A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
FEMINICIDIO

Pré-visualização | Página 1 de 2

FEMINICÍDIO
Profa. Ma. FÁBIA DO PRADO
Homicídio qualificado
        § 2° Se o homicídio é cometido:
        I -
        II – 
        III – 
        IV -         Pena - reclusão, de doze a trinta anos.
Feminicídio       Lei n.° 13.104/2015 - entrou em vigor no dia 10/03/2015
VI - contra a mulher por razões da condição de sexo feminino:     
Pena - reclusão, de doze a trinta anos.
§ 2o-A Considera-se que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve:      
I - violência doméstica e familiar; 
II - menosprezo ou discriminação à condição de mulher. 
§ 7o A pena do feminicÍdio é aumentada de 1/3 (um terço) até a metade se o crime for praticado:    
I - durante a gestação ou nos 3 (três) meses posteriores ao parto;  
II - contra pessoa menor de 14 (catorze) anos, maior de 60 (sessenta) anos ou com deficiência;   
III - na presença de descendente ou de ascendente da vítima.   
 
O que é feminicÍdio?
É o homicídio doloso praticado contra a mulher por “razões da condição de sexo feminino”:
desprezo, menosprezo, atentado contra a dignidade da vítima enquanto mulher;
Sentimento de menos valia.
 
		Feminicidio X Femicidio
Feminicidio é o homicídio contra mulher por razões de gênero - “razões da condição de sexo feminino”
Femicidio é o homicídio contra mulher (matar mulher);
ão basta a vítima ser mulher.
* Para configuração desse crime não basta que a vítima seja do sexo feminino.
Sujeito ativo - qualquer pessoa (crime comum), inclusive a mulher
 
Sujeito passivo – apenas a mulher, independentemente de idade, condição social, o que inclui criança, adolescente, adulta e idosa.
ATENÇÃO!!! 
 
