execução e avaliação  do projeto de intervenção
10 pág.

execução e avaliação do projeto de intervenção


DisciplinaEducação Inclusiva12.999 materiais111.297 seguidores
Pré-visualização2 páginas
\ufffdPAGE \ufffd
CÉLIO ROMERO FORMIGA FIGUEIREDO
\ufffd
 introdução 
 O Centro de Referência de Assistência Social \u2013 CRAS tem a responsabilidade pelos serviços socioassistencias nas áreas consideradas vulneráveis e de risco social. O CRAS/Grotão situado a Rua: Francisco Gomes de Oliveira, S/N no bairro do Grotão/Funcionários II em João Pessoal, capital do Estado da Paraíba. Sua principal função é o trabalho com o Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família \u2013 PAIF, dando suporte, orientando e intervindo para prevenir de situações de vulnerabilidade ou violência, serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, envolvendo crianças, adolescentes e idosos). Do PAIF, ainda temos os programas e projetos socioassistenciais, fortalecer a rede de Proteção Social Básico, garantia de direitos e encaminhamentos para outras instituições ligados a defesa e a Proteção.
 O envolvimento de toda a equipe técnica do CRAS, dar-se pelas constantes situações de demandas no cotidiano dos serviços prestados: atendimento, acolhida, entrevistas, visitas domiciliares, acompanhamento familiar, grupos de famílias, em conjuntos com outros profissionais do CRAS como o coordenador, assistentes sociais, psicólogos, equipe administrativa e estagiários. 
DESENVOLVIMENTO
O Projeto de Ação executado de forma que pudesse atender a compreensão das pessoas que participaram com os usuários do CRAS/Grotão, tudo havia sido planejado anteriormente com o grupo de Pessoas que são cadastrados e que recebem alimentos no Programa de Aquisição de alimentos \u2013 PAA e as famílias dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos daquela instituição vigente. Com bem antecedência foi formulado o convite pessoalmente a cada uma daquelas pessoas e ao mesmo tempo sendo explicado para que eles pudessem participar sobre o Projeto de Ação APRENDER SOCIAL e, todos aceitaram com maior satisfação. Tendo como participantes os Coordenadores, Assistentes Social, Psicólogos, equipe técnicas e de apoio e uma Professora Ângela Costa da Universidade Federal da Paraíba \u2013 UFPB, para compor o quadro no CRAS/Grotão para que pudesse ser realizado o Projeto, obtendo bons resultados na apresentação.
O Projeto ganhou o nome de O APRENDER SOCIAL: Prática Socioeducativa. - que tem como objetivo promover e capacitar aos usuários, o conhecimento com base no ensino aprendizagem, de forma metodológica, pedagógica os Diretos Sociais e Politicas Públicas de Direito. Ainda, o referido Projeto de Ação, procura instruir e incentivar os participantes daquele CRAS/Grotão, as atividades socioeducativas que foram desenvolvidas, inspirado para contribuir com o CRAS/USUÀRIOS, uma nova perspectiva e estimular um novo pensamento a respeito dos Direitos adquiridos por Lei e não de forma do clientelismo prática onde muitas vezes apresentados pelas instituições como um benefício da prefeitura, como se fosse o prefeito e gestores que estivessem \u201cajudando\u201d com aquele Programas do Governo Federal para o povo que dele precisar. 
