A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
157 pág.
A implantação da educação ambiental no Brasil

Pré-visualização | Página 1 de 49

A IMPLANTAÇÃO DA 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL 
NO BRASIL 
1.a Edição 
1998 
Presidente da República Federativa do Brasil 
Fernando Henrique Cardoso 
Ministro da Educação e do Desporto 
Paulo Renato Souza 
Secretário-Executivo do MEC 
Luciano Oliva Patrício 
Chefe de Gabinete 
Edson Machado 
Coordenação de Educação Ambiental 
Néli Gonçalves de Melo 
A IMPLANTAÇÃO 
DA EDUCAÇÃO 
AMBIENTAL 
NO BRASIL 
Implantar: [De 'im'1 + 'plantar'2] 1. Introduzir; inaugurar; 
estabelecer: Os colonizadores sempre tentaram implantar seus costumes 
nas terras conquistadas. 2. Inserir (uma coisa) em outra; 
plantar, arraigar, fixar: A árvore implanta suas raízes na terra. 3. 
Hastear, desfraldar, içar: implantar uma bandeira; 4. Med. Fazer implante 
(2 e 3) de. 5. Plantar-se, arraigar-se, 6. Fixar-se, 
estabelecer-se. 
Texto de Silvia 
Czapski 
Revisão de Texto 
Evaldo Macedo de Oliveira 
Dolorice Pozzetti de Barros 
Capa 
Emanuel Alves de Carvalho 
A Implantação da Educação Ambiental no Brasil, Brasília - DF, 
1998. 
166 páginas 
Publicação de responsabilidade da Coordenação de Educação 
Ambiental do Ministério da Educação e do Desporto, Brasília - DF, 1998. 
ÍNDICE 
APRESENTAÇÃO MEC.......................................................................... 9 
INSTRUÇÕES DE USO ........................................................................ ll 
I - CADERNO DE HISTÓRIA 
♦ Os surpreendentes resultados de uma pesquisa nacional........... 17 
(O que o Brasileiro Pensa sobre o Meio Ambiente, Desenvolvimento e 
a Sustentabilidade) 
♦ Examinando as raízes ................................................................ 21 
(os primórdios da Educação Ambiental) 
♦ Assim chegamos à Educação Ambiental ................................... 25 
(a crise ambiental e o nascimento da EA, como a entendemos hoje) 
♦ As bases internacionais para a Educação Ambiental................ 30 
(definições de Tbilisi e o Programa Internacional de EA) 
♦ Descobertas do Brasil ................................................................. 35 
(das primeiras iniciativas nos anos 50 até à época da Conferência de Tbilisi) 
♦ Novas leis, para o ambiente e a educação................................... 40 
(leis importantes para a EA no Brasil, e contexto em que surgiram) 
♦ Multiplicam-se as experiências .................................................. 45 
(como foi a EA praticada no Brasil, de Tbilisi à Rio-92) 
♦ O grande encontro ...................................................................... 51 
(a Rio-92, principais resultados e os encontros que a precederam) 
♦ No dia seguinte ........................................................................... 57 
(a criação de novas instâncias após a Rio-92 e da Rede Brasileira de EA) 
♦ Vinte Anos de Tbilisi ................................................................... 63 
(os eventos e um levantamento que marcaram o "Ano 20" de Tbilisi) 
♦ Declaração de Brasília para a Educação Ambiental - 1997.... 67 
(resultante da 1 Conferência Nacional de Meio Ambiente) 
♦ Declaração de Thessaloniki ........................................................ 71 
(assinada na Grécia, em dezembro de 1997) 
// - CADERNO DE ATIVIDADES 
♦ O mundo que queremos ..............................................................79 
(informações que inspiram e podem ser usadas numa ação de EA) 
♦ Todos fazem Educação Ambiental..............................................85 
(os tipos de EA, esferas com que trabalha e algumas dicas iniciais) 
♦ Queremos começar!!!..................................................................90 
(muitas formas de trocar experiências e informações para fazer EA) 
♦ A hora é agora.............................................................................95 
(dicas de como criar e implementar um projeto de EA ) 
♦ O mapa da mina ........................................................................101 
(como viabilizar e como chegar às fontes de financiamento para a EA) 
♦ Mais dicas para o sucesso ..........................................................110 
(muitas formas de avaliar um projeto e os materiais de apoio) 
♦ Um novo paradigma ..................................................................117 
(a Educação Ambiental, como um passo para chegarmos lá) 
III-FICHÁRIO 
♦ PRONEA ...................................................................................127 
♦ Coordenação de EA do MEC ...................................................131 
♦ Grupo de Trabalho de EA do MMA ..........................................133 
♦ Divisão de EA do IBAMA/ NEAs ..............................................135 
♦ CEAs - Centros de Educação Ambiental...................................137 
♦ Parcerias com o MEC ...............................................................139 
♦ Teleconferências de EA .............................................................141 
♦ Capacitação de Multiplicadores - PROPACC...........................143 
♦ PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais ..............................147 
♦ Rede Brasileira de EA ...............................................................151 
♦ Algumas fontes de financiamento .............................................153 
IV-FONTES 
♦ Entrevistados.............................................................................159 
(quem são as pessoas que forneceram informações para o livro) 
♦ Bibliografia ...............................................................................163 
(livros e outros materiais utilizados na elaboração deste livro) 
APRESENTAÇÃO 
Dentre as medidas adotadas pelo governo visando a melhoria da 
qualidade da educação pública no Brasil, destacam-se os PCN - Parâmetros 
Curriculares Nacionais, conjunto de documentos preparados pelo MEC com 
a colaboração de inúmeros especialistas e a cooperação de instituições e 
entidades de estudos e pesquisas educacionais. Os documentos editados e 
distribuídos pelo Ministério e aprovados no Conselho Nacional de Educação 
tornaram-se objeto de seminários, reuniões de professores e dirigentes dos 
sistemas educacionais que trabalham hoje na construção de currículos mais 
adequados às peculiaridades culturais de cada região do país. 
A educação para a cidadania requer que questões sociais sejam 
apresentadas para a reflexão dos alunos e a inclusão desses temas no currículo 
não é uma preocupação inédita e já têm sido discutidas e incorporadas às 
áreas ligadas às ciências sociais e ciências naturais. Os PCN incorporam 
essa tendência e o currículo ganha em flexibilidade e abertura uma vez que 
os temas propostos - Ética, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural Saúde e 
Orientação Sexual - podem ser contextualizados e priorizados de acordo 
com as diferentes realidades locais e regionais. Os critérios para eleição 
desses temas levaram em conta a urgência social, a abrangência nacional, a 
possibilidade de ensino e aprendizagem no ensino fundamental e o 
favorecimento da compreensão da realidade e a participação social. 
Quanto ao tema "meio ambiente", ao lado de outras iniciativas, 
tem sido produzidos vídeos para a TV ESCOLA, materiais didáticos e 
paradidáticos, seminários e conferências, inclusive a série "Educação 
ambiental no AR" pela TV Executiva. Portanto, procurando oferecer mais 
elementos para a introdução da questão ambiental nas disciplinas dos 
currículos do ensino fundamental e médio, o MEC está editando o livro "A 
Implantação da Educação Ambiental no Brasil", que traz um histórico sobre 
o assunto e muitas informações úteis, para quem já "é do ramo" e, 
principalmente, para quem se inicia nos assuntos ligados ao meio ambiente. 
A publicação foi idealizada com o objetivo de oferecer informações 
sobre o processo evolutivo da Educação Ambiental (EA), seu 
aprofundamento