A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Farmacodinâmica - Resumo

Pré-visualização | Página 1 de 2

17/3/2010
1
FARMACODINÂMICA
y Estuda os diferentes mecanismos de ação pelos
quais os medicamentos atuam sobre as funções
bioquímicas ou fisiológicas de um organismo vivo.
y Estudos quantitativos relacionado à dose-respostay Estudos quantitativos, relacionado à dose-resposta
dos efeitos biológicos e terapêuticos dos
medicamentos.
Farmacodinâmica + Farmacocinética = caminho 
completo percorrido pelo medicamento.
As drogas não criam funções nos órgãos ou 
sistemas sobre o qual atuam, apenas modificam 
as funções já existentes
Estimulação
Aum nt nd 
Depressão
Diminuind 
As ações das drogas são classificadas em 
cinco tipos:
Irritação
A d t b 
Antiinfecção
As drogas antiinfecciosas 
se destinam à destruição 
ou neutralização de 
organismos patógenos
Aumentando a 
atividade das 
células atingidas 
Diminuindo a 
atividade das 
células atingidas
A droga atua sobre a 
nutrição, crescimento 
ou morfologia dos 
tecidos vivos
Reposição
Na reposição ou terapêutica 
de substituição, usam-se 
substâncias naturais ou 
sintéticas que estejam em 
déficit
A distribuição e eficácia dos 
fármacos no organismo dependem 
das proteínas-alvo as drogas sãodas proteínas alvo, as drogas são 
eficazes porque se ligam a 
proteínas-alvo particulares.
A especificidade é recíproca, ou seja, 
classes individuais de drogas ligam-se 
apenas a determinados alvos, e, alvos 
individuais reconhecem apenasindividuais reconhecem apenas 
determinadas classes de drogas.
17/3/2010
2
Princípio básico:
A droga deve se ligar a um constituinte
Ligação das drogas a 
receptores
A droga deve se ligar a um constituinte
celular (proteína - alvo) para produzir uma
resposta farmacológica.
Nenhuma droga é totalmente 
específica nas suas ações. Em 
muitos casos, o aumento na sua 
dose afeta outros alvos diferentes 
do principal e provoca efeitos 
colaterais.
Classificação quanto ao mecanismo de ação:
y Grupo estruturalmente inespecífico (5%):
y O efeito farmacológico do medicamento não depende da 
sua estrutura química. 
y Promovem alterações em suas propriedades físico-
químicas (grau de ionização solubilidade tensãoquímicas (grau de ionização, solubilidade, tensão 
superficial e atividade termodinâmica). 
y Não se ligam a um receptor. 
Ex: antiácidos (redução da acidez estomacal = tampões); 
diuréticos osmóticos (Manitol)
• Grupo estruturalmente especifico (95%): 
y A ação biológica depende diretamente de sua
estrutura química.
y Ligam-se a receptores específicos.
y Podem atuar sobre as enzimas, moléculas
transportadoras, canais iônicos, receptores dep p
neurotransmissores e ácidos nucléicos.
y Pequenas alterações em sua estrutura química (E.q.)
podem causar substânciais alterações na atividade
farmacológica.
17/3/2010
3
Receptores:
Definição de receptor: são estruturas protéicas que formam os
elementos sensoriais do sistema de comunicações químicas que
coordena a função de todas as diferentes células do corpo, sendo
os mensageiros químicos representados por hormônios,
neurotransmissores, citocinas e etc...
™AFINIDADE: tendência de ligação aos receptores
™EFICÁCIA: após ocupação do receptor, a droga é
capaz de iniciar uma resposta (molecular, celular,
tecidual ou sistêmico)
Três características que reforçaram a existência de 
receptores:
1ª Alta potência: com pequenas doses são observados
efeitos farmacológicos.
2ª Especificidade química: alterando livremente a
estrutura química ou espacial do medicamento os efeitosq p
param.
3ª Especificidade biológica: capacidade que uma
substância tem para atuar sobre um determinado tecido
e não sobre outro.
