A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
O ESTADO E O DIREITO

Pré-visualização | Página 4 de 6

é preponderante na Teoria Geral do Estado. Para Aristóteles: “Política é a Ciência do Estado”. 
Teoria Geral do Estado – “Ciência Cultural, de fundo eminentemente sociológico, com a finalidade precípua de investigar a específica realidade da vida estatal, nas suas amplas conexões.”
Teoria Geral do Estado – Tríplice aspecto: analisa o poder na sua realidade social, política e jurídica. 
Fontes da Teoria Geral do Estado: os dados e os fatos que compõe a história. 
A Teoria Geral do Estado, então, preocupa-se em estudar o fenômeno político por excelência, qual seja, o Estado, como pessoa jurídica dotada de um poder soberano e de um ordenamento jurídico visando o bem comum, a Ciência Política, por sua vez, preocupa-se com os aspectos práticos do exercício do referido poder. Isso considerando que o Estado é mero instrumento para se alcançar o bem comum da sociedade. 
Como disciplina jurídica, estudada em universidades da Europa, sua origem é incutida ao doutrinador alemão Georg Jellinek. Na condição de professor titular da Universidade de Heidelberg, Jellinek é o precursor da “Teoria Geral do Estado” como matéria a ser aplicada em sala de aula, contemplando no estudo do Estado questões de cunho filosófico, sociológico, político, antropológico, dentre outros aspectos. 
O fato da Alemanha ainda estar se consolidando como “Estado”, contribuiu para que Jellinek escrevesse sua principal obra, em 1900. A unificação dos estados alemães ocorreu em 1871, mas ainda carecia de melhor organização política, em torno do poder central.
No Brasil não havia uma uniformidade sobre o assunto. Algumas faculdades ensinavam TGE como matéria inserida em “Direito Constitucional I”. 
Somente em 30/12/1994, por intermédio do então Ministro da Educação, Murilo de Avellar Hingel, instituiu-se a disciplina, como algo normatizado. Na oportunidade englobou Ciência Política e Teoria Geral do Estado como um único instituto. Através da promulgação da Portaria 1.886, no seu artigo 6º, assim foi estabelecido: 
“O conteúdo mínimo do curso jurídico, além do estágio, compreenderá as seguintes matérias, que podem estar contidas em uma ou mais disciplinas do currículo pleno de cada curso:
I) Fundamentais: Introdução ao Direito, Filosofia (geral e jurídica), ética geral e profissional), Sociologia (geral e jurídica), Economia e Ciência Política (com Teoria do Estado).” 
Apesar da pequena obscuridade, as faculdades de direito não tiveram dúvidas e incluíram, numa mesma disciplina, os dois temas. 
A interdisciplinaridade 
Não há como negar a dimensão interdisciplinar da ciência política, principalmente no que tange às ciências sociais e humanas, destacando aqui a influência da sociologia, filosofia, história, geografia, administração, economia e psicologia. O direito, por sua vez, é a principal fonte e que mais contribui para a disciplina. Mas o caráter interdisciplinar é fator marcante e que merece destaque. 
Bobbio, por exemplo, enaltece muito a chamada “filosofia política” onde o doutrinador destaca não apenas o “ser” mas como então “deveria ser” o Estado. Um aprimoramento técnico do que Platão pregava na sua obra “A República”. 
No início não havia distinção maior entre filosofia e ciência. A separação conceitual se deve a idade moderna. De um lado tinha-se a atitude escolástica, espiritualista, de raízes cristãs, aristotélicas e platônicas. De outro, o começo da atitude que seculariza o pensamento filosófico em escolas recentes, as quais só chegam, no entanto, ao pleno amadurecimento de suas teses mais destacadas e tidas como antiespiritualista, depois da abertura de horizontes pela filosofia Kantiana.
Conclusão: 
Assim, pode-se afirmar que a Ciência Política está preocupada com o real e efetivo funcionamento do governo ou exercício do poder político. Não busca idealizar um governo justo ou perfeito. A República, de Platão, é um exemplo de “filosofia política”, porque nela ele descreve o Estado ideal e suas funções. Outros filósofos políticos foram: o orador romano Cícero, autor de outra “República”, Santo Agostinho, com a sua “A cidade de Deus”, Tomás de Aquino e Dante, ambos escrevendo sobre a monarquia, dentre outros. 
