A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
68 pág.
Britagem (2)

Pré-visualização | Página 6 de 9

Esta regra prática foi 
estruturada na forma de um gráfico montado pelo antigo fabricante FAÇO, Fábrica de Aços 
Paulista, e aplica-se tanto a britadores giratórios secundários quanto a hydrocones 
 38 
(britadores cônicos a serem estudados em tópicos seguintes). A seguir apresenta-se a 
mesma. 
 
Fonte : Manual de Britagem da FAÇO 
Figura 4.11 – Regulagem de máquina anterior para atender à especificação 
granulométrica de alimentação de um britador giratório secundário subseqüente 
 
 
 39 
CAPÍTULO 5 
BRITADOR DE ROLO DENTADO 
5.1 DESCRIÇÃO MECÂNICA SIMPLIFICADA 
 Este tipo de britador caracteriza-se por apresentar, de forma simplificada, os 
seguintes elementos: 
a) Um rolo dentado dotado de movimento que substitui a mandíbula móvel. 
b) Um perfil curvo convergente que substitui a mandíbula fixa. 
c) Câmara de britagem, caracterizada pelo espaço entre o rolo dentado e um perfil curvo 
convergente da carcaça metálica. 
d) Abertura de entrada e abertura de saída. 
 A abertura de entrada é um parâmetro importante, pois é a mesma que define o 
tamanho máximo que a alimentação do britador deve apresentar para poder entrar na 
câmara de britagem. Especificamente, na britagem primária o bloco proveniente da frente 
de lavra (ROM) que apresentar uma dimensão inadequada é denominado por matacão. 
Tecnicamente, o bloco ou o fragmento de rocha deverá apresentar a maior dimensão igual 
ou inferior a 80% da abertura de entrada. 
 A fragmentação do material ocorre por meio do rolo dentado que comprime o bloco 
de rocha contra o perfil curvo convergente à medida que o bloco de rocha desce no interior 
da câmara de britagem. Ressalta-se que os dentes presentes no rolo têm como função cortar 
a rocha. É importante citar que este tipo de britador é utilizado para o tratamento de carvão, 
que por se caracterizar como uma rocha macia permite que os dentes possam cortá-la. 
 A seguir apresenta-se uma figura esquemática de um britador de rolo dentado. 
 
 40 
 
Fonte: Modificado Luz ,et al, 1995 
Figura 5.1 – Perfil de um britador de rolo dentado 
5.2 MANUTENÇÃO BÁSICA 
A manutenção básica consiste em: 
a) Lubrificação Periódica 
 Lubrificação = ƒ (horas trabalhadas) 
b) Troca dos Revestimentos do Rolo e da Carcaça Metálica 
 A troca dos revestimentos ocorre quando os mesmos apresentam-se desgastados. 
 Troca de Revestimentos = ƒ (toneladas britadas ; abrasividade da rocha) 
5.3 AJUSTE OPERACIONAL 
 O controle operacional pode ser realizado pelo ajuste da abertura de saída, o qual é 
efetuado por meio da aproximação ou afastamento do perfil curvo convergente (carcaça 
metálica) ao rolo dentado, produzindo respectivamente a diminuição e o aumento da 
abertura de saída. 
 
 41 
CAPÍTULO 6 
BRITADOR CÔNICO 
6.1 DESCRIÇÃO MECÂNICA SIMPLIFICADA 
Este britador caracteriza-se por apresentar, de forma simplificada, os seguintes elementos: 
a) Uma carcaça metálica de alta resistência fixa. 
b) Um cone interno, à carcaça metálica, dotado de movimento excêntrico. 
c) Câmara de britagem, que se caracteriza por ser o espaço entre a carcaça e o cone. 
d) A abertura de entrada corresponde à largura do anel de entrada, e a abertura de saída 
corresponde ao espaço entre as extremidades inferiores da superfície da carcaça e a 
superfície do cone. Na figura esquemática a seguir apresentada, observa-se que as 
superfícies da carcaça e do cone apresentam-se em direções subparalelas. 
 
