A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
33 pág.
Aula 3 Metabolismo de Proteínas  aula 2016 Ana Paula

Pré-visualização | Página 1 de 1

Metabolismo de Proteínas 
Disciplina: Bioquímica Metabólica 
Profa. Dra. Ana Paula Landi Librandi 
UNIP 
Cursos: Biomedicina e Farmácia 
Conteúdo 
• Digestão de proteínas da dieta 
• Absorção e transporte dos aminoácidos às células 
• Degradação intracelular de proteínas 
• Desaminação dos aminoácidos 
• Transaminação 
• Desaminação oxidativa 
• Ciclo da uréia 
• As reações do ciclo 
• Regulação do ciclo da uréia 
• Origem dos aminoácidos 
• Outros compostos nitrogenados 
Visão geral 
• Ao contrário do que ocorre com lipídeos e 
carboidratos, os aminoácidos não são armazenados 
pelo corpo; 
• Obtenção dos aminoácidos pela dieta e/ou 
sintetizados “de novo” e/ou da degradação proteica 
normal; 
• Qualquer excesso de aminoácidos leva a sua 
degradação 
Visão geral 
• Catabolismo dos aminoácidos: 
- 1ª fase: remoção do grupo -amino por 
transaminação + desaminação oxidativa  geração 
de amônia; 
 
- 2ª fase: utilização metabólica dos esqueletos 
carbonados dos cetoácidos gerados (CO2, H2O, 
glicose, ácidos graxos, corpos cetônicos, etc). 
 
Visão geral 
Conceitos importantes 
Conjunto de aminácidos (pool): 
 
-Aas livres presentes em todo organismo 
-3 fontes: 
(A)Hidrólise de proteinas teciduais 
(B)Hidrólise de proteinas da dieta 
(C)Aas não essenciais sintetizados 
 
- Desgaste do estoque ; 
(A)Sintese proteica do organismo 
(B)Sintese de pquenas moléculas nitrogenadas 
essenciais 
(C)Conversão de aas em glicose, ácidos graxos, 
corpos cetônicos ou CO2 
Conceitos importantes 
Renovação das proteinas: 
 
-Quantidade constante de proteina corporal 
-Taxa de síntese deve ser suficiente apenas para 
substituir a proteina degradada 
-300 a 400 g de proteina/dia 
-Proteinas de curta duração x de longa duração 
-Dois sistemas enzimáticos de degradação: 
 
1) Sistema ubiquitina-proteassoma – dependente 
de energia (ATP); ocorre no citosol; degrada 
proteínas intracelulares 
2) Sistema de enzimas degradtivas dos lisossomos 
– sem gasto de ATP; degrada proteínas 
extracelulares 
Sistema Ubiquitina-Proteassoma 
Digestão de proteínas da dieta 
• A maior parte do nitrogênio da dieta é consumido 
na forma de proteína (vegetal ou animal) –cerca 
de 70 a 100g ao dia 
• As proteínas são muito grandes para serem 
absorvidas pelo intestino e, sendo assim, devem 
ser hidrolisadas até seus aminoácidos, os quais 
serão absorvidos 
• As enzimas proteolíticas são produzidas por três 
órgãos: estômago, pâncreas e intestino delgado 
 
Digestão de proteínas da dieta - Estômago 
• O estômago secreta o suco gástrico, 
que contém o ácido clorídrico e a 
proenzima pepsinogênio: o ácido 
desnatura proteínas da dieta e ativa 
o pepsinogênio, formando pepsina 
• O pepsinogênio é ativado também 
por outras moléculas de pepsina já 
ativas 
• A pepsina libera peptídeos e alguns 
aminoácidos livres das proteínas da 
dieta 
 
Digestão de proteínas da dieta - Pâncreas 
• no intestino delgado, os polipeptídeos 
grandes produzidos no estômago são 
subsequentemente clivados a 
oligopeptídeos e aminoácidos por um 
grupo de proteases pancreáticas: 
tripsina, quimotripsina, elastase e 
carboxipeptidases, todas secretadas na 
forma de proenzimas e ativadas pela 
tripsina 
• Especificidade: cada enzima atua sobre 
um aa diferente 
• Liberação dos zimogênios: mediada 
pela colescitocinina e secretina 
 
Digestão de proteínas da dieta - Intestino 
• Superfície luminal do intestino- 
enzima aminopeptidase – clivagem 
repetida de resíduo N-terminal dos 
oligopeptídeos – pepetídeos muito 
pequenos e aminoácidos livres 
 
• Absorção dos aas pelos enterócitos 
– vários sistemas – hidrólise no 
citosol – sistema porta – 
metabolização hepática ou 
liberação na circualação geral 
Remoção do Nitrogênio dos Aminoácidos 
• Impedimento da degradação oxidativa dos aas pela 
presença do grupo amino 
• Remoção desse grupo é essencial para o catabolismo 
e produção de energia 
• N removido pode ser incorporado em outros 
compostos ou excretado na forma de uréia 
• Esqueleto carbonado é metabolizado 
1º PASSO: Transaminação 
Valor de diagnóstico : 
ALT e AST 
2º PASSO: Desaminação 
3º PASSO: Transporte de amônia para o fígado 
Dois mecanismos: 
1) Glutamina – mais usado 
2) Transaminação do piruvato - músculo 
Ciclo da uréia 
• Uréia – principal forma de eliminação dos 
grupos amino dos aas 
• 90% dos componentes nitrogenados da urina 
• Um átomo de N da ureía é fornecido pelo NH3 
livre e o outro pelo aspartato 
• C e O são derivados de CO2 
• Transporte da uréia pelo sangue até os rins 
para excreção na urina