ACIDENTES DOMÉSTICOS: ORIENTAÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE EM ESCOLAS PÚBLICAS NO SUL DO PAÍS
491 pág.

ACIDENTES DOMÉSTICOS: ORIENTAÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE EM ESCOLAS PÚBLICAS NO SUL DO PAÍS


DisciplinaAcidentes Domesticos9 materiais30 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ACIDENTES DOMÉSTICOS: ORIENTAÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE EM 
ESCOLAS PÚBLICAS NO SUL DO PAÍS 
 
Área Temática: Saúde 
Responsável: Maria Cristina Flores Soares
1
 
Instituição: Universidade Federal do Rio Grande (FURG) 
Nome dos Autores: Marcela Dupont Soares 
2
,
 
Susi Lauz 
3
,
 
Cristine Lucila 
4
, Bruna 
Soares Ayres 
5
, Giordani Barcelos 
6
, Karina Lagani Vieira 
7 
. 
Resumo 
 Estudos têm abordado a temática de acidentes domésticos na infância como algo 
oportuno, tendo em vista serem muito freqüentes e com conseqüências danosas à saúde 
das crianças. A orientação que pode ser oferecida às próprias crianças e adolescentes, 
professores e seus pais ou responsáveis podem reduzir o risco de acidentes domésticos e 
escolares oferecido por alguns objetos e situações vivenciadas no dia-a-dia. Este 
trabalho teve por objetivo realizar uma avaliação inicial sobre o conhecimento prévio de 
alunos de cinco escolas públicas do município do Rio Grande sobre acidentes 
domésticos. Foram avaliadas 909 escolares de Educação Infantil a 8° série. Utilizou-se 
para esta ação dois instrumentos de coletas, o primeiro instrumento aplicado nos alunos 
de Ed. Infantil a 4° série e o segundo de 5° série a 8° série. Ambos continham imagens 
que indicavam situações de risco ou segurança. Os resultados obtidos foram analisados 
em percentual de acertos relativo à identificação de risco/segurança nos diferentes 
grupos de escolaridade e nas diferentes figuras propostas no instrumento utilizado. 
Percebe-se de forma geral que em algumas figuras as crianças reconhecem o perigo em 
todas as idades, mas já em outras há uma discrepância de percepção. Estes sugerem que 
além da orientação às crianças e adolescentes existe a necessidade de orientação tanto 
dos pais, professores, como de qualquer pessoa que zele pela infância. 
Palavras-chaves: Acidentes Domésticos; Escola; Proteção e Promoção da Saúde. 
Introdução 
 O presente estudo refere-se a um dos cinco projetos abordados dentro do 
Programa \u201cVivências em Promoção da Saúde na Escola\u201d, que abrange cinco temáticas 
distintas que buscam orientar a comunidade escolar e o grupo que com ela interage de 
forma geral, pais, alunos, professores e funcionários, no que tange à questão da 
promoção da saúde. Dentro dessas temáticas estão: alimentação saudável, cidadania e 
paz, atividade física e postura, ambiente saudável, e prevenção de acidentes domésticos, 
este último, temática específica deste projeto que se intitula \u201cOnde mora o perigo?\u201d. 
Este programa vem sendo desenvolvido sob responsabilidade da Universidade Federal 
do Rio Grande \u2013 FURG. 
 Os escolares estão sujeitos aos mais diferentes acidentes domésticos e buscar 
minimizá-los é uma questão de saúde pública. Prevenir os acidentes na infância e 
adolescência é uma questão de educação e informação que deve atingir todos os que 
zelam por estes, seja a família ou a escola. 
 Segundo o Art.3º da Convenção sobre os Direitos da Criança (1990) deve-se 
assegurar à criança a proteção e o cuidado que sejam necessários para seu bem-estar, 
tornando o seu tutor, como responsável. Com esta reflexão podemos pensar na questão 
dos acidentes domésticos como sendo os pais responsáveis pela segurança, e estes 
devem ser orientados para agir, e organizar objetos que possam oferecer perigo da 
menor forma. 
Lembra-se também o relevante papel da escola na educação desta criança e na 
rotina da família, trabalhando questões como valores, cidadania, e principalmente 
formação de hábitos e atitudes. Pode-se dizer que a escola seria o melhor lugar para 
iniciar este trabalho, para assim serem orientados os principais pontos de referência da 
criança. 
 Acidentes domésticos são evitáveis se orientados de forma adequada, segundo 
FILÓCOMO et al., (2002). Portanto, uma melhor orientação sobre a prevenção destes 
acidentes e uma supervisão mais rigorosa por parte dos responsáveis poderá contribuir 
para que este índice diminua. 
 Este estudo teve por objetivo realizar um diagnóstico inicial para analisar o 
conhecimento prévio de alunos de escolas públicas do município do Rio Grande/RS 
sobre acidentes domésticos, a fim de subsidiar ações de proteção e promoção à saúde 
dessas crianças e adolescentes. 
 
