A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
prova evolução

Pré-visualização | Página 1 de 2

MARX:
O trabalhador ele não transforma apenas o material sobre o qual opera: ele imprime ao material o projeto que tinha conscientemente em mira, o qual constitui a lei determinante do seu modo de operar e ao qual tem de subordinar sua vontade.”
denomina de trabalho estranhado, relação em que o trabalhador não se reconhece no seu trabalho, tanto no ato de produzir, quanto no objeto produzido.
ato de produção é necessariamente social e há um desenvolvimento histórico da produção fabril. Marx, n’O Capital divide em 3 momentos:
Cooperação :Conjunto de pessoas trabalhando pode aumentar a produção, homogeneidade do trabalho (os produtos são padronizados)
Manufatura : A manufatura é o desenvolvimento da própria divisão social do trabalho. Trabalhadores reunidos em uma fábrica, com instrumentos simples: A técnica e o processo produtivo são de propriedade do trabalhador, a gestão se encontra na mão do proprietário
Dupla condição do trabalho humano sob a manufatura:
1) Possibilita o trabalho ultra-detalhado e especializado (desenvolvendo-se instrumentos específicos)
2) Empobrece o trabalho pela limitação do trabalhador a uma atividade específica 
Maquinofatura: A máquina passa a ditar o modo de produzir, definindo como será o objeto final, assim como o meio pela qual o objeto será produzido. A máquina passa, primeiro, a produzir o objeto inteiro. Posteriormente, possibilita-se a criação de um sistema de máquinas.
Taylor: Administração científica
Transfira toda a responsabilidade da organização do trabalho do trabalhador para o administrador;
Use métodos científicos para determinar o meio mais eficiente para fazer o trabalho;
Selecione a melhor pessoa para fazer o trabalho determinado;
Treine-se o trabalhador para fazer o trabalho eficientemente;
Controle-se o desempenho do trabalhador para que os objetivos sejam alcançado;
Fayol: 
	Funções 
	Descrição 
	Administrativas
	Planejamento, Organização, Comando, Coordenação, Controle
PLOCCC
FORD: LINHA DE PRODUÇÃO
Motivação e Fator humano 3ª aula
Principios de Follet:
Princípio de contato direto – quanto menor for a distância entre chefia e subordinado melhor;
Princípio de planejamento – as pessoas envolvidas com a execução devem participar do planejamento também;
Princípio das relações recíprocas - não há separação, tudo está relacionado;
Princípio do processo contínuo de coordenação – a coordenação é uma atividade processual e está relacionada com tudo e todos a toda hora;
Barbard
Funções do executivo:
Estabelecimento, manutenção e desenvolvimento de um sistema de comunicação entre as pessoas;
Segurar a prestação dos serviços pelas pessoas;
Formular os propósitos organizacionais e definir os objetivos; 
Escola de relações humandas: Busca entender a influência do indivíduo e de seus relacionamentos no ambiente de trabalho;
Principais conclusões de Elton Mayo 
Efeito Hawthorne – a qualidade do tratamento dado pela gerência aos funcionários e aos grupos influencia fortemente seu desempenho;
Grupos informais – a existência de grupos informais dentro da organização;
Lealdade do trabalhador ao grupo – o trabalhador pode ser mais leal ao grupo do que à gerência e ao trabalho;
Recompensas ou sanções sociais: o operário que produzir acima ou abaixo da médio do grupo, perderia o respeito perante seus colegas.
Esforço coletivo – a gerência deve estimular e desenvolver o trabalho em equipe, a autogovernança e a cooperação dos grupos;
Conceito de autoridade – A autoridade não deve usar de ‘coação’ (Poder sobre as pessoas), mas de estímulo à participação cooperativa e de auxílio à coordenação da empresa.
Abordagem Humanista: Teorias sobre a Liderança
Pessoa exerce influência sobre o comportamento de outra.
Poder: legítimo (autoridade inerente ao cargo e posição hierárquica); de recompensa (decidir atribuições e recompensas); coercitivo (punições); intelectual; informação (acesso e controle de informação); reverencial (admiração, simpatia).
ESTILOS DE LIDERANÇA
Estilo autocrático: líder toma decisões; dita métodos de trabalho; centraliza autoridade e dá feedbacks punitivos
Estilo liberal: líder dá liberdade ao grupo; fornece subsídios; limita-se a responder questões
Estilo democrático: líder envolve o grupo na tomada de decisões; comunica objetivos e processos.
Teorias Situacionais:
“o líder é aquele capaz de adaptar os processos para sua otimização”
Tannembaum & Schimdt: gestor opta por condições (multicritério):
Modelo Blake & Mouton (grade de gestão): preocupação com a produção e preocupação com as pessoas
Teorias sobre a motivação
Baseadas nas necessidades
1. Hierarquia das necessidades; dois fatores de Herzberg)
2. Teoria ERG (Alderfer): necessidades existenciais, de relacionamento, de crescimento
3. Cognitivas: expectativa; equidade; fixação de objetivos; reforço;
Economia comportamental 
Aumenta o poder explanatório da economia, buscando as fundações psicológicas do comportamento econômico;
Administradores e economistas não tomam sempre a decisão mais racional, a que leva sempre à maximização dos lucros...
TEORIA DO CONTRATO
Na economia, a teoria do contrato estuda como os atores econômicos constroem arranjos contratuais, geralmente na presença de informação assimétrica. 
Devido a suas conexões com representação e incentivos, a teoria do contrato é muitas vezes categorizado dentro de um campo conhecido como análise econômica do direito.
Uma prática padrão na microeconomia da teoria do contrato é para representar o comportamento de um tomador de decisão sob certas estruturas numéricas de utilidade, e então aplicar um algoritmo de otimização para identificar decisões ótimas. 
Tal procedimento tem sido usado na estrutura da teoria do contrato em algumas situações típicas, chamada de risco moral, seleção adversa e sinalização.[1] 
O espírito desses modelos está em encontrar modos teóricos para motivar os agentes a tomarem as ações apropriadas, mesmo sob um contrato de seguro. 
AULA 4: Burocracia e a Estrutura Organizacional: os Estruturalistas
 