COMPANHEIRA HOMOAFETIVA - Pode ser sujeito ativo se o crime for praticado por razão de gênero. 
COMPANHEIROS HOMOAFETIVOS - não caracteriza pela falta da condição de sexo feminino da vítima.
TRANSEXUAIS – sexo psicológico diverso do físico (pode haver cirurgia de transgenitalização) – “neovagina” 
TRAVESTIS – ligado ao comportamento, identidade com trajes femininos. – Pode ser inclusive heterosexual.
Analogia in malam partem?
MANDADO DE SEGURANÇA. INDEFERIMENTO DE MEDIDAS PROTETIVAS. IMPETRANTE BIOLOGICAMENTE DO SEXO MASCULINO, MAS SOCIALMENTE DO SEXO FEMININO. VIOLÊNCIA DE GÊNERO. INTERPRETAÇÃO EXTENSIVA. SEGURANÇA CONCEDIDA.
Trata-se de Mandado de Segurança impetrado por GABRIELA DA SILVA PINTO – nome social (JEAN CARLOS DA SILVA PINTO nome civil), contra ato do MM. Juiz da Vara Central de Violência Doméstica e Familiar contra a mulher, que indeferiu pedido de concessão de medidas protetivas em seu favor (fls. 01/11).
Indeferida a liminar (fls. 56), vieram as informações solicitadas (fls. 59/65) e a Douta PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA, no Parecer de fls. 67/70, opinou pela concessão da segurança.
Violência doméstica e familiar (inciso I)
Quando o homicídio for praticado contra a mulher em situação de violência doméstica e familiar. 
Lei n.° 11.340/2006 (Lei Maria da Penha):
Art. 5º Para os efeitos desta Lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial:
I - no âmbito da unidade doméstica, compreendida como o espaço de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as esporadicamente agregadas;
II - no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa;
III - em qualquer relação íntima de afeto, na qual o agressor conviva ou tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação.
(inciso II)
Menosprezo ou discriminação à condição de mulher
Ocorre nos casos em que a motivação o crime é a condição feminina, relacionando-a ao menosprezo ou discriminação.
Elemento Subjetivo – dolo (não há forma culposa)
Consumação - com a morte da vítima.
Tentativa – admite (crime material)
Feminicídio privilegiado - não admite porque é de caráter subjetivo
Só se comunica ao coautor se houver identidade de motivação (porque é subjetiva)
AUMENTO DE PENA
§ 7º A pena do feminicídio é aumentada de 1/3 (um terço) até a metade se o crime for praticado:
I – durante a gestação ou nos 3 (três) meses posteriores ao parto;
II – contra pessoa menor de 14 (quatorze) anos, maior de 60 (sessenta) anos ou com deficiência;
III – na presença de descendente ou de ascendente da vítima
Crime hediondo
A Lei n.° 13.104/2015 alterou o art. 1º da Lei n.° 8.072/90 e passou a prever que o feminicídio é crime hediondo. 
A – No dia 10 de fevereiro de 2015, Osvaldo chega em casa do trabalho e encontra Alice, sua esposa, que o espera com o jantar. Alice, querendo fazer uma surpresa para Osvaldo lhe preparara seu prato favorito; vaca atolada. Isso porque desde o casamento Osvaldo havia mudado seu comportamento e a humilhava constantemente. Alice não sabia, entretanto, que Osvaldo, como sempre, havia discutido com o chefe na empresa e, como sempre, estava irritado.
Alice serve o jantar e Osvaldo, sem sequer olhar para esposa ou a gradecer, começa a comer e após praticamente “limpar” o prato levanta a cabeça e começa proferir xingamentos contra a esposa, chamando-a de incompetente e imprestável. Alice começa a chorar e Osvaldo manda que se cale e que vá lavar a louça imediatamente, vez que essa é sua função, trabalhar na casa e obedece-lo. Como Alice continua a chorar, e agora em tom mais alto ainda, Osvaldo pega a faca que estava sobre a pia da cozinha e apunhada a esposa no pescoço, duas vezes. Osvaldo foge a Alice acaba sendo socorrida por vizinhos mas não resiste aos ferimentos e morre. Por qual crime, em tese, Osvaldo deve responder? Justifique.
B – Carlos, recém casado com Marinalva, é um homem excessivamente possessivo e machista. Controla os horários da esposa, principalmente o tempo que ela gasta no percurso de casa até o trabalho. Ao se casar com Carlos, Marinalva acabou deixando seu filho Otavinho, de 09 anos, de outra união, aos cuidados de sua mãe, posto que essa foi uma das exigência de Carlos para o enlace.
Ocorre que na data dos fatos, Marinalva estava por volta das 20:00 no quarto conversando com Otavinho por meio de webcam. A mãe ensinava a lição de casa para o pequeno.
Irritado, com a cena, Calos disse para que Marinalva desligasse imediatamente o computador e fosse fazer companhia a ele na sala, pois esse era o papel da esposa.
Marinalva, vendo o olhar choroso do filho, respondeu que não iria, que aquela situação já tinha ido “longe demais” e que doravante não mais atenderia aos caprichos de Carlos. 
Diante disso, Carlos esbofeteou Marinalva que reagiu com um chute. Inconformado, Carlos espancou Marinalva em frente às Câmaras até desfalecer e só não morreu porque Otavinho gritou para a avó que acionou a polícia e socorro médico ao local. Carlos reponde por algum crime? Qual?
C – Maria Augusta e Carmem vivem em união homoafetiva há 3 anos. Carmem é extremamente possessiva e, por isso, discute e briga com Maria Augusta constantemente, em especial quando esta, por sua beleza física, é assediada por homens na rua. Ocorre que no dia 28/05/2016, Maria Augusta e Carmem estavam saindo do cinema quanto a primeira recebeu uma “cantada” de um jovem rapaz que saia do cinema. Carmem, muito contrariada, passou a ofender Maria Augusta, chamando-a de “galinha”, “safada” e afirmando que aquilo só havia ocorrido porque ela havia “dado bola”. Cansada de anos de brigas, nessa mesma noite Maria Augusta informa a Carmem que no dia seguinte irá se mudar para outro apartamento e que a separação já é decisão irrevogável. Desesperada, Carmem tenta demover Maria Augusta da ideia de separação, mas como não consegue, compra uma arma de fogo e elimina a vida da companheira após dois dias da separação. Carmem responde por algum crime?