Material e Metodologia 
 As ações realizadas fazem parte do Programa de Promoção da Saúde na Escola 
da Universidade Federal do Rio Grande \u2013 FURG. 
 Foram avaliados nesta atividade 909 alunos e a equipe de execução foi 
constituída por acadêmicos: 20 de graduação, 05 de pós-graduação e 06 docentes da 
FURG. Dentro das temáticas escolhidas o grupo foi dividido em cinco, sendo o grupo 
desta sessão constituído por uma facilitadora (psicóloga mestranda do Programa de Pós-
Graduação em Ciências da Saúde), quatro bolsistas e uma professora doutora 
orientadora, da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) \u2013 Rio Grande-RS. Este 
programa está previsto para ser executado entre os meses de junho e novembro de 2011. 
 Primeiramente as escolas foram contatadas para ser apresentada a proposta do 
programa. Posteriormente realizado o diagnóstico prévio com as crianças/adolescentes. 
Foram utilizados dois instrumentos para avaliar o conhecimento dos alunos, o primeiro 
foi aplicado em crianças de 1° a 4° série, contendo figuras aleatórias positivas e 
negativas sobre acidentes domésticos e prevenção. As crianças deveriam circular as 
figuras que achavam ter relação à proteção em acidentes domésticos. 
 O segundo instrumento, um instrumento também constituído com figuras 
aleatórias em forma de círculo e no centro um quadro com um dos lados escrito 
\u201cpositivo\u201d e no outro \u201cnegativo\u201d. As crianças deveriam valer-se de uma atividade de 
correlacionar por indicação de segmentos de reta os indicadores de tais situação. Este 
foi aplicado nos alunos de 5° a 8° séries. Sendo avaliadas cinco escolas públicas do 
município do Rio Grande. Os resultados foram analisados de acordo com a 
porcentagem de erros e acertos dos alunos, resultado esperado e o resultado obtido, para 
verificar o objetivo do trabalho. Os instrumentos utilizados para detectar o 
conhecimento prévio dos grupos em que se iniciou o processo de detecção encontram-se 
ilustrados abaixo: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Resultados e Discussões 
Os dados obtidos em percentual de acertos relativo à identificação de 
risco/segurança nos diferentes grupos de escolaridade podem ser visualizados nas 
figuras abaixo. 
 
 
 
Segurança 
PROGRAMA \u201cVIVÊNCIAS EM PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA\u201d
ESCOLA:
TURMA: DATA:
Observe atentamente as figuras abaixo e circule os 
desenhos que tu achas que se referem à:
F. 1
F. 6
F. 5
F. 4
F. 3
F. 2
Quando se analisou o uso do capacete (Fig.2) no grupo de educação infantil ao 
5º ano houve uma diferença significativa da percepção do perigo de não utilizá-lo, pelos 
alunos do 5º ano comparando com os demais. Tal situação nos faz lembrar que na faixa 
etária de dez aos doze anos as crianças são observadoras, acham que sabem tudo, são 
energéticas, indiscretas e argumentadoras. Querem ser líderes e aceitas nos seus grupos, 
buscando, muitas vezes, atitudes radicais, daí a idéia de perigo ficar distorcida. Estes 
podem querer imitar heróis ou uma pessoa mais velha que viva perigosamente. A 
importância do papel dos pais e professores quanto à este aspecto é fundamental. \u201cVale 
ressaltar que é de vital importância a necessidade do atendimento e participação dos 
pais ou responsáveis por ensinar, desde cedo, à criança a compreensão dos riscos do 
ambiente que a envolve e saber como evitá-los.\u2019\u2019 (Souza, 1999) 
A faca (Fig. 5 - arma branca) foi reconhecida quase que unânime como