PSIQUIATRIA – P2
10 pág.

PSIQUIATRIA – P2


DisciplinaPsiquiatria I2.322 materiais13.005 seguidores
Pré-visualização3 páginas
delírios de grandeza, pouco sono, com fala ativa. 
Transtorno bipolar II
Depressão sem a euforia, mas sim com hipomania. Perde a timidez, tornando-se mais sociável. Não pode dar antidepressivo porque pode ficar supermaníaco. 
Transtorno ciclotímico
Alterna fases de animação e tristeza, sem relação com as circunstâncias. Pode se arrepender de atitudes tomadas durante a fase animada. Não precisa de tto, mas pode tratar para melhorar qualidade de vida (\u201cpsicofarmacologia cosmética\u201d). 
Transtornos do humor derivado de condição medica geral / Induzido por substância
Depressão conseqüente à doença crônica e responde ao tto da doença, embora possa permanecer com alguns traços depressivos. Ex. alcoolista crônico. 
Obs: Depressão aguda/antes da vida adulta: tende a ser bipolar
Obs 2: Bupropiona \uf0e0 reduz a virada maníaca
Obs 3: Antidepressivo \uf0e0 1 ano (se retirar antes pode ter recaída)
Obs 4: Padrão sazonal: tende a ser transtorno de humor \u2013 Inverno/outono (depressão); Verão/primavera (euforia)
Gravidade da depressão
Leve: tem, sente, mas consegue dissimular. Sofrimento muito grande e não se cura sozinha. 
Moderada: desempenho prejudicado, queda da memória e da qualidade do sono
Grave: não sai da cama
Ciclagem rápida
4 ou mais fases nos últimos 12 meses. Ocorre mais nos bipolares, com vários episódios de depressão (Unipolar: apresenta uma depressão na vida inteira). A duração das fases é igual e o indivíduo não consegue ter relações estáveis. Na maioria das vezes é iatrogênico, sendo mais difícil de tratar quando foi administrado o antidepressivo. 
Diagnóstico diferencial
Depressão; Tristeza; Reação de adaptação ou ajustamento com sintomas depressivos
Depressão
Evolução fásica (3 meses) e recorrente.
Tríade de Kraepelin:
Humor depressivo / ansioso
Começa a sentir tristeza, sem motivo.
	Tristeza normal
	Tristeza vital
	Motivada
Compreensível
Reativa ao meio
Relação temporal com motivo
Mais cognitiva
	Imotivada (endógena)
Incompreensível
Rígida
Variação circadiana
Mais cinestésica
	Pode desfazer com coisas boas e desejadas. Tem boas lembranças. Com o tempo melhora. 
	Incômodo com coisas que eram aturáveis, não gosta do passado, lembranças apenas ruins. Não melhora com coisas boas. Pior momento é pela manhã, melhora ao entardecer. 
 
