A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Apanhado

Pré-visualização | Página 1 de 7

ORIENTAÇÃO EM SUPERVISÃO ESCOLAR E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL
1: Uma escola voltada para o pleno desenvolvimento do educando valoriza a transmissão de conhecimento, mas também enfatiza outros aspectos: as formas de convivência entre as pessoas, o respeito às diferenças, a cultura escolar (PROGESTÃO, 2001, p 45). De tal sorte que o processo de planejamento de uma escola vê-se como mecanismo de fortalecimento de sua autonomia e, para tanto, deve ser conduzido pela equipe escolar, a partir de sua realidade, fundamentado em fatos e dados e com foco na aprendizagem dos alunos. O plano corresponde ao documento que registra aonde chegar, como chegar, quando chegar e com que recursos. O plano de desenvolvimento da escola (PDE) não é substituto da Proposta ou do Projeto Político Pedagógico (PPP) da Escola e com ele não se confunde. 
Defina planejamento, estabeleça a função do planejamento escolar e defina PDE e seus objetivos.
R: Planejamento é um processo de racionalização, organização e coordenação das atividades. Planejar é levantar a situação atual, estabelecer o que se deseja mudar e organizar a ação futura. Esboça a situação futura a partir da atual. Prevê: o que, como, onde, quando, por que se quer realizar. Garante: objetividade, operacionalidade, funcionalidade exeqüibilidade, produtividade e continuidade da ação. PDE O Plano de Desenvolvimento da Escola (Pré-escola) é um processo gerencial de planejamento estratégico desenvolvido pela unidade escolar participante, apresenta em seus objetivos a melhoria da qualidade de ensino, a busca da eficiência e eficácia no sistema de ensino, o exercício da autonomia da escola na resolução de seus problemas e realização de suas aspirações.
_____________________________________________________________________________________________ 2: Um aluno da escola MM, muito disciplinado e responsável, não conseguiu alcançar média necessária no bimestre, na disciplina de Língua Portuguesa. Esse aluno chegou ao final do ano com média final insuficiente. Qual o papel do pedagogo, exercendo orientação educacional, diante do exposto, sobre o processo de avaliação e a ação de orientação educacional na escola?
R: Informar os pais sobre o rendimento escolar; investigar, orientar e acompanhar o processo de recuperação do aluno com baixo rendimento escolar. Diante da situação apresentada acima há a necessidade de reavaliar-se o processo de ensino-aprendizagem e suas relações com o erro. Ao se falar em avaliação do processo ensino-aprendizagem, pensa-se em verificação do nível do que o aluno aprendeu. A avaliação apresenta três funções, de acordo com Haydt (2007, p. 16), são elas: “diagnosticar, controlar e classificar”. Sob este olhar, o ritmo diferenciado de cada aluno deve ser respeitado, levando em consideração os diferentes ritmos de aprendizagem. O orientador educacional/supervisor escolar poderá auxiliar o professor a garantir aprendizagens significativas evidenciando e construindo estratégias de ensino que contemplem as diferenças individuais e diversidade de culturas. O erro, por exemplo, deve ser visto como uma oportunidade de ensino, já que a partir da sua análise crítica, propicia que o aluno crie procedimentos, critérios e discernimento para o confronto com os possíveis problemas, a fim de solucioná-los.
3: Maria da Costa, supervisora escolar, assumiu a coordenação de uma escola Municipal de Ensino Fundamental no mês de junho. Ao chegar, encontrou um quadro desafiador:
Professores desmotivados e desarticulados;
Alunos com baixo rendimento e indisciplinados;
Projeto pedagógico ainda em construção e sendo elaborado sem participação coletiva;
Relação com a comunidade apenas quando havia necessidade de resolver aspectos burocráticos e solicitar materiais para festinhas da unidade.
