UNIVERSO - TGE - ATIVIDADE DE FIXAÇÃO-REVISÃO - UNIDADE - I (1)
6 pág.

UNIVERSO - TGE - ATIVIDADE DE FIXAÇÃO-REVISÃO - UNIDADE - I (1)


DisciplinaTeoria Geral do Estado3.343 materiais50.659 seguidores
Pré-visualização3 páginas
\ufffd
\ufffd
 UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA - UNIVERSO
CURSO: DIREITO - DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO ESTADO
PROF.	: CHARLES BARBOSA
UNIDADE I - ATIVIDADE DE FIXAÇÃO E REVISÃO 
De acordo com os estudos acerca da matéria, examine as assertivas abaixo e aponte, quando pertinente, as incoerências, fundamentando sua resposta no pensamento doutrinário examinado:
O confronto entre a atitude espiritualista, de raízes cristãs e a secularização foi de extrema importância para os delineamentos entre filosofia e ciência.
Verdadeiro, foi de extrema importância, no entanto, a separação conceitual só se faz considerar na idade moderna. Torna-se consciente na medida que aumenta as discussões entre as posições Com a revolução francesa o termo secularização passa a se referir à expropriação das propriedades eclesiásticas pelo governo revolucionário. Aqui o termo possui uma conotação negativa de ilegitimidade do ato, já que as terras e metafísica e naturalista.
De um lado, a atitude escolástica, espiritualista, de raízes cristãs, aristotélicas e platônicas;
De outro, o começo da atitude do pensamento filosófico, chegando ao amadurecimento com a filosofia Kantista.
Com inspiração em Kant pode-se definir ciência como \u201ctoda série de conhecimentos sistematizados ou coordenados mediante princípios\u201d.
Sim, segundo Paulo Bonavides, tudo que possa ser objeto de certeza apodítica (convincente), é ciência para Kant.
Segundo Kant, ciência é toda série de conhecimentos sistematizados ou coordenados mediante princípios.
Depois de Kant, torna-se cada vez mais preciso o conceito de ciência.
Para Dilthey, no vasto círculo das coisas o homem não se faz compreensível ao seu semelhante e, por isso, as colisões de pensamentos.
Verdadeiro, para Dilthey, o princípio fundamental das ciências do espírito não se confunde com o princípio que rege as ciências da natureza. O que importa, no tocante a matéria social e histórica, é captar o sentido.
Nas ciências do espírito, não operam forças emocionais, antes vive a alma que impede a captação do sentido.
Verdadeiro, segundo Dilthey, há compreensão na realidade histórico-social, no seu objeto a alma vive, as forças emocionais operam. O propósito de Dilthey é demonstrar que se pode seguir este ou aquele caminho e empreender em bases empíricas a análise dos fatos da consciência.
A preponderância do método naturalista no pensamento científico se colocou como obstáculo ao reconhecimento da autonomia, métodos e fundamentos das ciências do espírito.
Sim, pois o método naturalista, com o argumento para o naturalismo científico, consiste em alegar que só devemos acreditar naquilo que é demonstrável, explicável ou provável cientificamente. 
O Estado, pela origem e pela essência, não passa daquela \u2018instituição social\u2019, que um grupo vitorioso impôs a um grupo vencido, com o único fim de organizar o domínio do primeiro sobre o segundo e resguardar-se contra rebeliões intestinas e agressões estrangeiras.
Não. O Estado é uma entidade com poder soberano para governar um povo, com área territorial delimitada, desempenhando funções políticas, sociais e econômicas, visando o bem comum.
No circuito das relações da sociedade, Tönnies denominou por vontade arbitrária aquilo que é produto da sociabilidade mercantil, orientada em grande medida pelo cálculo e pelo contrato. Indivíduos auto-conscientes de seus interesses entrariam em relação uns com os outros instrumentalizando meios que lhe estivessem ao alcance, considerando pura, fria e simplesmente regras estabelecidas no plano contratual. 
Segundo Tönnies, a sociedade é o grupo derivado de um acordo de vontades, de membros que buscam, mediante o vínculo associativo, um interesse comum impossível de obter-se pelos esforços isolados dos indivíduos, um conceito mecanicista de sociedade.
