Aula 3   Educação em Saúde nos Processos Endêmicos e Epidêmicos
51 pág.

Aula 3 Educação em Saúde nos Processos Endêmicos e Epidêmicos


DisciplinaPromocao e Educacao em Saude27 materiais160 seguidores
Pré-visualização2 páginas
*
*
Prof. Ms. Luciana de Oliveira Fumian
Processos Endêmico e Epidêmico
*
*
Uma determinada doença, em relação a uma população, que a afete ou possa vir a afetar, pode ser caracterizada como: 
 Presente em nível endêmico;
 Presente em nível epidêmico;
 Presente com casos esporádicos;
 Inexistente.
*
*
\u201cElevado número de casos de certas doenças em um determinado lugar não indica necessariamente a existência de uma epidemia. Por outro lado, um único caso autóctone poderá ser tido como epidêmico.\u201d
*
*
Casos Autóctones - aqueles que tiveram origem dentro dos limites do lugar em referência ou sob investigação;
Casos Alóctones \u2013 são casos importados, ou seja, o doente adquiriu seu mal em outra região de onde emigrou.
*
*
Disseminação do vírus H1N1 em vários países.
Março e Abril 2009
México
EUA
Canadá
Viagens Aéreas
*
*
Conceito
\u201cDá-se a denominação de endemia à ocorrência coletiva de uma determinada doença que, no decorrer de um largo período histórico, acometendo sistematicamente grupos humanos distribuídos em espaços delimitados e caracterizados, mantém sua incidência constante, permitidas as flutuações de valores, tais como as variações sazonais\u201d. 
(Rouquayrol, 2003)
*
*
Existem vários critérios para definir se, na atualidade, uma doença está presente em nível endêmico ou em nível epidêmico.
O conceito atribuído à expressão \u201cnível endêmico\u201d é complexo e sua compreensão depende de uma série de conceitos que lhe são anteriores, tais como: 
*
*
1) Freqüência Média:
\u201cDenomina-se incidência mensal média para um determinado mês a média aritmética das incidências brutas ou trabalhadas, ocorridas nos meses de igual denominação, meses equivalentes, numa série de anos imediatamente anteriores\u201d.
*
*
Frequência Média t = Incidência Média t
Coeficiente de Incidência Mensal Médio = Média Aritmética dos Coeficientes de Incidência calculados para os meses dos anos anteriores 
*
*
Incidência mensal (por 100 mil hab) de meningite meningoócica - SP, 1960 - 1969
*
*
Incidência Mensal Média:
*
*
 Desvio-padrão:
Para cada período mensal do ano, haverá além de uma média de valores, um desvio-padrão característico do conjunto.
\u201cDefine-se desvio-padrão para o período t do ano como sendo o desvio-padrão St, calculado a partir das freqüências brutas ou trabalhadas, observadas no mesmo período do ano, numa série de anos imediatamente anteriores, e que, espera-se, sejam repetidos nos mesmos meses, nos anos vindouros\u201d.
*
*
		 	 _
S= \uf053 (X-X)²
 N-1
X: Cada uma das frequências
X : Média aritmética das frequências
N: Número de frequências
Raiz Quadrada
*
*
\uf053 (X-X)² = (0,05 \u2013 0,13) ² + (0,10 \u2013 0,13) ² + (0,20 \u2013 0,13) ² + (0,21 \u2013 0,13) ² + (0,13 \u2013 0,13) ² + (0,15 \u2013 0,13) ² + .......... = 0,0064 + 0,0009 + 0,0049 + 0,0064 + ........ = 0,0248
S= \uf053 (X-X)² = 0,0248 = 0,0028 = 0,05
 N-1 9
Raiz Quadrada
Desvio-padrão para o conjunto de meses de Janeiro
*
*
*
*
Freqüência máxima esperada (Limite superior da incidência):
Fmáx.P% t = Fméd.t + zSt
 Freqüência mínima esperada (Limite inferior da incidência):
 
