoncio


DisciplinaPsicologia, Direitos Humanos e Inclusão Social5 materiais67 seguidores
Pré-visualização6 páginas
definir o que se entende por movimentos sociais. 
Quando se analisam as diferentes definições e explicações dadas pela ciência sobre 
os movimentos sociais, podem-se observar que as teorias dos cientistas podem ser 
entendidas tanto como respostas conceituais dos autores da teoria ao fenômeno 
social quanto como idéias que surgem nos movimentos e que afetam a evolução 
destes. 
Os movimentos sociais podem ser caracterizados, como o próprio nome o 
indica, como ondas, como reações dinâmicas de setores sociais procurando mudar 
sua situação (CAMINO: 1990). O primeiro, pois, que precisa ser definido é a 
situação onde surgem os movimentos. Eles são contextuais, pretendem ser respostas 
adequadas à situações concretas. Por isso para entender um movimento, deve-se 
analisar o seu contexto socioeconômico. Por exemplo, quando se fala do 
movimento das mulheres, seria mais exato falar dos diversos movimentos das 
mulheres que têm existido na história: o movimento do inicio do século XX que 
lutava pelo direito ao voto das mulheres; o dos anos 60 que lutava pela igualdade; e 
atualmente o que luta por políticas diferenciadas no que concerne saúde, trabalho, 
educação, etc. Não se trata só de mudança de bandeiras, mas de compreensões 
diferentes do que seria a mulher, de seus deveres e direitos. 
O que caracteriza os movimentos sociais é o fato de gerar sempre ações 
coletivas, mais ou menos intensas, mais ou menos legais, ações que procuram criar 
pressões, nos outros setores da sociedade, a fim de conseguir as mudanças 
pretendidas (CAMINO: 1990). Que um grupo de pessoas se esforce para procurar 
empregos não caracteriza um movimento; o que caracteriza o movimento é que um 
grupo de pessoas realize coletivamente certas ações que pressionem as autoridades 
para investir mais em novos empregos. 
Veja-se que o que caracteriza o movimento social é a existência de uma ação 
coletiva, não a existência de uma necessidade comum a um grupo. A falta de 
emprego pode produzir ações individuais dos desempregados ou ações coletivas. É 
neste segundo caso que se fala de um movimento social. Os movimentos possuem, 
portanto, uma certa identidade e uma certa organização. Mas não se deve confundir 
a existência de uma organização com a existência de um movimento. Por exemplo, a 
existência de uma estrutura sindical não garante necessariamente a existência de um 
movimento sindical. Hoje, no início do século XXI, diferentemente do início dos 
anos 60 e do final dos 70 do século passado, não se pode falar da existência de um 
movimento sindical apesar, da presença de uma estrutura sindical relativamente 
consolidada. 
O que caracteriza também os movimentos sociais é a existência de um 
conjunto de idéias que se criam ao redor dele. Entre estas idéias, algumas surgem do 
setor social que pretende as mudanças e se destinam a justificar e legitimar estas 
mudanças. Outras idéias constituem a maneira hegemônica de pensar dessa 
sociedade, justificando o status quo. Pode-se citar como exemplo de idéia dominante, 
a crença medieval nos direitos nascidos da posição social. Esta crença colaborava na 
sustentação da estrutura feudal. A idéia da igualdade entre os indivíduos surgirá das 
lutas da nascente classe burguesa (FLORENZANO: 1981). 
Neste confronto de idéias pode-se situar o que LÊNIN (1917/1980) define 
como luta ideológica. Mas, certamente, a noção clássica de ideologia não esgota o 
confronto de idéias que caracteriza estes conflitos. Deve-se ter em conta que a 
ideologia, embora surja nas condições concretas das relações de poder, segue, por se 
tratar de crenças, emoções e normas de agir, o conjunto de leis que regem os 
processos cognitivos e afetivos na sociedade (VAN DIJK, 1998). Portanto, noções 
como identidade e participação são essenciais para entender os movimentos sociais. 