Figura 6.1 – Câmara de Britagem de um Britador Cônico 
 A abertura de entrada é um parâmetro importante, pois é a mesma que define o 
tamanho máximo que a alimentação do britador deve apresentar para poder entrar na 
câmara de britagem. Tecnicamente, o fragmento de rocha deverá apresentar a maior 
dimensão igual ou inferior a 80% da abertura de entrada. 
 A fragmentação do material ocorre quando o cone dotado de movimento excêntrico 
aproxima-se das paredes internas da carcaça, comprimindo o material localizado dentro da 
câmara de britagem. Semelhante ao britador giratório e diferentemente do britador de 
mandíbulas, o mecanismo de fragmentação no britador cônico caracteriza-se por ser 
contínuo, pois o cone sempre estará aproximando de um dos lados da superfície da carcaça, 
realizando o mecanismo de fragmentação. A figura a seguir ilustra tal movimento. 
 42 
 
Fonte : Manual de Britagem da FAÇO 
Figura 6.2 – Detalhe do dispositivo mecânico que promove o movimento excêntrico do 
cone 
 A próxima figura apresenta um corte esquemático de um britador cônico. 
 
Fonte: Cátalogo de Fabricante 
Figura 6.3 – Corte de um britador cônico 
 43 
6.2 MANUTENÇÃO BÁSICA 
 A manutenção básica consiste em: 
a) Lubrificação Periódica 
 Lubrificação = ƒ (horas trabalhadas) 
b) Troca dos Revestimentos de Cone e da Carcaça 
 
Fonte : Manual de Britagem da FAÇO 
Figura 6.4 – Revestimentos de um britador cônico 
 A troca dos revestimentos ocorre quando os mesmos apresentam-se desgastados. 
 Troca de Revestimentos = ƒ (toneladas britadas ; abrasividade da rocha) 
 A abrasividade da rocha é função da quantidade de sílica que a rocha apresenta, 
quanto maior a quantidade de sílica em uma rocha, mais abrasiva é a rocha, portanto, maior 
o desgaste que a mesma produz aos revestimentos. Os revestimentos, por sua vez, são 
compostos de aço austenítico ou aço hadfield, aço este que apresenta na sua composição 12 
a 14% de Mn, e caracterizam-se por apresentarem duas propriedades mecânicas 
importantes: 
� Tenacidade - não quebrar fácil 
� Dureza - resistência à abrasão 
6.3 AJUSTE OPERACIONAL 
 O controle operacional é feito simplesmente pelo ajuste da abertura de saída, o qual 
é efetuado, de forma semelhante ao britador giratório, ou seja, por meio da elevação ou 
 44 
abaixamento do cone que produz respectivamente a diminuição e o aumento da abertura de 
saída. A seguir apresenta-se uma figura esquemática explicando o efeito da elevação ou o 
abaixamento do cone sobre o ajuste da abertura de saída. 
 
Figura 6.5 – Efeito da posição do cone para o ajuste operacional 
 A elevação ou o abaixamento do cone pode ser realizado por duas formas: 
� Ajuste Mecânico 
Consiste em elevar ou abaixar mecanicamente a carcaça. Este tipo de ajuste é 
comum nos britadores de cone. 
� Ajuste Hidráulico 
Consiste em elevar ou abaixar hidraulicamente o cone. Este tipo de ajuste é comum 
nos britadores Hydrocones. 
A seguir apresenta-se uma figura esquemática de ajuste hidráulico (hydroset). 
 
Fonte : Manual de Britagem da FAÇO 
Figura 6.6 – Descrição do sistema hidráulico de ajuste operacional 
 45 
1. Pistão hidráulico que suporta o conjunto do eixo principal 
2. Reservatório de óleo 
3. Bomba de palheta de alta pressão 
4. Acumuladores (para sistema de alívio) 
 Os equipamentos dotados de ajuste hidráulico podem apresentar um sistema 
automatizado de controle de processo, sistema este denominado por Sistema de Regulagem 
Automática (ASR), o qual consiste em manter o ajuste operacional constante, através de 
reajustes automatizados à medida que há o desgaste dos revestimentos. A seguir apresenta-
se um painel de controle do ASR. 
 
Fonte : Manual de Britagem da FAÇO 
Figura 6.7 – Painel de controle do ASR 
 46 
 Associado ao sistema ASR, há as câmaras de britagem CLP – Constant Linear 
Performance (Revestimento de Desempenho Constante), cuja característica é manter o 
perfil da câmara, virtualmente, constante ao longo da vida útil do revestimento. 
 A seguir apresenta-se uma figura esquemática de uma câmara de britagem CLP. 
 
Fonte : Manual de Britagem da FAÇO 
Figura 6.8 – Efeito da câmara de britagem CLP 
 
 Ainda no que tange ao assunto ajuste operacional, deve-se destacar, como já citado 
anteriormente, que o cone apresenta