Fmin.P% t = Fméd.t - zSt
Método de Cullen
*
*
\u201cÉ um dispositivo gráfico destinado ao acompanhamento, no tempo, semana a semana, mês a mês, da evolução dos coeficientes de incidência, com o objetivo de se estabelecer e implementar medidas profiláticas que possam manter a doença sob controle\u201d.
*
*
O diagrama de controle será construído então com os valores de incidência média mensal, um limite superior constituído pelos valores obtidos, somando-se 1,96 desvios-padrão ao valor médio mensal e um limite inferior constituído pelos valores obtidos subtraindo-se 1,96 desvios-padrão do valor médio mensal.
*
*
F MÁX t = Freq. Med jan + (1,96 x sjan)
F Máx t = 0,13 + (1,96 x 0,05) por 100 mil hab
F Máx t = 0,228 por 100 mil hab
Os CI sejam iguais ou menores que a Fmáx t
*
*
F Min t = Freq. Med jan - (1,96 x sjan)
F Min t = 0,13 - (1,96 x 0,05) por 100 mil hab
F Min t = 0,032 por 100 mil hab
Os CI seja iguais ou maiores que a Fmin t
*
*
\u201cIncidência normal, com referência ao que foi observado na semana, no mês ou no ano que acabam de se encerrar, é a incidência que se iguala à que vinha sendo registrada em igual período de tempo, nos anos anteriores, respeitadas as flutuações de medidas\u201d.
*
*
\u201cÉ o espaço nos limites do qual as medidas de incidência podem flutuar sem que delas se possa inferir ter havido qualquer alteração sistêmica na estrutura epidemiológica condicionante do processo saúde-doença considerado\u201d. 
*
*
*
*
\u201cA intensidade do caráter endêmico de determinada doença, em determinados lugar e intervalo cronológico, é a endemicidade dessa doença no lugar e no tempo considerados\u201d.
Ex: valores hipoendêmicos, mesoendêmicos ou hiperendêmicos. Ou ainda \u201cmenor, igual ou maior endemicidade\u201d. 
*
*
Epidemia não significa propriamente um grande número de casos , mas uma elevação significante da incidência, quando comparada à frequência habitual de uma doença em uma localidade;
Quando a incidência mensal ultrapassar a linha do limite superior dizemos que esta incidência é epidêmica.
*
*
EPIDEMIA
*
*
 Senso comum: 
É a ocorrência de doença em grande número de pessoas ao mesmo tempo.
Operativo: 
É uma alteração, espacial e cronologicamente delimitada, do estado de saúde-doença de uma população, caracterizada por uma elevação progressivamente crescente, inesperada e descontrolada dos coeficientes de incidência de determinada doença, ultrapassando e reiterando valores acima do limiar epidêmico preestabelecido. 
Conceitos:
*
*
Limiar epidêmico = Limite superior endêmico
 \uf0df
As doenças de uma maneira geral podem ter seu nível de incidência classificado como endêmico ou epidêmico. 
Demarca o início de uma ocorrência que poderá ser epidêmica.
*
*
Quanto as doenças erradicadas ou inexistentes até então, o coeficiente de incidência que fixa seu limiar epidêmico é igual a zero.
Nessa situação apenas um caso poderá ser considerado uma ocorrência epidêmica.
*
*
Exemplo:
Desde 1990 não se registram casos de poliomielite no Brasil. Um único caso, que fosse agora confirmado no país, seria considerado epidêmico;
No Paquistão os 198 casos confirmados de poliomielite em 2011 não chegaram a caracterizar uma epidemia, devido à endemicidade dessa doença no país, que de 2002 a 2011 tiveram dezenas de casos.
*
*
A incidência de uma doença pode chegar ao nível epidêmico através de um dos seguintes mecanismos:
a) Importação e incorporação de casos alóctones a populações formadas por grande número de pessoas suscetíveis, com as quais a transmissão seja uma possibilidade real;
b) Ingresso de casos alóctones em áreas cujas condições ambientais são favoráveis à propagação da doença.
*
*
c) Contato acidental com agentes infecciosos, toxinas ou produtos químicos, estando sujeitos grupos de indivíduos ou populações nas quais a incidência da doença permanecia nula até então.
d) Modificações ocorridas na estrutura epidemiológica.
*
*
É a representação gráfica geral de uma situação epidêmica. Nesta curva genérica existem alguns aspectos que merecem ser destacados, são eles:
*
*
 Incremento Inicial de Casos:
\u201cAcontece nos eventos em que o processo saúde-doença passa de uma situação endêmica preexistente para uma situação epidêmica. Com a situação ainda em nível endêmico, observa-se um incremento do número de casos com o coeficiente de incidência tendendo para o limite superior endêmico\u201d.
*
*
 Egressão:
\u201cTem seu marco inicial no surgimento dos primeiros casos e termina quando a incidência for