A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
55 pág.
TCC versão final

Pré-visualização | Página 12 de 12

Aidil Jesus da Silveira; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2000.
BIRLEY Sue; MUSIKA, Daniel F. Dando o Desafio do Empreendedor. São Paulo: Makron Books, 2001.
BLANK, Steve; DORF, Bob. Startup Manual do Empreendedor. Rio de Janeiro: Alta Books, 2014.
CANTO, Lucianne. Modelo de Negócio do Nubank: O cartão 100% Digital. Linkedin 2016. Disponível em:<https://pt.linkedin.com/pulse/modelo-de-neg%C3%B3cio-do-nubank-o-cart%C3%A3o-100-digital-lucianne-canto>. Acesso em: 28 Out. 2017.
Carina Gomes Da Silva, Thiago Kader Rajeh Ibdaiwi, Nícolas Rérison Bibiano, Margarida Peres, Miriam Cristina Silva dos Santos e Guilherme Falcão Falkembach / O PERFIL DOS EMPREENDEDORES NAS STARTUPS: UM ESTUDO DE CASO NA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTA MARIA/ disponível em: http://ecoinovar.com.br/cd2013/arquivos/artigos/ECO136.pdf acesso em 03/11/2017 
CARRASCO, Luiz Carlos. Uma Análise da Aplicação do Business Model Canvas: BMC a partir da visão de empreendedores que se encontram em diferentes fases do negócio. XXIV Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Belém, Set.2014.
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos Humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
CLEMENTE, A. Planejamento do negócio: como transformar idéias em realizações/Armando Clemente, organizador; colaboradores, Alexandre Rocha... [et al.]. – Rio de Janeiro: Lucerna; Brasília, DF: SEBRAE, 2004 
DEGEN, R. O Empreendedor: Fundamentos da Iniciativa Empresarial. 8.ed. São Paulo,Makron Books,1989.
DEGEN, Ronaldo Jean. Empreendedor. Empreender Como Opção de Carreira.1 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.
DINIZ, M F. S. OLIVEIRA, R. S. Interação universidade - Empresa, inovação e desenvolvimento local: um estudo de caso da incubadora CENTEV/UFV. Universidade de Fortaleza. Disponível em: www.unifor.br/noticia/file/372.pdf. Acesso em: 24/10/2017.
DOLABELA, Fernando. Oficina do empreendedor. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.
DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001. (não achei citação do ano de 2001 no texto)
DORNELAS, José Carlos Assis, 1971. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar em organizações estabelecidas / José Carlos Assis 
Dornelas. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. – 9 reimpressão. (não achei citação do ano de 2007 no texto)
DORNELAS, José Carlos Assis, 1971. Empreendedorismo na prática: mitos e verdades do empreendedor de sucesso / José Carlos Assis Dornelas. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. – (não achei citação do ano de 2007 no texto)
DORNELAS, José Carlos Assis, 1971. Empreendedorismo:transformando idéias em negócios / José Carlos Assis Dornelas. – 3.ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. – 
DORNELAS, José Carlos Assis,1971. Empreendedorismo corporativo / José Carlos Assis Dornelas. – 2.ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2008 – 
DORNELAS, José Carlos Assis; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de metodologia científica. Ampliada. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2000. (no texto só temos o ano de 2008)
DRUCKER, P. F. Inovação e Espírito Empreendedor. São Paulo: Pioneira, 1987.
Empreendedores. Belo Horizonte/MG: SEBRAE/MG, 2015c. v. 3.
GEM – Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil, 2006.
GERALDI, Woody Alan; STETTINER, Caio Flávio; MOIA, Roberto Padilha. Escalabilidade e as Startups da cidade de São Paulo. São Paulo, 2016. Disponível em:<http://www.sebraesp.com.br/arquivos_site/biblioteca/escola_de_negocios/conteudos/EscalabilidadeeasStartupsdeSaoPaulo.pdf>. Acesso em: 28 de nov. 2016.
