A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
AULA 2 A ENTREVISTA   Cópia alunos

Pré-visualização | Página 1 de 1

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU 
 
 
ENTREVISTA 
TIPOLOGIAS, DESAFIOS E APROPRIAÇÃO 
NA ELABORAÇÃO TEXTUAL 
 
 
 
DISCIPLINA: TÉCNICAS AVANÇADAS DE 
ENTREVISTA E REPORTAGEM 
PROFESSORA: SANDRA PAULA AMORIM 
 
 
 
 
O repórter, no seu dia a dia, precisa 
ouvir grande número de pessoas a fim 
de obter informações. 
 
 Sua técnica é fazer perguntas e saber 
como prepará-las e formulá-las; 
 
 
 Na dúvida, pergunte primeiro para 
você. 
 
 
 Entrevista também é conhecida como 
reportagem provocada porque difere da 
entrevista do médico com o paciente, do padre 
com o seu fiel, etc. O princípio é o mesmo: o 
diálogo ou perguntas e respostas; 
 
 A diferença é que, no jornalismo, a entrevista 
obedece a uma técnica, que resulta em notícia 
para o consumo de massa. 
ORIGENS DA ENTREVISTA COMO 
GÊNERO JORNALÍSTICO 
 
 Remontariam a 1836, em Nova; 
 
 O gênero de informações agradou o público e 
começou a disputa pelos exemplares do New 
York Sun; 
 
 Crítica de outros jornais. 
Conceitos 
 “A entrevista é o procedimento clássico de apuração de 
informações em jornalismo. É a expansão das consultas 
às fontes, objetivando, geralmente a coleta de 
interpretações e a reconstituição de fatos” (LAGE, 
2012). 
 
 “A entrevista é um gênero jornalístico que requer 
técnica e capacidade profissional (INTELECTUAL), pois 
se não for bem conduzida redundará em fracasso” 
(ERBOLATO, 2002). 
 
 Qual é o foco da sua entrevista? 
O jornalista não deve se limitar ao que 
vê, precisa, sobretudo, colher 
informações. 
 
 
De que forma? 
 
 
Ouvindo pessoas importantes 
e pessoas anônimas 
 
Porque todas elas tem 
informações valiosas a oferecer 
 
 Nem sempre o nome dos 
entrevistados é divulgado na 
reportagem, e, sim, as informações 
repassadas por eles. 
 
 Como essas informações aparecem 
no texto, se o nome da fonte pode 
não ser divulgado? 
 Segundo populares... 
 Há informações de que... 
 Testemunhas disseram... 
 Informações extraoficiais dão conta de 
que... 
 Uma pessoa que não quer se identificar 
por medo, contou a nossa equipe... 
 
Fontes de informação 
 São mais ou menos confiáveis; 
 Pessoais, institucionais ou documentais; 
 Quais interesses? 
 Como são construídas? 
 
 Fontes & Fontes (Lage, 2012 – p. 49-71). 
Classificação das entrevistas 
1 - Como geradora de matéria jornalística: 
a) Entrevistas de rotina: aquelas que visam fornecer ao 
repórter elementos sobre fatos do dia a dia. 
 
b) Entrevistas caracterizadas: são apresentadas em 
forma de diálogo ou de reprodução textual de palavras 
ou ideias de um ou de vários personagens, nomeados 
no texto. 
 
 
 
fffff 
2 – Entrevistas quanto aos entrevistados: 
 
a) Entrevista individual: Há um entrevistador e um 
entrevistado. Repórter marca com antecedência a 
entrevista para posterior publicação; 
 
b) Entrevista em grupo: ocorre quando várias 
pessoas falam a um ou a vários jornalistas. 
 
Em grupo: subdividida em enquete e de 
pesquisa 
Enquete 
 
 
Usada para assuntos do momento e de interesse 
para a massa; 
 
Um ou mais repórteres entrevistam sobre o 
mesmo assuntos muitas pessoas (da mesma 
categoria social ou não). 
 