Diante do exposto e do estudo realizado nas disciplinas orientação em Supervisão Escolar e Orientação Educacional, escreva um plano de trabalho de ação supervisora que articule o compromisso com a aprendizagem do aluno e a participação da comunidade escolar no cotidiano, bem como a participação dos professores na construção da proposta pedagógica, e que estimule o envolvimento destes no processo de ensino e aprendizagem do aluno. 
O Plano de Trabalho deverá conter: Justificativa, Objetivos, Público Alvo, Embasamento Teórico, Atividades e Avaliação.
R: Justificativa: Capacitar a escola para construir, programar e avaliar o seu projeto pedagógico, propiciar uma educação de qualidade e exercer sua autonomia pedagógica. Ao exercer essa autonomia, a escola, consciente de sua missão, programa um processo compartilhado de planejamento e responde por suas ações e seus resultados. Essa autonomia construída objetiva ampliar os espaços de decisão e participação da comunidade atendida pela escola, criando e desenvolvendo instâncias coletivas
Objetivos específicos:
1. Distinguir a autonomia legal da autonomia construída pelos sujeitos de sua escola. 
2. Propor a elaboração do projeto pedagógico a partir da sua realidade escolar.
 3. Justificar a importância do trabalho coletivo na construção do projeto pedagógico. 
4. Conceituar projeto pedagógico
Público alvo: Alunos, pais, professores, gestores, funcionários e representantes da comunidade local.
Embasamento teórico: Exemplo 1- O educador ou o coordenador de um grupo é como um maestro que rege uma orquestra. Da coordenação sintonizada com cada diferente instrumento, ele rege a música de todos. O maestro sabe e conhece o conteúdo das partituras de cada instrumento e o que cada um pode oferecer. A sintonia de cada um com o outro, a sintonia de cada um com o maestro, a sintonia do maestro com cada um e com todos é o que possibilita a execução da peça pedagógica. Essa é a arte de reger as diferenças, socializando os saberes individuais na construção do conhecimento generalizável e para a construção do processo democrático. Freire, in: Aguiar, 1999, p.115
Exemplo 2- O projeto da escola não começa de uma só vez, não nasce pronto. É, muitas vezes, o ponto de chegada de um processo que se inicia com um pequeno grupo de professores com algumas propostas bem simples e que se amplia, ganhando corpo e consistência. Nesse trajeto, ao explicitar propósitos e situar obstáculos, os educadores vão ____________________________________________________________________________________________
4: A escola é lugar de estudo e trabalho coletivo. Portanto, o pedagogo, nos diversos papéis que pode assumir (supervisão escolar, coordenação pedagógica, orientação educacional), deverá atuar em parceria com todos os seguimentos e profissionais da escola, bem como participar das ações educativas desenvolvidas na escola, sempre de forma que incentive e fortaleça a participação coletiva da comunidade escolar na tomada de decisões da unidade escolar.
Diante do exposto, qual o papel do supervisor escolar/coordenador pedagógico ou orientador educacional sobre a prática desenvolvida na escola participativa para efetivação do processo de ensino-aprendizagem?
R: (Andréia) A educação de qualidade é uma busca constante, para que isso se torne realidade são necessárias ações que sustentem o trabalho em equipe. As organizações precisam cada vez mais de profissionais responsáveis, dinâmicos e inteligentes, com habilidades para resolver problemas e tomar decisões.
Um desses profissionais é o coordenador pedagógico, que tem que ir além do conhecimento teórico, pois para acompanhar o trabalho pedagógico e estimular os professores é necessário percepção e sensibilidade para identificar as necessidades dos alunos e professores, tendo que se manter sempre atualizado. Ainda é necessário destacar que o trabalho deve acontecer com a colaboração de todos, assim o coordenador deve estar preparado para mudanças e sempre pronto para motivar a sua equipe. O trabalho em equipe é fonte inesgotável de superação e valorização do profissional. 
O contato entre família e educador é uma questão importante para proporcionar a melhora no processo de ensino aprendizagem do aluno. Além da parceria com