A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
27 pág.
psicologia de desenvolvimento Unidade II

Pré-visualização | Página 8 de 9

e criativa entre 
os recasados, para os quais são maiores as demandas e as expectativas em relação à atividade 
sexual.
101
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CICLO VITAL
Re
vi
sã
o:
 L
ea
nd
ro
/T
at
ia
ne
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: F
ab
io
 -
 2
2/
09
/1
1 
- 
2ª
 R
ev
isã
o:
 T
at
ia
ne
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 2
9/
09
/1
1
Ampliando a discussão, percebe-se que no casamento a autonomia e a satisfação de cada um 
sobrepujam os laços de dependência entre o casal. Isso parece confirmar os ideais de individualismo e 
hedonismo presentes no mundo contemporâneo e acaba por levar ao confronto direto com a realidade 
projetos e desejos do casal. 
Nesse sentido, emerge a questão da separação conjugal e suas consequências para os membros do 
casal e da família. O aumento do número de separações parece estar muito mais atrelado à busca de 
uma relação “perfeita”, no sentido de atender a expectativas que não podem ser cumpridas, porque as 
aspirações enquanto “indivíduos” conflitam com as de “casal”.
Exemplo de aplicação
Levante informações por meios tradicionais ou eletrônicos sobre o que é intimidade e suas formas 
de expressão: amizade, amor e sexualidade. Relacione os dados obtidos com a sexta crise proposta por 
Erikson, intimidade x isolamento.
Aproveite também para assistir a filmes que abordem esse tema e verifique os aspectos convergentes 
com os estudos realizados até aqui.
Quando observamos os dados estatísticos das separações e dos divórcios no mundo e no Brasil, 
podemos constatar que os números aumentam e tendem a aumentar mais ainda. Por exemplo, em 
1994 os dados são de um divórcio para cada quatro casamentos e, atualmente, os números são muito 
maiores.
Para finalizar, é oportuno destacar que os filhos desses casamentos desfeitos, bem como o casal, têm 
tarefas complexas para enfrentar. A família precisará encontrar novas alternativas para se recompor, 
além de ter que elaborar seus lutos.
 Saiba mais
O site <http://educacao.uol.com.br> contém entrevistas interessantes 
sobre o período da adolescência, suas características específicas e alguns 
desvios que podem acarretar doenças psíquicas e sociais. 
 Resumo
Puberdade (12 a 18 anos) está ligada às modificações biológicas que 
se passam nessa fase, assinaladas por dois tipos gerais de mudanças físicas: 
ao aumento no peso, na altura, na gordura e nos músculos corporais e 
102
Unidade II
Re
vi
sã
o:
 L
ea
nd
ro
/T
at
ia
ne
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: F
ab
io
 -
 2
2/
09
/1
1 
- 
2ª
 R
ev
isã
o:
 T
at
ia
ne
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 2
9/
09
/1
1
à maturação sexual e ao desenvolvimento das características sexuais 
secundárias. O final da puberdade se caracteriza pelo amadurecimento 
gonodal e o fim do crescimento esquelético, o que ocorre em torno dos 18 
anos.
Adolescência (12 a 18 anos) diz respeito às transformações psicossociais 
que acompanham o processo biológico; o início da adolescência pode 
coincidir ou não com a puberdade. O final da adolescência está inter-
relacionado com fatores socioculturais. 
O desenvolvimento cognitivo se caracteriza por operações formais 
(PIAGET, 1967); o adolescente constrói sistemas e teorias, liga soluções de 
problemas por meio de teorias gerais, é capaz de deduzir as conclusões 
de puras hipóteses e não somente por meio de uma observação real 
(pensamento hipotético-dedutivo).
Na adolescência, há uma crise e consequente construção de identidade. 
Identidade é a consciência que o indivíduo tem de si mesmo como “um ser 
no mundo”, traz o sentimento de pertinência e de diferenciação. Construir 
a identidade implica formar uma autoimagem e integrar as ideias que se 
têm sobre si mesmo e os feedbacks que os outros emitem a seu respeito. 