 
Ou texto corrido: 
Mulheres das mais variadas idades foram ouvidas 
ontem pela reportagem de O jornal nosso de cada 
dia, nas ruas do centro de Campina, sobre a 
implantação de silicone no corpo. As perguntas 
feitas foram: “ Você é contra ou favor da mulher 
usar silicone no corpo? Por quê?” Eis as repostas 
colhidas: 
 - Sou a favor porque... (Tânia Costa, advogada) 
 - (...) 
De pesquisa 
 
 É aquela em que o jornalista colhe informações 
com especialistas sobre determinado assunto 
para redigir a matéria - de caráter interpretativo - 
e esclarecer o leitor. Pode citar ou não a nome 
deles. O importante é fundamentar a reportagem. 
 
 
3 – Entrevistas quanto aos entrevistadores: 
 
 
a) Pessoal ou exclusiva: Quando o entrevistado fala a 
um só jornal. Pode fornecer entrevista escrita, ou falar 
para rádio, TV; 
 
b) Coletiva: Várias personalidades ou apenas uma falam 
a diversos jornalistas na mesma ocasião. 
4 - Entrevistas quanto ao conteúdo: 
a) Informativas: entrevistas que buscam relato de um 
fato por meio de uma conversa com alguém divulgando 
ou não o seu nome. 
 
b) Opinativas: entrevistas com especialistas, ou seja, 
pessoas que têm autoridade para falar sobre 
determinado assunto; 
 
c) Entrevistas de personalidade: Mostra-se os hábitos 
de uma pessoa, suas ambições... Ouve-se ainda pessoas 
ligadas a ela. 
Tipos de entrevistas 
(LAGE, 2012) 
Do ponto de vista dos objetivos: 
 Ritual; 
 Temática; 
 Testemunhal; 
 Em profundidade. 
 
Quanto às circunstâncias de realização: 
- Ocasional; 
- Confronto; 
- Coletiva; 
- Dialogal 
 
 
 
 
Requisitos importantes para a entrevista: 
 Autenticidade; 
 Interesse; 
 Tempo certo, evitar duração excessiva. 
 
 
 
 
Como desmontar 
um entrevistado arrogante? 
 
Como o jornalista deve 
preparar-se para a entrevista? 
O repórter deve: 
 
 Ler a respeito do assunto e do 
entrevistado; 
 Conversar com o editor ou chefe, saber o 
direcionamento que a empresa quer dar; 
 Pode ou não solicitar aos chefes 
sugestões de perguntas; 
 Obter a confiança do seu entrevistados; 
 Quebrar o gelo descontraindo o 
entrevistado; 
 Ouvir com atenção. 
Humorista e jornalista 
 Jô Soares 
 Marília Gabriela 
 Pingue-Pongue com Bonfá 
YouTube 19 de maio de 2017 
 
 https://www.youtube.com/watch?v=tRD_
7xmBRa8 
 
 
 
 
Atividade extraclasse com entrega para a aula seguinte: 
 
 Separar reportagem publicada em jornal on-line e 
listar as prováveis perguntas que o repórter fez para 
conseguir as informações publicadas. Deve-se anexar 
ao trabalho a reportagem e as perguntas. Usar fonte 
tamanho 12, tipo Arial ou Times News Roman. 
 
 Fichamento do texto: Entrevistador & Entrevistado 
(Lage, 2012), p. 78-88 (Entrevistas em presença e 
mediadas / Apresentação da entrevista). Usar fonte 
tamanho 12, tipo Arial ou Times News Roman. 
 
 
REFERÊNCIAS 
 ERBOLATO, Mário L. Técnicas de codificação em 
jornalismo. São Paulo: Ática, 2002. 
 
 LAGE, Nilson. A Reportagem: teoria e técnica de 
entrevista e pesquisa jornalística. Rio de Janeiro: 
Record, 2012.