A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
cap 5

Pré-visualização | Página 1 de 6

1 
CAPÍTULO 5 
 
REFERÊNCIA E SENTIDO 
 
 
1. Referência 
 
 Como explicitado na apresentação deste livro, em termos gerais, podemos dizer que 
existem três grandes abordagens em semântica: a referencial, a mentalista e a pragmática. 
Neste capítulo, vamos finalmente nos deter na explicação do que sejam a referência e o 
sentido, noções básicas da abordagem referencial. Segundo Chierchia (2003: 45), teorias 
referenciais baseiam-se na seguinte ideia do que seja comunicar: “uma língua é constituída 
por um conjunto de palavras e de regras para combiná-las. As palavras são associadas por 
convenção a objetos (isto é, os denotam). Em virtude dessa associação podemos empregar 
sequências de elementos lexicais para codificar as situações em que os objetos se 
encontram”. Basicamente, essa é a relação explicitada pela referência e pelo sentido da 
língua. 
 A relação de referência é a relação estabelecida entre uma expressão linguística e um 
objeto (no sentido amplo do termo) no mundo. Existe uma longa tradição na literatura que 
tende a identificar o problema do significado com o problema da referência. De acordo com 
essa concepção, o significado de uma palavra pode ser explicado em termos da relação entre 
a palavra e o(s) objeto(s) a que esta se refere. Essa concepção referencial também é conhecida 
como extensional, porque trata o significado em termos dos objetos, chamados extensões, a 
que se referem os itens da linguagem. Quando você diz nesta página, a expressão, por um 
lado, é parte da língua portuguesa, mas, por outro, quando usada em determinado contexto, 
identifica um pedaço de papel em particular, alguma coisa que você pode segurar entre os 
dedos, um pequeno pedaço do mundo. Portanto, têm-se duas coisas: a expressão linguística 
nesta página (parte da língua) e o objeto que você pode segurar entre os dedos (parte do 
mundo). A referência é exatamente alcançar o objeto no mundo, quando você usa a expressão 
da língua para se referir a esse objeto específico. Como a referência lida com as relações entre 
 
 2 
a língua e o mundo, ela é, portanto, dependente do enunciado, ou seja, a referência é uma 
relação entre expressões e aquilo que elas representam em ocasiões particulares
1
. 
 Uma primeira observação a respeito da relação de referência é que uma mesma 
expressão pode ser usada para se referir a vários objetos, dependendo das circunstâncias em 
que esta é utilizada: 
 
 (1) O atual presidente do Brasil 
 
Para se achar a referência dessa expressão, temos que levar em conta as circunstâncias em 
que a expressão foi proferida, ou seja, vai depender da data de proferimento da sentença. 
Também podem existir duas expressões referindo-se a um mesmo objeto no mundo. Por 
exemplo, as clássicas expressões de Frege: as expressões a estrela da manhã e a estrela da 
tarde referem-se ao mesmo planeta do universo, têm, pois, a mesma referência. Ainda 
existem expressões que só se referem a um único objeto no mundo, por exemplo: lua, povo 
brasileiro, Brasil etc. 
 As expressões referenciais podem ser sintagmas nominais (SNs), que são capazes de 
se referir a indivíduos ou a objetos no mundo. Podem ser também sintagmas verbais (SVs), 
que são capazes de se referir à classe de indivíduos no mundo. Ainda podem ser sentenças 
(Ss)
2
, que têm a capacidade de se referir à sua verdade ou à sua falsidade no mundo, ou seja, 
a referência de sentenças é o seu valor de verdade. Ilustremos essas possibilidades: 
 
 
 
 
 
1
 Seguindo a explicação de Müller (2003:64), "é usual fazer uso do termo denotação para indicar as entidades 
a que uma expressão teria o potencial de referir, e reservar o termo referência para a(s) entidade(s) 
apontada(s) por uma expressão linguística dentro de um determinado contexto de uso". Neste capítulo, não 
será relevante essa distinção. 
2
 Relembrando as noções de sintagmas: sintagma nominal (SN) é um grupo de palavras que ocorrem, 
preferencialmente, na seguinte ordem no português: um determinante, um nome e um qualificador; somente o 
nome tem a obrigatoriedade de estar presente, sendo os outros elementos opcionais. Sintagma verbal (SV) é 
um grupo de palavras que ocorrem na seguinte ordem: um verbo e seus complementos (quando estes forem 
pedidos pelo verbo). E sentença (S) pode ser definida, sintaticamente, pela presença de um verbo principal 
conjugado e, semanticamente, pela expressão de um pensamento completo. 
 
 
 
 3 
(2) Relações de Referência (adaptado de Chierchia e McConnell Ginet, 1990:58) 
 
_______________________________________________________________ 
 
 Expressão Referência 
 ________________________________________________________________ 
 
 Categoria SNs Referenciais objetos no mundo 
 
 Exemplo: João da Silva o objeto “João da 
 Silva” no mundo 
 __________________________________________________________________ 
 
 Categoria SVs classe de objetos no 
 mundo 
 
 Exemplo: ser brasileiro os brasileiros 
 ______________________________________________________________ 
 
 Categoria Ss Verdadeiro ou Falso 
 
 Exemplo: “João da Silva é brasileiro.” Verdadeiro 
 __________________________________________________________________ 
 
Alinhar o quadro 
 Portanto, a referência pode ser estabelecida entre um sintagma nominal que busca um 
objeto no mundo (em um sentido amplo do termo, pois uma pessoa está incluída nessa 
categoria), um indivíduo particular. Também a referência pode ser estabelecida entre um 
sintagma verbal e uma classe de objetos no mundo, ou seja, o sintagma verbal ser brasileiro 
busca a classe de brasileiros no mundo. Ainda a referência pode ser estabelecida entre uma 
sentença e seu valor de verdade, ou seja, para saber a que uma sentença se refere, temos que 
saber se essa sentença é falsa ou verdadeira no mundo: a referência de João da Silva é 
brasileiro é a verdade ou falsidade dessa sentença no mundo. 
 Em relação às referências estabelecidas pelos sintagmas nominais, vale realçar que 
não é uma relação única. Temos vários tipos de referências estabelecidas a partir dos 
sintagmas nominais. 
 
 
 
 
 4 
1.1 Sintagmas Nominais e Tipos de Referência 
 
 Segundo Lyons (1977), podemos observar os seguintes tipos de referência para os 
sintagmas nominais: 
 
A) Referência Singular Definida: 
 
1. Sintagmas nominais definidos: pode-se identificar um referente, não só o nomeando, mas 
também fornecendo ao interlocutor uma descrição detalhada, no contexto da enunciação 
particular, que permita distingui-lo de todos os outros indivíduos do universo do discurso. Por 
exemplo: 
 
(3) o homem alto ali na frente 
 
Em um contexto particular, a expressão em (3) pode ser usada como uma descrição definida 
que identifica um único referente. 
 
2. Nomes próprios: os nomes próprios são considerados as expressões referenciais por 
excelência, pois, geralmente, a cada nome buscamos uma referência única no mundo (é 
evidente que existem indivíduos que têm o mesmo nome; entretanto, isso é um fator menor 
que não descaracteriza o tipo de relação em evidência). 
 
 (4) Noam Chomsky é um famoso linguista. 
 
O nome Noam Chomsky refere-se a um único indivíduo no

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.