Para Erikson (1974), o dilema dessa fase é identidade versus confusão de 
papéis.
As principais características da puberdade/adolescência são: 
culminação do processo de separação/individuação dos pais da 
infância; elaboração de lutos referentes à perda da condição infantil; 
estabelecimento de uma escala de valores ou código de ética próprio; 
busca de pautas de identificação no grupo de iguais; estabelecimento de 
um padrão de luta/fuga no relacionamento com a geração precedente; 
aceitação dos ritos de iniciação como condição de ingresso ao status 
adulto; e assunção de funções ou papéis sexuais auto-outorgados.
A vida adulta compreende o período em torno dos 20 aos 65 anos, 
pode-se observar nele que os aspectos físicos contemplam um continuum, 
que vai da plenitude física ao começo do declínio. O adulto jovem (20 e 40 
anos) tem como temas centrais da vida o amor, o trabalho e a ética. É uma 
idade de muitas produções, assume e responde pelas próprias escolhas e 
pelos seus compromissos. 
Com relação aos aspectos físicos na fase adulta jovem ou juventude, 
há o auge das estruturas intelectuais e morais; pode-se afirmar que as 
funções corporais se encontram plenas, a força muscular está no seu ponto 
máximo, bem como a agudeza sensorial. Quanto à estatura, os homens 
103
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO: CICLO VITAL
Re
vi
sã
o:
 L
ea
nd
ro
/T
at
ia
ne
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: F
ab
io
 -
 2
2/
09
/1
1 
- 
2ª
 R
ev
isã
o:
 T
at
ia
ne
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 2
9/
09
/1
1
costumam atingir sua estatura máxima por volta dos 21 anos e as mulheres, 
em torno dos 18 anos. O adulto jovem faz parte do grupo mais saudável 
da população. Por outro lado, as maiores causas de morte nesse período 
são principalmente acidentes e atos de violência, como homicídios ou 
suicídios.
A juventude se caracteriza pelo auge das estruturas intelectuais, é o 
início do trabalho e dos estudos superiores, muitas pessoas começam a 
modelar seu projeto de vida, colocando suas decisões à prova ou alterando 
seu plano de vida.
De acordo com Erikson (1974), a juventude se caracteriza pelo 
sexto estágio psicossocial: as pessoas vivem o dilema intimidade 
versus isolamento. A intimidade se caracteriza pela capacidade de 
estabelecer de forma integral compromissos emocionais, morais e 
sexuais com outras pessoas, sendo necessário renunciar preferências 
pessoais, aceitar responsabilidades e abrir mão da privacidade e da 
independência. Os indivíduos que não conseguem estabelecer relações 
de intimidade desenvolvem uma sensação de isolamento, incapacidade 
de se vincular a outros de forma psicologicamente significativa, são 
pessoas que mantêm relações superficiais, evitam contatos sociais, 
rejeitam as outras pessoas e podem até se tornar agressivos em relação 
a elas; preferem ficar sós porque temem a intimidade, que veem como 
uma ameaça à identidade do seu ego. 
O segundo eixo central na vida do adulto jovem é o trabalho, há 
uma preocupação em se estabelecer profissionalmente, buscar por uma 
estabilidade profissional, o que é reforçado socialmente; tende a trabalhar 
muito, renunciar ao lazer e aos relacionamentos sociais a fim de se dedicar 
ao trabalho e/ou à carreira. O terceiro eixo central é a ética, que acompanha 
o amor e o trabalho.
Além da estabilização da vida afetiva e do início da vida matrimonial, 
alguns outros fatos são comuns nessa fase da vida: o ingresso na vida 
social plena; autossustento social, psicológico e financeiro; e o trabalho. 
Elementos básicos para o amadurecimento das pessoas, tais fatos muitas 
vezes acabam sendo postergados em função das atuais exigências e normas 
culturais. As consequências de tais restrições podem levar à dependência 
familiar; flutuações afetivas; falta de experiências vitais; tendência a 
idealizar. Outros