Aula 10 QF antiinflamatórios
71 pág.

Aula 10 QF antiinflamatórios


DisciplinaQuímica Farmacêutica e Medicinal78 materiais1.061 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Conceito
\u2022 Analgésicos: fármacos que, mediante ação
sobre o SNC, aliviam a dor, sem causar
entorpecimento ou perda da consciência.
\u2022 Analgesia: insensibilidade à dor.
Conceito
\u2022 Antipiréticos (ou antitérmicos): são fármacos que
eliminam ou aliviam os estados febris. Não baixam a
temperatura normal, mas apenas quando ela está
elevada. Sua ação é inespecífica e não está
relacionada com a eliminação da causa da febre.
CONCEITO
\u2022 Antirreumáticos (ou anti-inflamatórios): são
fármacos que aliviam os sintomas das doenças
reumáticas \u2013 dor e inflamação.
Inflamação
Definição: é uma reação de defesa do organismo frente a uma
agressão. Essa agressão pode vir de agentes físicos (cortes,
contusões, queimaduras), químicos (agentes irritantes,
corrosivos, dentre outros) e biológicos (infecções em geral).
Sufixo: ïte\u201d tendinite, faringite, artrite
INFLAMAÇÃO
Lesão tecidual Mastócitos Histaminas, serotonina\u2026 
Quimiotaxia das células
inflamatórias, Vasodilatação
INFLAMAÇÃO
Macrófago (tecidual)
Reconhece o patógeno
IL-1 e TNF\u3b1
INFLAMAÇÃO
Macrófago reconhece
o patógeno e libera
1. IL1 e TNF\u3b1 age nas células endoteliais
e expressa moléculas de adesão
2. Os fagócitos aderem ao endotélio
Bactéria libera quimiotaxinas
(atraem os fagócitos)
3. Os fagócitos migram para fora do vaso
(macrófagos), edema (saida do 
citoplasma junto)
4. Fagócitos fagocita a bactéria
5. Matando e digerindo a bactéria
5 Sinais cardinais da Inflamação
INFLAMAÇÃO
CALOR RUBOR TUMOR DOR
PERDA DA 
FUNÇÃO
Local
Febre
Hiperemia
(vermelhidão
Inchaço dos 
tecidos
(tumor 
inflamatório)
Perda
da 
função
Queimação
Dor
Independente do agente causador
INFLAMAÇÃO
5 Sinais cardinais da Inflamação
Calor: é ocasinado devido ao aumento do fluxo sanguíneo e 
aumento do metabolismo celular
Rubor: aumento do fluxo sanguíneo , levando a um hiperemia
(vermelhidão)
Tumor ou edema: devido o aumento da permeabilidade
vascular , as células atravessam os vasos, mas juntamente com
com as células saem o citoplasma e este citoplasma nos tecidos
gera o edema.
INFLAMAÇÃO
5 Sinais cardinais da Inflamação
Dor: são pela produção de substâncias que vão aumentar a 
sensibilidade das fibras norciceptivas da dor, portanto eles vão
indicar qual a região está ocorrendo a lesão.
Perda da funcão: acontece devido as consequências dos outros 
sinais cardinais.
INFLAMAÇÃO
INFLAMAÇÃO
Resposta Benéfica:
Se não houvesse inflamação, os microorganismos estariam
livres para penetrar nas mucosas e feridas, não existiria a 
cicatrização.
Resposta Maléfica:
Em casos de resposta exarcebada, ou crônica, pode ocorrer
um processo inflamatório que pode interferir na funcão do 
orgão, podendo acometer a perda da sua funcão ( 5 sinal
cardinal).
PRODUÇÃO DAS CICLOXIGENASES
Constitutivas: enzimas constantemente produzida, independe de
um estímulo.
Induzida: depende de um estímulo, envolvidas no processo
inflamatório
FISIOLÓGICA INFLAMAÇÃO
AINES
AINEs
\u2022 Mecanismo: bloqueio da atividade de subtipos da
cicloxigenase, impedindo assim a síntese de
eicosanóides pela via metabólica da cascata do ácido
araquidônico.