Inibição do pensamento
subjetivo (depressão leve): reduz o pensamento, as decisões, a memória
objetivo (depressão grave): fala lenta e lacônica, mutismo
Inibição motora (é a primeira que melhora)
subjetivo (depressão leve): preguiça e desânimo para o que gosta de fazer
objetivo (depressão grave): acinesia, bradicinesia, depressões inibidas, estupor (catatonia \u2013 tto com eletrochoque)
Sintomas somáticos:
dores: cefaléia, lombalgias, difusas
dispepsias: xerostomia, constipação intestinal, anorexia, perda de peso X hiperfagia
libido: redução, inibição, aversão
insônia inicial, intermediária ou final
Depressões atípicas; Depressões mascaradas (sintomas somáticos em 1o plano); Depressões psicóticas (delírios); 
Distimia (disforia crônica)
Humor ansioso + Inquietuda \uf0e0 depressão agitada
Os sintomas de inquietude superam a bradicinesia, com muita movimentação das mãos (no cabelo, unhas, etc). 
Prazer: antecipatório ou consumatório
Transtornos da Personalidade
Personalidade: conjunto de características psicológicas que distinguem um indivíduo do outro. 
Transtornos da personalidade: padrões de personalidade inflexíveis e mal-adaptativos que causam sofrimento e prejuízo ao funcionamento social ou ocupacional. Acomete 10-13% da população (70-85% dos criminosos)
Presentes desde o início da idade adulta
Ocorrem de maneira estável e contínua
Difuso (não apenas como uma resposta a um estímulo particular)
Co-morbidades: alcoolismo (60-70%), dependência química (70-90%)
Classificação:
PARANÓIDE
Suspeita de estar sendo enganado, prejudicado, maltratado pelos outros
Desconfiança, dúvidas em relação à fidelidade conjugal
Interpretação ameaçadora de fatos benignos
Rancores persistentes
Acomete 0,5-2,5%, mais em homens e em minorias. Tto: psicoterapia e antipsicóticos em baixas doses
ESQUIZÓIDE
Estilo de vida isolado, optando por atividades solitárias, sem desejo de relacionamentos afetivos
Indiferentes à criticas ou elogios
Não aparentam ter emoções fortes
Acomete 7,5%, mais em homens, pp familiares de esquizofrênicos. Tto: psicoterapia e antipsicótico em baixas doses
ESQUIZOTÍPICO
Comportamento, afeto, discurso e pensamentos: bizarros
Aparência excêntrica
Pensamento mágico, crenças místicas
Ausência de amigos íntimos, confidentes; não consegue ter relacionamentos
Acomete 3%, mais em homens, pp familiares de esquizofrênicos. Tto: psicoterapia e antipsicótico em baixas doses
ANTISOCIAL (Psicopata)
Incapacidade de adaptação às normas sociais
Violação dos direitos alheios
Atos criminosos
Ausência de remorso
Irritabilidade ou agressividade
Propensão a enganar/ludibriar para obter vantagens pessoais
Irresponsável com a própria segurança e a de terceiros
Grande capacidade de comunicação
Acomete 3% (H) e 1% (M), até 75% da pop. Carcerária. Mais comum em grupos econômicos inferiores. Comum a co-morbidade com dependência química. Tende a melhorar no final da vida adulta (controle maior)
Fatores predisponentes: TDAH, T. De conduta na infância. 
BORDERLINE
Instabilidade nos relacionamentos interpessoais
Acentuada impulsividade
Intenso medo de abandono
Comportamento auto-destrutivo
Perturbação da identidade e da auto-imagem
Sensação constante de tédio e \u201cvazio\u201d 
Automutilação, tendência ao suicídio
Comportamentos imprevisíveis
Acomete 3%, mais em mulheres, pp em familiares com H.Fam de transtorno de humor. Tto: psicoterapia, antipsicóticos e inibidores da recaptação da serotonina.
HISTRIÔNICA
Estilo dramático, emocional, exibicionista
Preocupação excessiva com a aparência
Desconforto em não ser o centro das atenções
Teatralidade, expressão emocional exagerada
Comportamento sedutor
Sugestionável
Acomete 3%, mais em mulheres. Associação com T. de somatização. Tto: psicoterapia
NARCISISTA
Grandiosidade
Auto-estima exagerada
Necessidade de admiração
Falta de empatia
Atitudes arrogantes
Expeoração de relacionamentos interpessoais
Crença em ser \u201cúnico\u201d 
Inveja
Acomete 1%, maior risco em filhos de pais narcisistas. Tto: pscioterapia
ANSIOSO / DRAMÁTICO
Extrema sensibilidade a rejeição
Inibição social
Isolamento social, embora deseje companhia
\u201cComplexo de inferioridade\u201d 
Reticentes em se envolverem em novas atividades
Medo de ser ridicularizado \u2013 ansiedade
Acomete 1-10%. Tto: psicoterapia, beta-bloqueadores, ansiolíticos, inibidores da recaptação da serotonina
DEPENDENTE (sempre com um dominante)
Necessidade de ser cuidado por outro
Submissão
Dificuldade de tomar decisões
Dificuldade de expressar discordância
Atos extremos para obtenção de carinho
Acomete 2,5%, mais em mulheres, pacientes de doenças físicas crônicas. 
ANANCÁSTICA
Perfeccionismo
Inflexibilidade / Rigidez / Teimosia
Constrição emocional
Organização / pontualidade
Perserverança
Indecisão / cautela excessiva
Relutância em delegar tarefas, trabalhar em equipe
Avareza
Acomete 1%, mais em homens. Primogênitos, ambientes caracterizados por rigorosa disciplina. Tto: psicoterapia
Transtornos do humor \u2013 Síndrome Maníaca
Espectro bipolar: formas atenuadas, sem crises maníacas acentuadas ou depressões graves. 
Mania clássica: forma clínica da psicose-maníaco-depressiva. Os estados maníacos de Kraepelin são: 
Exaltação do humor (euforia e/ou irritabilidade)
- euforia: alegria sem motivo
Fuga de idéias
Hiperatividade (realização de várias atividades de maneira melhor ou incapacidade de terminar o iniciado)
Critérios diagnósticos (Kraepelin) para estados maníacos:
Quadro agudo. Sintomas básicos: exaltação do humor, fuga de idéias, hiperatividade
Hipomania \u2013 sintomas básicos (pode levar o indivíduo a uma melhora da vida, com maior produtibilidade)