KOLKO, J. a ALT, Exposing the Magic of Design A Practitioner’s Guide to the Methods and Theory of Synthesis. Oxford University Press, 2011. DISPONIVEL: <https://cdn2.hubspot.net/hubfs/455690/Ofertas/Ebooks/Arquivos/Livro_Design_Thinking_-_Inovao_Negcios.pdf>ACESSO: 22/08/2017
MATOS, Felipe. Prototipagem: como avaliar se sua ideia resultará em um produto ou serviço com potencial de mercado. In: GRANDO, Ney (org.). Empreendedorismo inovador: como criar startups de tecnologia no Brasil. São Paulo: Êvora, 2012. p.557.
NORMAND, Reinaldo. Vale do Silício: entenda como funciona a região mais inovadora do planeta. São Francisco, 2015.
OSTERWALDER, A.; PIGNEUR, Y. Business Model Generation - Inovação em modelos de negócios. Rio de Janeiro: Alta Books, 2011.
PETERS, P.P; HISRICH, R.D. Empreendedorismo. São Paulo: Bookman, 2002.
PINHEIRO, T. & ALT, L. Design Thinking Brasil: Empatia, Colaboração e Experimentação Para Pessoas, Negócios E Sociedade, 1ºed., Elsevier, 2012.
PINHEIRO, Tennyson. Design Thinking Brasil: empatia, colaboração e experimentação para pessoas, negócios e sociedade. Tennyson Pinheiro, Luis Alt em parceria com Felipe Pontes: prefácio de Kerry Bodine. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.
PINHEIRO, Tennyson. Um novo “d”esign, 2010. Disponível em: Acesso em 10/08/2017
PRIBERAM. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. 2013. Disponível em: <https://www.priberam.pt/dlpo/startup>. Acesso em: 28 nov. 2016.
REVISTA HSM DE ADMINISTRAÇÃO: Desafios da Inovação Aberta Brasileira. Disponível em: http://www.hsm.com.br/editorias/inovacao/- Acesso em: 24/10/2017.
RIES, Eric. A Startup Enxuta. São Paulo: Lua de Papel, 2014. (no texto só temos ries 2011) 
ROSA, Claudio A.; COUTO, Gustavo M.; LAGE, Marcelo G. Descoberta. In: ______. Guia essencial para empreendedores. Belo Horizonte/MG: SEBRAE/MG, 2015a. v. 1.
______. Ideação. In: ______. Guia essencial para empreendedores. Belo Horizonte/MG: SEBRAE/MG, 2015b. v. 2.
______. Implantação. In: ______. Guia essencial para empreendedores. Belo Horizonte/MG: SEBRAE/MG, 2015d. v. 4.
______. Modelagem e proposta de valor. In: ______. Guia essencial para 
SCHUMPETER, J. A. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.
SCHUMPETER, J.A. Teoria do Desenvolvimento Econômico. Editora Fundo de Cultura, Rio de Janeiro, 1961.
SEBRAE. O que é uma startup. Disponível em: <https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/sebraeaz/o-que-e-uma startup,616913074c0a3410VgnVCM1000003b74010aRCRD>. Acesso em: 10 out. 2016.
SIGNORI, Gláuber Guilherme et al. Startup e inovação: inovando na forma de pensar e decretando o fim das velhas ideias. Disponível em: <http://www.anprotec.org.br/Relata/ArtigosCompletos/ID%20107.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2016.
THIEL, Peter. De Zero a Um. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.
VARRICHIO, Pollyana Carvalho. Uma discussão sobre a estratégia de inovação aberta em grandes empresas e os programas de relacionamento voltados para startups no Brasil. 2016. Disponível em: <http://www.fundace.org.br/revistaracef/index.php/racef/article/view/251>. Acesso em: 28 nov. 2016.
VILS, Leonardo; DA SILVA, Alexandre; RODRIGUES, Gustavo. Invocação em modelos de negócios: um estudo bibliométrico. IV Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade. São Paulo, p. 2-4, Nov.2015.
WUSTRO Anderson . Abril 27, 2017. Opções de investimento para startups em estágio inicial . Disponível em: https://abstartups.com.br/2017/04/27/4-opcoes-de-investimento-para-startups-em-estagio-inicial/