RM-Acetilcolina
Cortisol
Pilocarpina
Corticosteróides 
sintéticos
RM- Atropina
Alvo para ação de medicamentos
Alvo = macromoléculas protéicas com função de: enzimas, moléculas
transportadoras, canais iônicos, receptores de neurotransmissores e
ácidos nucléicos
O conhecimento das características dos 
receptores farmacológicos e suas funções no 
organismo tem levado ao desenvolvimento de 
medicamentos cada vez mais específicos e com 
menores efeitos colaterais
Enzimas:
y Os medicamentos podem ativar, INIBIR e reativar as
enzimas
y Ativação: medicamento interage com o inibidor da
enzima ou ainda com a própria enzima alterando sua
carga e conformação no sentido de ativá-la. É pouco
(B bitú i MAO)comum. (Barbitúricos = MAO)
y Inativação: competição do medicamento com o
substrato pelo centro ativo (CA) da enzima, o
medicamento atua como um substrato análogo que atua
como inibidor do centro ativo da enzima. é o mais
comum.
X
17/3/2010
4
Inibição competitiva
substância que se liga no mesmo sítio de ligação que o AGONISTA 
sem, no entanto, ativar o receptor. Duas drogas competem pelo 
mesmo sítio receptor Pode ser reversível e irreversível. 
Inibição não competitiva
a droga bloqueia em algum ponto a cadeia de eventos que induz a 
produção de uma resposta pelo agonista. Portanto liga-se a um 
sítio diferente do domínio de ligação do agonista. Ecotiofato: 
anti-colinesterásico
Moléculas transportadoras:
y Medicamentos interferem com o funcionamento de proteínas 
carreadoras que são responsáveis pelo carreamento de varias 
substâncias para o interior das células. 
y Glicose, aminoácidos, íons e neurotransmissores são carreados. 
y Tem-se a necessidade de proteínas carreadoras, pois geralmente 
as moléculas permeáveis são com freqüência muito polares e 
insuficientemente lipossolúveis para atravessarem por si só as 
membranas lipídicas das células. 
localização os receptores podem se localizar na 
superfície das células em suas membranas, no citoplasma 
e no núcleo celular. 
Receptores ligados a canais iônicos (ionotrópicos): controle
direto do canal iônico
y Trata-se de receptores de membrana, que estão acoplados
diretamente a um canal iônico.
y Após a ligação medicamento X receptor = alteração na
permeabilidade do canal iônico que muda sua conformação,
podendo ocorrer uma despolarização ou hiperpolarização.
y São receptores sobre o qual atuam os neurotransmissores (NT)
rápidos como em receptores nicotínicos; glicina, glutamato,
colinérgico muscarínico cardíaco; β- adrenérgico cardíaco
Receptor Nicotínico
Channel
Agonista 
Sítio de 
Açao
Gate
Receptores acoplados a proteína G (metabotrópicos): 
mecanismo efetor de acoplamento indireto (proteína G ) 
associados a GDP e GTP
y Mecanismo de acoplamento indireto onde a proteína 
G participa na ação do medicamento.
y Proteína G: quando ativadas estimulam uma enzima 
alvo (adenilato ciclase) que quando ativasalvo (adenilato ciclase) que quando ativas 
convertem o ATP em AMPc (segundo mensageiro) 
que por sua vez ativa a proteína kinase que estava 
inativa, com isso tem-se uma cascata de reações e o 
efeito celular que neste caso será excitatório.
17/3/2010
5
Receptores ligados à quinase: controle 
direto da fosforilação protéica
y Quando o medicamento se liga ao receptor, tem-se de 
imediato a fosforização da proteína quinase.
y Os receptores de vários hormônios (p.ex insulina) e fatores 
do crescimento incorporam a tirosina quinase em seus domínio 
i t l lintracelular.
y O receptor de citocinas esta acoplado em seu domínio 
intracelular a quinases citosólicas e as ativa quando o 
receptor esta ocupado. 
Receptores nucleares: receptores que regulam a 
transcrição gênica = hormônios esteróides, tireoidianos, 
glicocorticóides
y Os medicamentos altamente lipossolúveis que
atravessam a membrana plasmática com facilidade
podem interagir com estes receptores.
y Os receptores em sua maioria se localizam no núcleo
ó
p
no próprio DNA, e a região onde se tem o receptor e
chamado de DNA responsiva ou hormônio responsiva.
y Os receptores podem também se