Todas as relações sociais são criações da vontade humana. Existem dois tipos de vontade: a vontade essencial que é a tendência básica, instintiva, espontânea, orgânica, que impulsiona a atividade humana a partir detrás, e a vontade arbitrária que é a forma de volição deliberada, reflexiva e finalista, capaz de determinar a atividade humana em relação ao futuro. A vontade essencial domina a vida dos camponeses, dos artesãos, das pessoas comuns, enquanto a vontade arbitrária caracteriza as atividades dos homens de negócio, dos cientistas, das pessoas investidas de autoridade e dos indivíduos das classes superiores. As mulheres e os jovens tendem a exercitar a vontade essencial; os homens e, curiosamente, as pessoas mais velhas, a vontade arbitrária.
O Estado é uma forma de comunidade nos moldes do pensamento de Tönnies, em cujo âmbito o poder é exercido por meio de instituições.
Para Tonnies, o Estado é uma forma de sociedade e não comunidade, as relações de sociedade são típicas de grupos que vivem vida urbana desenvolvida, organizam-se em Estados e possuem uma complexa divisão do trabalho.
A comunidade é caracterizada predominantemente pela vontade natural, com ações oriundas das vontades e suas forças, tanto para conservação como para destruição.
A sociedade contempla um conjunto de condutas mais amplo e complexo do que aquele que pode ser produzido pelo ser humano.
Segundo Aristóteles, a natureza fez do homem o \u201cser político\u201d, que não pode viver fora da sociedade. São várias sociedades dentro de uma sociedade, onde o que define as ramificações é o interesse de cada grupo, de acordo com a dinâmica do tempo.
A Sociedade e o Estado são estruturas sociais idênticas, uma vez que decorrem da vontade do povo.
O conceito de sociedade e Estado, na linguagem de filósofos e estadistas, tem sido empregados ora indistintamente, ora em contraste.
A sociedade é formada por grupos fragmentados e o Estado como ordem política, regulando as ações da sociedade, sendo assim estruturas sociais diferentes.
A origem da sociedade repousaria na consciência da dependência mútua determinada pelas condições de vida comum.
Sim, há no ser humano uma vontade ou necessidade de viver em grupo, por desejo, por necessidade, por segurança e afinidades. Formando assim sociedades, grupos organizados com interesses determinados, impossíveis com esforços isolados. Assim passamos a entender que o Homem é um ser racional e político, que se une para a vida em grupos, porém de forma organizada. Essa necessidade de convivência harmoniosa e organizada vem da característica do homem possuir consciência e sentimentos e não somente instinto.
A Comunidade, onde impera a solidariedade mecânica, é matéria e substância. Já a sociedade, onde predomina a solidariedade orgânica, é forma e ordem. 
Segundo Bobbio, na comunidade, a vontade se torna essencial, substancial, orgânica; na sociedade é arbitrária;
A comunidade é matéria e substância orgânica, A sociedade é forma e ordem, com solidariedade mecânica.
A vontade arbitrária corresponde à vontade geral na ótica de Jean-Jacques Rousseau.
A vontade geral surge quando \u201ccada um de nós coloca a sua pessoa e todo o seu poder em comum sob a direção suprema da vontade geral e, na nossa capacidade coletiva, recebemos cada membro como uma parte indivisível do todo\u201d (O Contrato Social). Este convênio cria uma pessoa pública, um corpo moral e coletivo, o estado ou povo soberano. Cada indivíduo é ao mesmo tempo um cidadão e um súdito: como cidadão partilha a autoridade soberana, como súbdito deve obediência às leis do estado.
Nas comunidades, a vontade seria reconhecida socialmente como unidade subjetiva moralmente autônoma, independente e auto-suficiente, estando para si em um estado permanente de tensão com as demais aquilo que é produto da sociabilidade mercantil.
Não, na comunidade a vontade se torna essencial, substancial, orgânica, sendo matéria e substância, vive em permanente tensão com o Estado, devido ao caráter irracional, primitivo, laços de dependência direta e mútua do individual e do social.
As relações em comunidade seriam primordialmente sustentadas
Costa
Costa fez um comentário
Eu também quero
0 aprovações
Rafael
Rafael fez um comentário
Boa tarde, por acaso vc tem outras atividades e as provas do professor Charles ?
0 aprovações
Junior
Junior fez um comentário
poderia disponibilizar as provas de Charles v1,v2.agradeço desde já .
2 aprovações
Carregar mais