CLASSIFICAÇÃ0
1- Anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs)
\u2022 Ácidos arilalcanoicos e derivados: ibuprofeno, sulindaco
\u2022 Derivados do oxicam: piroxicam, tenoxicam, meloxicam
\u2022 Oxibes e derivados: celecoxib, rofecoxibe
\u2022 Salicilatos e derivados: AAS
\u2022 Derivados do p-aminofenol: paracetamol
\u2022 Derivados do pirazol: dipirona
2- Anti-inflamatórios esteroidais
\u2022 Esteroides adrenocorticais: corticosteróides
CLASSIFICAÇÃ0
1- Anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs)
\u2022 Salicilatos e derivados: AAS
\u2022 Derivados do p-aminofenol: paracetamol
\u2022 Derivados do pirazol: dipirona
\u2022 Ácidos arilalcanóicos e derivados: ácido mefenâmico
\u2022 Ácidos aril heteroarilacético: indometacina
\u2022 Ácidos aril hetropropiônico: ibuprofeno, cetoprofeno
\u2022 Derivados do oxicam: piroxicam, tenoxicam, meloxicam
\u2022 Oxibes e derivados: celecoxib, rofecoxibe
CLASSIFICAÇÃ0
1- AINES
Anti-inflamatórios 
Ácidos arilalcanóicos e derivados: ácido mefenâmico
Ácidos aril heteroarilacético: indometacina
Ácidos aril hetropropiônico: ibuprofeno, cetoprofeno
Derivados do oxicam: piroxicam, tenoxicam, meloxicam
Oxibes e derivados: celecoxib, rofecoxibe
Analgésicos e Antipiréticos
\u2022 Salicilatos e derivados: AAS
\u2022 Derivados do p-aminofenol: paracetamol
\u2022 Derivados do pirazol: dipirona
CLASSIFICAÇÃ0
AINEs
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Efeitos Farmacológicos
FÁRMACO ANALGÉSICO ANTIPIRÉTICO ANTI-INFLAMATÓRIO
AAS +++ +++ +++
Paracetamol +++ +++ -
Fenilbutazona +++ +++ +++
Dipirona +++ +++ +++
Indometacina +++ +++ +++
Ác. Mefenâmico +++ +++ +++
CLASSIFICAÇÃ0
AINEs
\u2022 Inibidores preferenciais da COX-2
\u2022 Nimesulida
*não devem ser confundidos com os "seletivos".
CLASSIFICAÇÃ0
AINEs
\u2022 Inibidores seletivos da COX-2
\u2022 Celecoxibe: nome comercial: Celebrex.
\u2022 Lumiracoxibe: nome comercial: Prexige, Novartis
\u2022 Etoricoxibe: nome comercial: Arcoxia, Merck-Sharp
\u2022 Rofecoxibe: retirado do mercado, nome comercial Vioxx.
MECANISMOS DE AÇÃO
\u2022 Mecanismo de ação dos analgésicos: Age inibindo
prostaglandinas e prostaciclinas que são responsáveis pela
sensibilização das terminações nervosas das fibras nociceptoras.
\u2022 Mecanismo de ação dos antipiréticos: Age inibindo
prostaglandinas que age no centro regulador da
febre
\u2022 Mecanismo de ação dos anti-inflamatórios:Age
inibindo prostaglandinas que são responsáveis pela
liberação dos mediadores do processo inflamatório.
Prof. Jacqueline Kerkhoff
REA dos AINEs
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Salicilatos
Salix alba
Ácido Salicílico
AAS
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Salicilatos
\uf0a7 Inicialmente eram utilizadas infusões da casca do
salgueiro
\uf0a7 1827: Leroux isolou a salicina
\uf0a7 1838: O ácido salicílico foi isolado da salicina
\uf0a7 1860: Kolbe sintetizou o ácido salicílico
\uf0a7 1899: Iniciou-se o uso terapêutico do ácido
acetilsalicílico (Aspirina®) pela Bayer
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Salicilatos
Ácido Salicílico
Ácido Acetilsalicílico
\uf0d8 Possui atividade anti-inflamatória, analgésica e antipirética. 
\uf0d8 É o mais utilizado dentre os salicilatos. 
\uf0d8 É antiagregante plaquetário devido poder doar o grupo acetil. 
\uf0d8 Possui um metabólito ativo (salicilato) 
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Salicilatos
Locais de modificações
\uf0d8Alteração do carboxila com a
formação de sais, Ésteres ou
amidas
\uf0d8 Substituição no grupo hidroxila
\uf0d8Modificações de ambos os grupos
funcionais
\uf0d8 Introdução de grupos químicos
no anel fenila
\uf0d8Os efeitos adversos da aspirina,
particularmente os efeitos
gastrointestinais parecem esta
associados ao grupamento
Carboxila (COOH)
Carboxila
Hidroxila
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Salicilatos
Ácido Salicílico
Salicilamida
AAS
\uf0d8 A presença de uma carboxila é essencial para a
atividade anti-inflamatória e a OH deve estar
sempre na posição ORTO.
\uf0d8 Redução da acidez (substituição bioisotérica
amida, gerando a salicilamida) mantém a
atividade analgésica mas reduz as propriedades
anti-inflamatória.
\uf0d8 Os efeitos adversos da aspirina, particularmente
os efeitos gastrointestinais parecem esta
associados ao grupamente CO2H
Carboxila
Hidroxila
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Salicilatos
Ácido Salicílico
\uf0d8 A presença de uma carboxila é essencial para a
atividade anti-inflamatória e a OH deve estar
sempre na posição ORTO.
Carboxila
Hidroxila
\uf0d8 Pode existir substituintes nas posições 3,4 e 5 do
anels aromáticos, sem perda de atividade
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Salicilatos
Prof. Jacqueline Kerkhoff
Salicilatos
\uf0d8 Redução da acidez