O método utilizado foi bem prático, unir os usuários e as famílias, acomodando numa sala, bem sentados. No início agradecimentos e boas vindas como forma de apresentação. Dai os trabalhos foram iniciados e acontecendo de maneira espontânea abordando temas como Direitos Adquiridos e Violência doméstica através da fala (palestra), vídeos, apresentação com bonecos de fantoche, fazendo chegar até os participantes o conhecimento sobre o assunto, feito faixas, cartazes e foldes com a mesma temática e foram entregue para fortalecer ainda mais a leitura do assunto abordado. O objetivo também fazer perguntas adicionais aqueles usuários como forma de entrevista para sentir as necessidades deles e aproveitar a ocasião em que eles se encontram no CRAS para possíveis intervenções em favos deles, uma forma de acompanhar e orientar na vida desses cidadãos. O bom e importante é saber como eles estão sendo assistidos com os Programas Sociais de Saúde das famílias, interagir com a vida do idoso, adolescente e crianças se falta integrar nos Programas do Governo Federal. Fazer encaminhamentos naquela ocasião necessários para atender as famílias. Acompanhar as mulheres em período de gestação. Depois será feito entre os profissionais o estudo de caso, através das reuniões em Rede com diferentes atores profissionais que atuam nas instituições públicas apoiadora e parceiros ligadas a Proteção Social e, especificamente a Saúde. 
Depois de tudo serão avaliados e analisados em reunião sobre a atuação do Projeto O APREDER SOCIAL: prática socioeducativa, com os profissionais do CRAS/Grotão para saber o que pode mudar ou melhorar na vida das famílias em estado de vulnerabilidade e risco social. Uma estratégia propícia para sentir de perto os problemas dos usuários naquele território em que os mesmo estão inscritos na instituição. Assim, a função do Centro de Referencias de Assistência Social \u2013 CRAS acredita que a base da Proteção Social básica destinada a população em situações decorrente da pobreza, privações, ausência de rendas, precário acesso aos serviços públicos. Calamidade, fragilização de vínculos afetivos, descriminação etária, étnicos, de gênero, sexualidade, deficiência, exposta as famílias ou indivíduos e que dificultam seu acesso aos direitos e exigir mais Proteção social ao Estado.
Com a execução do Projeto de Ação O APRENDER SOCIAL: prática socioeducativa, que foi apresentado naquela Instituição do Município, com a participação dos profissionais e toda equipe técnica do CRAS. O público alvo foram os usuários que formulado perguntas sobre o evento e os mesmo disseram que faltava muitas informações para que eles pudessem está atualizados e tomar novas iniciativas na questão dos Direitos que os mesmos dispõem e, que gostariam de participar toda semana das palestra com os temas importantes, houve boa aceitação por parte deles. Interagir cada vez mais com a população do CRAS/Grotão é fundamental para compreensão analítica desses usuários.
A forma mais satisfatória foi saber que com a participação dos usuários, não apenas ir ao CRAS receber o alimentos ou outros interesses vinculados aos programas, mas perceber que houve mudanças principalmente no que diz respeito as informações e o conhecimentos socioeducativas, e deixando aos profissionais a identificação de novos problemas e deficiências em situações consideradas problemáticas. Ainda por existir a desigualdade social desenfreada no Brasil é de vemos como futuros profissionais informar, instruir e conscientizar para evitar a negação e a obscuridade dos Direitos. É um dever obrigatório de o Assistente Social esclarecer à população a garantia do Direito com fonte de Proteção Social.
Por se tratar de pessoas simples e de escolaridade muito baixa o Projeto de Execução foi elaborado e planejado para atender o perfil dessa população, com metodologia clara e precisa, onde essa população tem grande deficiência no saber relativo ao conhecimento sobre os seus direitos adquiridos por Lei. Graças ao profissional do Assistente Social que assume com muito orgulho esse papel fundamental na proteção dessas pessoas que demanda de tantas necessidades e que são pouco vista pela presença do Estado para as ações do direito.
A realidade no território populacional do CRAS/Grotão, as medidas socioeducaticas e socioassistenciais devem avançar partindo desses princípios de fazer do nosso povo informado das Lei e direitos que eles merecem para uma socialização justa em favor do Cidadão. Dever que cabe ao Assistente Social, assim como buscar soluções que sejam imediato por meio da intervenção social na realização especifica da questão social no seu papel do exercício da profissão. A demanda dessas pessoas por falta de informações atinge um índice muito grande na falta de proteção social.
Não se pode cruzar os braços, omitindo e deixar