 A construção de uma identidade social comum entre os membros de um 
grupo social é um determinante subjetivo fundamental para a participação em ações 
coletivas de caráter contestatório (CAMINO, 1990; 1996; PENNA, 1989). Uma 
greve, por exemplo, é inconcebível sem que seus executores se reconheçam 
enquanto membros de um mesmo grupo ou setor social que têm, no estado ou em 
outro grupo social, um obstáculo a seus interesses. 
As ciências, particularmente as ciências humanas, também participam deste 
confronto de idéias. Os movimentos são inspirados por idéias que surgem em certo 
contexto. Analisemos isto com o exemplo da expansão do capitalismo na segunda 
metade do século XIX (HOBSBWAM, 1982b). Os efeitos das revoluções política e 
industrial estavam transformando (mais cedo na cidade do que no campo) as velhas 
instituições, cortando as raízes da velha sociedade, modificando velhos hábitos e 
modos de pensar e impondo novas técnicas (RUDE, 1991). Estas transformações 
afetariam profundamente o mundo ocidental, tanto na sua estrutura social como no 
mundo das idéias. Assim, a consolidação da burguesia na segunda metade do século 
XIX, trouxe a consolidação e expansão de uma classe social nova, o operariado. A 
irrupção desta classe, com o surgimento das primeiras ideologias e organizações 
operárias, vem acompanhada de uma série de movimentos e ações políticas e de 
transformações ideológicas (HOBSBAWN, 1982b). 
Pode-se acompanhar neste período um fervilhar de idéias que sustentavam e 
defendiam as transformações que estavam acontecendo, o pensamento liberal. 
Como na Física, onde toda ação produz uma reação, observa-se também, no campo 
das idéias um fenômeno semelhante. Em oposição ao liberalismo surgem utopias e 
idéias revolucionárias que pretendem indicar novos caminhos de progresso que não 
excluam os setores sociais afastados. 
 O primeiro conjunto de idéias, que se originou, particularmente na França, 
em oposição ao utilitarismo político e econômico do liberalismo denomina-se de 
"Socialismo Utópico" que teve como ponto de partida a decepção de certos setores 
sociais com a revolução burguesa. MARX (1847/1982) tentou superar as visões 
utópicas e idealistas dominantes na época propondo um \u201cSocialismo Científico\u201d. O 
novo elemento introduzido por MARX e ENGELS (1848), foi o reconhecimento 
do proletariado como a única classe social que poderia mudar a ordem social 
existente. Mas, as mudanças sociais só poderiam acontecer graças ao 
desenvolvimento de uma filosofia crítica radical, elaborada fora da classe operária: o 
comunismo. 
 Mas o comunismo não poderia ser uma idéia, um "insight" racional. Cair-se-
ia no idealismo. Pelo fato de compartilharem as mesmas condições de vida, todos os 
indivíduos membros do proletariado possuem a mesma situação de classe "em si". 
Mas, só a "práxis" (leia-se, ações coletivas politizadas) seria capaz de levar as massas 
à consciência de seu potencial como força "para si". As ações coletivas dependeriam 
do nível de consciência de massa de sua força "para si". Neste período, as idéias de 
Marx e Engels começaram a ter uma grande influência nas ações coletivas que se 
desenvolviam na França. Não é por acaso que os acontecimentos de 1844 tenham 
sido denominados de "Comuna de Paris". 
 Mas, para a burguesia e para o público em geral, estas ações políticas eram 
equiparadas com as noções de violência e de subversão da ordem, traduzindo, assim, 
uma atitude negativa em relação às ações de massa por parte dos intelectuais da 
época. Veja-se, por exemplo, os comentários do escritor VICTOR HUGO, 
republicano convicto, numa carta dirigida aos editores da revista \u201cRappel\u201d: 
 
Como os senhores, eu sou pela Comuna em principio e contra 
a Comuna na aplicação. [...] O direito de Paris de se declarar 
Comuna é incontestável. Mas ao lado do direito há a 
oportunidade. [...] Desde o 18 de Março, Paris é dirigida por 
desconhecidos, o que não é bom, e por ignorantes, o que é 
pior. A parte alguns chefes que seguem a multidão mais do 
que guiam o povo, a Comuna
Laura
Laura fez um comentário
Que ótimo! Passei quase um ano usando essa ferramenta e agora ela é paga,porque vocês fizeram isso ? :'(
0 aprovações
Carregar mais