A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
CASOS CONCRETOS RESOLVIDOS 2

Pré-visualização | Página 4 de 7

sobre bem de terceiro, do qual o impugnante somente detém a posse. Além disso, o impugnado trouxe a juízo cálculos que não se coadunam com o estabelecido no título executivo judicial.
Inconformado com a realização da penhora, o impugnante busca o socorro do judiciário apresentando, tempestivamente, a presente impugnação.
II – DO DIREITO.
O legislador infraconstitucional apresenta-nos os títulos executivos judiciais no artigo 515 da norma processual vigente estando, dentre eles, a sentença estrangeira homologada pelo Superior Tribunal de Justiça, dispondo, inclusive sobre o seu cumprimento. Logo, a execução em curso tem como fundamento título executivo judicial.
O legislador constituinte, por sua vez, conferiu competência à Justiça Federal para processar e julgar os feitos em que se execute sentença estrangeira homologada, tal como expõe o artigo 109, X, da CF/88. Assim, toda ação executória proposta com esse fim deverá tramitar perante o juízo federal.
A norma legal autoriza ao executado apresentar defesa ao cumprimento de sentença através da oposição de impugnação relativa à falta ou nulidade da citação se, na fase de conhecimento, o processo correu à revelia; ilegitimidade de parte; inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação; penhora incorreta ou avaliação errônea; excesso de execução ou cumulação indevida de execuções; incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução; qualquer causa modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à sentença, tal como emana o artigo 525, § 1º do CPC/2015. O referido artigo aplica-se ao caso em apreço uma vez que, conforme narrado, presente a incompetência do juiízo, a penhora realizada se deu sobre bem de terceiro, bem como, o impugnado trouxe cálculos que não se coadunam com o estabelecido no título executivo judicial. 
Ressalte-se que, no presente caso, incabível a propositura de embargos à execução que se destina à impugnação de título executivo extrajudicial.
II.I – DA INCOMPETÊNCIA ABSOLUTA DO JUÍZO DA EXECUÇÃO.
Afirmamos, de início, a incompetência da Justiça Estadual para conduzir o presente feito. Isso porque, tal como narrado, o título executivo que fundamenta a presente executória é uma sentença condenatória estrangeira, devidamente homologada perante o Superior Tribunal. A Magna Carta atribui competência aos Juízes Federais para processamento e julgamento de feitos em que se execute sentença estrangeira homologada, tal como expõe o artigo 109, X, da CF/88. Portanto, a propositura da ação perante a justiça estadual constitui incompetência absoluta do juízo. O exequente só poderia realizar esta execução diante do juízo federal, não sendo a esta a via judicial correta. 
Diante disso, deve ser prolatada a incompetência absoluta do juízo para prosseguimento do feito.
II.II – DO EXCESSO DE EXECUÇÃO.
Por conseguinte, alegamos que a execução vem sendo realizada em valor diverso daquele constante no título executivo. Para fins de cumprimento do artigo 524 do NCPC, o exequente, ora impugnado, instruiu a presente com planilha que apresenta valores muito superiores ao valor devido. Todavia, o demonstrativo exibido traz o seguinte valor do crédito R$_____, quando o valor correto constante no título executivo é de R$______.
Como prova de tal alegação, instruímos a presente impugnação com planilha discriminando o valor atualizado do crédito (fls....), tal como exige o artigo 525, § 4º, do NCPC.
Assim sendo, a presente execução deve ser processada conforme os valores apresentados no demonstrativo anexo.
II.III – DA NULIDADE DA PENHORA.
Pontuamos, ainda, nulidade em relação a penhora já realizada no presente feito, que resultou na constrição de veículo automotor (dados do veículo), acreditando-se que esse seria de propriedade do executado. Entretanto, em breve análise do certificado de registro automóvel conclui-se que o bem sobre o qual recaiu a penhora não é de sua propriedade. Conforme infere-se do certificado de registro, o bem é de propriedade da empresa …, onde labora o impugnante e este detém, apenas, a posse do bem móvel para o pleno exercício da profissão. 
