A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Quest, 3   UNIP

Pré-visualização | Página 2 de 4

por parte de todos, uma vez que são impostos de acordos com os símbolos, necessidades e interesses do grupo que impõe.
	
	
	
Pergunta 4
0,4 em 0,4 pontos
	
	
	
	A sociedade atual tem sido confrontada quase que diariamente por notícias que sinalizam para um grande aumento dos casos de violência nas escolas. O quadro é assustador, as escolas têm sido retratadas como verdadeiros campos de guerra e no centro desta “batalha”, muitos professores, coordenadores e até diretores, têm se demonstrado exauridos, frustrados e decepcionados. 
Neste contexto, é ponto fundamental para sociólogos e demais cientistas sociais partir do princípio de que a crescente onda de violência na escola está denunciando:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	d. 
a necessidade de humanização no contexto das relações escolares.
	Respostas:
	a. 
a falta dos pais que não estão mais dando educação aos filhos.
	
	b. 
a situação da atual geração que está perdida.
	
	c. 
a falta de comprometimento de diretores e coordenadores pedagógicos.
	
	d. 
a necessidade de humanização no contexto das relações escolares.
	
	e. 
que os poderes públicos estão dispostos a manter o estado de caos social.
	Feedback da resposta:
	Resposta: d) 
Comentário: Quando se ouve casos de violência na escola, as primeiras explicações que emergem do senso comum são explicações que reduzem a questão a impressões geralmente preconceituosas e que visam unicamente atribuir culpa a alguém. Deste modo, ora a culpa é (a) dos pais que não estão mais dando educação aos filhos; (b) da geração atual que estaria perdida; (c) da falta de comprometimento de profissionais da escola ou (e) do próprio Estado que não estaria intervindo. Estas, todavia, são explicações limitadoras, não só porque estão mais preocupadas em acusar alguém do que em entender e resolver o problema, mas também porque são preconceituosas e equivocadas, mesmo que em termos. Se for analisada a partir dos termos da sociologia de Durkheim, a violência poderia ser interpretada pela perspectiva da anomia, isto é, ausência de regras e valores compartilhados. Nestes termos, quanto mais comuns fossem as regras e valores, menos desentendimentos gerariam. Voltando essa questão para as interpretações pedagógicas contemporâneas, assim como para análise sociológica contemporânea da educação, enxergaremos a escola como um espaço de conflitos entre os interesses dominantes e os dos grupos ali representados, de modo que a violência decorreria do choque entre essa multiplicidade de códigos e valores. Além disso, há fortes resquícios de uma estrutura gestora autoritária que acaba tentando se impor por meio da violência em vez de promover o diálogo, o entendimento e a humanização entre as partes. Deste modo, estamos diante de uma situação complexa a qual não será explicada com base em respostas preconceituosas que desconsideram e desvalorizam as realidades e reais possibilidades das famílias ou que endossem o conflito de gerações e/ou o desrespeito pelo trabalho e dedicação de diversos profissionais envolvidos com o tema educação. Trata-se de, mais do que apontar culpados, admitir que a escola é um espaço de conflitos que precisa, por isso mesmo, estar aberta à promoção do diálogo e do entendimento entre as partes, o que significa dizer que ela precisa ser humanizada, conforme a alternativa (d), que é a correta.
	
	
	
Pergunta 5
0,4 em 0,4 pontos
	
	
	
	Com relação às características e perspectivas atuais da educação no contexto político-social em que estamos vivendo, julgue as seguintes afirmações e indique a correta.
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	d.
As novas tecnologias criam novos espaços do conhecimento, ampliando as possibilidades de educação, tornando-a cada vez menos restrita à escola.
	Respostas:
	a.
Em decorrência da Educação Internacionalizada, tem-se hoje uma grande diversidade nos sistemas de ensino, uma vez que a globalização não alterou a educação dos países.
	
	b.
A aprendizagem a distância, sobretudo a baseada na internet, será uma tendência passageira devido a falta de qualidade do ensino ministrado.
	
	c.
Espaços na sociedade civil que estão entrando em contato com a educação não possibilitam maior democratização da informação nem do conhecimento.
	
	d.
As novas tecnologias criam novos espaços do conhecimento, ampliando as possibilidades de educação, tornando-a cada vez menos restrita à escola.
	
	e.
A sociedade do conhecimento se traduz por hierarquia e não por redes, portanto o conhecimento é burocratizado e não prevê interatividade, conectividade e intercâmbio entre pessoas.
	Feedback da resposta:
	Resposta: d)
Comentário: Estamos vivendo atualmente um contexto político-social marcado, entre outros, pelos efeitos da globalização da econômica, pela lógica neoliberal e pelos rápidos avanços tecnológicos, os quais juntos configuraram uma nova realidade dita pós-moderna. Tal contexto impôs à escola novos desafios e trouxe novas perspectivas, dentre as quais, as que se sobressaem são a ampliação dos espaços educativos e a progressiva democratização do conhecimento, graças à estrutura desburocratizada e flexível de redes. A educação não formal sempre aconteceu independentemente dos muros da escola, mas com o avanço tecnológico e a interligação da sociedade mundial via rede de computadores e outros meios de comunicação, mesmo o saber escolar rompeu os limites da educação formal e passou a habitar outros espaços, ampliando consideravelmente os horizontes educacionais. Essa ponderação só está presente na alternativa “d”, as demais expressam visões equivocadas quanto às características e perspectivas atuais da educação, negando que a globalização tenha gerado mudanças na educação dos países (a), dizendo erroneamente que a Educação a Distância é uma tendência passageira (b), que a ampliação dos espaços educativos não tem significado na democratização do conhecimento e negando que a grande característica da atual sociedade do conhecimento se expressa pela interatividade e pelo estabelecimento de redes (e).
	
	
	
Pergunta 6
0,4 em 0,4 pontos
	
	
	
	Descentrando o [..........................]: as identidades modernas estão sendo fragmentadas. O que aconteceu à concepção do [..........................] moderno, na modernidade tardia, não foi simplesmente sua desagregação, mas seu deslocamento. Há cinco grandes avanços na teoria social e nas ciências humanas ocorridos na modernidade tardia (a segunda metade do século XX) cujo maior efeito foi o descentramento final do [..........................] cartesiano.
Primeiro descentramento – Pensamento marxista: redescoberto e reinterpretado na década de sessenta. Foi à luz da sua afirmação de que os "homens fazem a história, mas apenas sob as condições que lhes são dadas".
Segundo descentramento – Descoberta do inconsciente por Freud: funciona de acordo com uma "lógica" muito diferente daquela da Razão.
Terceiro descentramento – Saussure: não somos, em nenhum sentido, os "autores" das afirmações que fazemos ou dos significados que expressamos na língua.
Quarto descentramento – Foucault produziu uma espécie de "genealogia do [..........................] moderno".
Quinto descentramento – Feminismo: tanto como uma crítica teórica quanto como um movimento social, enquadra-se nos "novos movimentos sociais" que emergiram durante os anos sessenta.
 
Assinale a única palavra que completa todas as lacunas.
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	d. 
Sujeito.
	Respostas:
	a. 
Aluno.
	
	b. 
Método.
	
	c. 
Pensamento.
	
	d. 
Sujeito.
	
	e. 
Corpo.
	Feedback da resposta:
	Resposta: d)
Comentário: Os excertos acima fazem alusão ao pensamento de Stuart Hall, o qual defende que a pós-modernidade produziu um descentramento do sujeito moderno e que isso gerou um novo tipo de sujeito, o sujeito pós-moderno, cuja identidade se caracteriza por ser fragmentada. A questão do sujeito e de sua identidade é central