PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO ESPECIAL  CONFERIDA
3 pág.

PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO ESPECIAL CONFERIDA

Disciplina:Prova Objetiva Educação Especial22 materiais294 seguidores
Pré-visualização1 página
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO ESPECIAL 2
Questão 4/10
Leia o fragmento a seguir:
Para garantir que a escola inclusiva se estabeleça de fato no sistema educacional, é preciso promover algumas modificações na dinâmica escolar, nas dimensões organizativas e no desenvolvimento profissional e curricular.
Após esta avaliação, caso queira ler integralmente esse texto, ele está no livro: GONZÁLEZ MANJON, D. (Coord.) Adaptaciones curriculares: guia para suelaboracion. Espanha: Aljibe, 2002.
De acordo com os conteúdos abordados nas aulas e no livro base, a declaração de Jomtien reafirma:
A -atenção educacional aos alunos com necessidades educacionais especiais.
B -o repúdio a todas as formas de discriminação.
C -a união de esforços em defesa de uma escola única para todas as crianças, independentemente de suas diferenças individuais.
D -os direitos humanos e as liberdades fundamentais de pessoas com base na sua deficiência.
E -a educação como um direito de todos.
QUESTÃO 5
I.O conceito de inclusão faz referência aos alunos com deficiências parciais
II.O conceito de inclusão faz referência a todos os alunos da escola
III. O conceito de inclusão faz referência a todos os alunos da escola especial
IV. O conceito de inclusão faz referência a todos os alunos da escola com várias deficiências
São corretas as afirmativas:
A -Afirmativa I está correta.
B -Afirmativa II está correta.
C -Afirmativa I, II, e IV estão corretas
D -Afirmativa I, II, e III estão corretas
E -Afirmativa II, e III estão corretas
Questão 6/10
Leia o fragmento a seguir:
A inclusão é produto de uma educação plural, democrática e transgressora. Ela provoca uma crise escolar, ou melhor, uma crise de identidade institucional que, por sua vez, abala a identidade dos professores e faz com que a identidade do aluno se revista de novo significado. O aluno da escola inclusiva é outro sujeito, sem identidade fixada em modelos ideais, permanentes, essenciais.
Após esta avaliação, caso queira ler integralmente esse texto, ele está no livro: MANTOAN, M.T.E. O direito de ser, sendo diferente, na escola. Ciências e Letras: Porto Alegre, n. 36. P. 47-62, dez. 2004.
Considerando o texto dado e os conteúdos abordados no livro o desafio da inclusão repousa em criar contextos educacionais capazes de ensinar a todos os alunos repudiando alguns fatores. Analise as afirmativas a seguir que contemplam esses fatores.
I. O ensino com ênfase em conteúdos programáticos de serie.
II. Aulas somente expositivas.
III. Adoção do livro didático como ferramenta exclusiva de orientação dos programas de ensino.
IV. avaliações classificatórias e padronizadas.
São corretas as afirmativas:
A -Afirmativa I está correta.
B -Afirmativa II está correta.
C -Afirmativa I, II, III e IV estão corretas.
D Afirmativa I, II, e III estão corretas.
E -Afirmativa II, e III estão corretas.
Questão 7/10
Leia o fragmento a seguir:
A equidade assegura que nenhuma manifestação de dificuldades seja impedimento à aprendizagem do aluno, respeitando sempre diferenças individuais.
Após esta avaliação, caso queira ler integralmente esse texto, ele está no livro: CARVALHO, R. E. Educação inclusiva: com os pingos nos is. Porto Alegre: Mediação, 2004.
O foco do processo da inclusão para garantir que pessoas com deficiência e outros grupos marginalizados sintam-se totalmente integrados reside em:
A -ações receptivas e acolhedoras a serem desenvolvidas pela família.
B -ações receptivas e acolhedoras a serem desenvolvidas pela escola especial.
C -ações receptivas e acolhedoras a serem desenvolvidas pela escola regular.
D -ações receptivas e acolhedoras a serem desenvolvidas pelos profissionais da educação.
E -ações receptivas e acolhedoras a serem desenvolvidas pela sociedade.
Questão 8/10
Leia o fragmento a seguir:
No ideário da ciência positivista, pessoas com deficiências encontram respaldo nos estudos da psicologia, sobretudo em sua vertente comportamental, cuja crença que as condições físicas e sociais do ambiente são imprescindíveis na determinação do comportamento humano supera o enfoque da imutabilidade da situação de deficiência até então vigente; tal qual um escultor modela um pedaço de barro, processos de intervenção adequados contribuíram para a mudança do olhar sobre a condição da deficiência.
Após esta avaliação, caso queira ler integralmente esse texto, ele está no livro: NYE, R. D. Três psicologias: ideias de Freud, Skinner e Rogers. São Paulo: Pioneira Thomson, 2005.
Na LDBEN de 20 de dezembro de 1961 no artigo 88 faz menção a educação de pessoas com deficiência com o termo:
A-portador de deficiências.
B -deficiente mental.
C -portador de necessidades educativas especiais.
D -excepcionais
E -deficientes intelectuais
Questão 10/10
Leia o fragmento a seguir:
Da hegemonia do modelo clínico terapêutico na educação especial ocorreu, contraditoriamente, a ênfase na incapacidade, no déficit e na individualização do movimento de integração, ao invés de sua expansão social. Integrar significava localizar no sujeito o alvo da mudança e não na sociedade.
Após esta avaliação, caso queira ler integralmente esse texto, ele está no livro: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Projeto Escola Viva: garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola – alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília, 2000. V. 1
De acordo com os conhecimentos adquiridos, podemos definir que a relação entre a educação especial e a educação comum é um outro ponto relevante para a diferenciação dos processos de integração e inclusão que merece nossa reflexão. Porém essa reflexão deve ser mediada pela relação entre as práticas e a história da educação especial. Qual é a relação que deve ocorrer entre elas?
A-houve ao longo do tempo uma união entre as concepções, tendências e práticas subjacentes ao contexto comum de educação e a educação especial, desde a sua incorporação no campo das políticas públicas
B-houve ao longo do tempo uma cisão entre as concepções, tendências e práticas subjacentes ao contexto comum de educação e a educação especial, desde a sua incorporação no campo das políticas públicas.
C -houve ao longo do tempo uma cisão entre as concepções, tendências e práticas subjacentes ao contexto comum de educação e a educação especial em regime parcial, desde a sua incorporação no campo das políticas públicas.
D -houve ao longo do tempo uma cisão entre as concepções, tendências e políticas subjacentes ao contexto comum de educação e a educação especial, desde a sua incorporação no campo das políticas públicas.
E -houve ao longo do tempo uma cisão entre as concepções, tendências e práticas subjacentes ao contexto comum de educação e a educação especial, desde a sua incorporação no campo das práticas educacionais.