Isto posto, temos aqui a realização de penhora indevida, já que recaiu sobre bem de terceiro, devendo ser prontamente levantada, com fulcro no artigo 525, § 1º, IV, do NCPC.
III – DO EFEITO SUSPENSIVO.
Verificamos na presente demanda ser necessária a imediata suspensão da penhora deferida, diante do relevante fundamento que esta recai sobre bem pertencente a terceiro, do qual o impugnante só detém a posse, e o prosseguimento da execução certamente causará ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação, nos termos do artigo 525, § 6º, do NCPC.
IV – DOS PEDIDOS.
Diante do exposto, requer:
a) seja atribuído efeito suspensivo a presente impugnação;
b) seja acolhida a preliminar de incompetência absoluta do juízo, determinando-se a remessa dos autos ao juízo competente;
c) seja reconhecida a incorreção da penhora e determinado o levantamento do ato de constrição que recaiu sobre bem de terceiro;
d) seja reconhecido o excesso de execução para fazer constar que o valor correto é o valor R$ ____;
e) seja condenado o impugnado ao pagamento de custas processuais e honorários de sucumbência.
V – DAS PROVAS.
Requer a produção de todas as provas em direito admitidas, na amplitude dos artigos 369 e seguintes do Código de Processo Civil em vigor, em especial a prova documental.
VI – DO VALOR DA CAUSA.
Dá-se à causa o valor de R$ 1.000,00 (mil reais).
Termos em que pede deferimento.
Local e data.
SÉRGIO ROSE OAB/RJ Nº 1.000.
AULA 7
EXELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA __ VARA CÍVEL DA COMARCA DE SÃO LOURENÇO MG
LOJÃO CHALÉ LTDA EPP OSÉAS, pessoa jurídica de direito privado, com CNPJ ...com sede á rua, telefone, email,representado por seu administrador FABRÍCIO MURTA, vem por seu advogado, cujo endereço para fins do artigo, 77, V DO CPC é na..., com fundamento no artigo 700 do CPC, ajuizar
AÇÃO MONITÓRIA
Em face de PESSANHA nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, residente rua x, nº x, bairro, CEP, Email: x Expondo e requerendo o que segue.
FATOS
O RÉU, NO DIA 31/10/2012 adquiriu da empresa autora eletrodomésticos no valor de R$100.000,00 (cem mil reais) tendo sido emitida na mesma data uma nota promissória em caráter pro solvendo neste valor com vencimento para o dia 25/01/2013 no lugar do pagamento.
Após inúmeras tentativas de cobrança amigável sem êxito, pretende o autor, efetuar cobrança judicial do valor atualizado e com concentrados legais de R$ 280.000,00.
FUNDAMENTOS
Conforme exposto o CC. artigo 206 paragrafo 3º VIII prescreve em 3 anos a pretensão de haver o pagamento de título de crédito, nesta situação já que o título está prescrito para promover a execução e que se fundamenta a ajuização de ação monitória com fundamento no artigo 700, I do CPP. Ação monitória em face daquele que afirmar de forma escrita pagamento de quantia em dinheiro. Conforme SUMULA 204 STJ. Onde Diz que o prazo para tal e de até 5 anos.
DO PEDIDO
Em face de todo exposto requer:
Que seja determinado a expedição do mandato monitório determinando que o Réu pague a quantia devida no prazo máximo de 15 dias ou ofereça embargos, sob pena de se converter em título executivo judicial;
Que seja condenado ao réu ao pagamento de ônus de sucumbência;
PROVAS
Requer todas os meios as provas em direito admitidas, bem como os moralmente legítimos, em especial prova documental, testemunhal na amplitude do artigo 369 do CPC
VALOR DA CAUSA
Dar-se a causa o valor de : 280.000,00
Termos em que pede deferimento.
Local, Data
Advogado OAB
AULA 8
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 4ª VARA CÍVEL DE ITAPERUNA – RJ.
Processo nº: 6002/2011
José Afonso ........... (nome completo), …..…….....……….......... (nacionalidade), solteiro ................ (estado civil), engenheiro ....................

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.