A ciência política, desta feita, preocupa-se com os aspectos práticos do exercício do poder. A forma de se portar o homem em sociedade. Já a Teoria Geral do Estado preocupa-se com a estruturação do Estado em si. 
Por fim, ressalta-se que a partir de 1994 o Governo Federal exigiu junto as faculdades de direito a existência da disciplina de “Ciência Política”, a qual era contemplada quando se abordava sobre “Teoria Geral do Estado”, gerando uma certa confusão. Provavelmente a intenção era deixar claro que o conteúdo deveria ser aplicado como disciplina isolada, e não vinculada ao Direito Constitucional, como ocorria em algumas faculdades. 
CIÊNCIA POLÍTICA – Visão Crítica
A evolução da humanidade caminha a passos largos. É fácil observar que o extraordinário avanço das ciências e das tecnologias de comunicação e de transporte transformou radicalmente o padrão de relações sociais, principalmente nos últimos 40 anos, onde o homem além de conquistar o espaço desenvolveu-se tecnologicamente de forma assustadora. 
No entanto, a despeito de toda essa evolução científica, das descobertas e inovações, o desemprego, a pobreza, o medo e a violência mancham o tecido social e reduzem drasticamente o acesso aos benefícios do progresso. A marginalização social é presente em nosso país, que por sua vez acaba por gerar um sistema econômico injusto, desigual e instável. Mesmo aqueles que mantêm um bom padrão de vida não conseguem gozá-la em sua plenitude, pois o cotidiano de sucesso acaba sendo convivido com medo e insegurança. O receio de um sequestro, roubo ou até a perda da vida compromete todo um trabalho conquistado com muito esforço e dedicação. 
É possível afirmar então que a ciência e a tecnologia não elevaram o grau de qualidade de vida da maioria da população, que permanece em grande parte submetida à corrupção, à burocracia e à hegemonia dos interesses privados, sob governos que aprofundam o fosso de históricas desigualdades. E mais, cabe concluir que o século 20 chegou ao fim sem ter criado condições para aplacar um dos principais males; a pobreza. Nações marcadas por sua inserção na periferia do capitalismo, como o Brasil, convivem com o problema sem buscar maiores alternativas para o combate da referida mazela. 
Não se realizaram as expectativas que o modelo de desenvolvimento industrial propunha. A recente abertura do mercado interno para a produção e o capital internacional prometia benefícios ao Brasil, como estratégia de uma suposta globalização tecnológica.
As evidências indicam, ao contrário, a existência de um processo de especialização e diferenciação crescente dos sistemas de mudança técnica das nações, conseqüência do processo de globalização.
Na atualidade tão conturbada, é difícil entender por que a maior parte dos cientistas políticos mantém-se distante dos debates sobre políticas de educação, ciência e tecnologia, e ausente das avaliações de ações governamentais. Ou será que são mantidos à distância? É certo que a ciência política pode de fato contribuir para uma sociedade mais feliz e justa. Vale a pena refletir um pouco sobre essas questões. A ciência política é uma ferramenta essencial na construção de um mundo melhor. E, se é tão pouco utilizada, talvez seja porque a política é uma ciência que incomoda.
A ciência política analisa fatos – ações – e o funcionamento de instituições; avalia os resultados das ações, das políticas implementadas. Ela não busca intenções. Através dos fatos, descreve os vários interesses que justificam e orientam as ações em um sentido, e não em outro, em determinado momento histórico e em contexto específico. Demonstra, então, a rede de relações de poder que vai sendo tecida no jogo de interesses que ora se articulam, ora se afastam, que às vezes negociam

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.