	
As Organizações
 Resultado de uma sociedade altamente especializada e interdependente
 Recursos limitados que determinam a aplicação dos mesmos
 Formalidade das organizações (Burocracias): regras, regulamentos, hierarquias
 Complexidade das organizações
Homem Organizacional
 Flexibilidade
Tolerância às frustrações
 Capacidade de adiar as recompensas
 Permanente desejo de realização
Análise das Organização múltipla:
Abordage
organização formal e informal
 recompensas materiais e sociais
 diferentes enfoques da organização
 modelo racional
 modelo natural
 os níveis da organização
 institucional
 gerencial
 técnico
 diversidade de organizações
 análise interorganizacional
Organizações podem ser concebidas segundo duas diferentes concepções
 Modelo racional da organização. A organização é um meio deliberado e racional de alcançar objetivos organizacionais. Os objetivos são explicitados – como maximizar os lucros.
Modelo natural de organização. A organização é um conjunto de partes interdependentes que constituem o todo: cada parte contribui com algo e recebe algo do todo, o qual é interdependente com um ambiente mais amplo
Os níveis da organização:
Nível institucional. É o nível organizacional mais elevado, composto dos dirigentes e altos executivos.
Nível gerencial. É o nível intermediário, situado entre o nível institucional e o nível técnico. Cuida do relacionamento e da integração desses dois níveis.
Nível técnico. É o nível mais baixo da organização. É chamado nível operacional e é onde as tarefas são executadas, os programas são desenvolvidos e as técnicas são aplicadas.
Outras características:
Ambiente Organizacional
 Interdependência com a sociedade
Estratégia Organizacional
 Competição
 Ajuste ou negociação
 Cooptação ou coopção
 Coalizão
Conflitos Organizacionais
ESTRUTURALISMO SISTEMA
 estruturalismo 
 - método analítico comparativo
 - totalidade e interdependência

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.