Agravo de instrumento simples
2 pág.

Agravo de instrumento simples


DisciplinaProcesso Civil Ordinário/sumário26 materiais534 seguidores
Pré-visualização1 página
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARAGADO PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ.
MARIA MADALENA EDIGIO, divorciada, Servidora Pública Federal,Cpf n=803.776.376-76, residente da Avenida Governador Jose Malcher n:2265,portadora do e-mail madalena@hot mail.com por sua advogada Karla Michelle Ferreira Barata, em respeitosamente a presença de Vossa Excelência em razão de sua inconformidade com a respeitável decisão interlocutória,que esta de acordo com os termos do art.5º,LXXIV,da Constituição Federal que dispõe o estado que prestará a assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiências de recursos,conclui-se que no pedido de concessão de gratuidade não se exige o estado de miséria absoluta,porém resta necessária comprovação da impossibilidade de arcar com as custas e despesas do processo sem prejuízo do seu sustento próprio ou de sua família.De acordo com o novo código de processo civil,no art.99§2º,estabelece uma mera presunção relativa de hipossuficiência que queda outros elementos que sirvam para indicar a a capacidade financeira,proferida nos autos deste processo que tramita na 1º Vara Civil da comarca de Belém, que promove em face da Defensoria Pública de Belém localizada na Avenida Visconde de Souza Franco, n=3387,interpor o recurso de AGRAVO DE INSTRUMENTO,com o fundamento do art,1.015,VIII,do NCPC,o que faz nos termos da razoes adiantes articuladas.
Ocorrido o respectivo fato gerador, de assistência jurídica gratuita,a agravante MARIA MADALENA EDIGIO, mesmo sendo Funcionária Pública Federal, encontra-se divorciada e com filhos, tendo que suprir o sustento de sua família, tendo que pagar escola, alimentação, moradia, condomínio que são necessariamente necessidades básicas, não lhe restando recursos para arcar com qualquer custa judicial.
A Respeitável decisão interlocutória agravada merece ser reformada, visto que proferida em franco confronto com os interesses da Agravada, já que o mantém em situação de insuficiência de recursos, vindo a faltar-lhe para o seu próprio sustento e principalmente dos seus dependentes.
Sendo os autos eletrônicos, deixa de anexar as peças obrigatórias elencadas no art.1.01,I e II do NCPC conforme previsão do §5º do art. 1.017 do NCPC.pela mesma razão deixa de recolher o porte do retorno dos autos (art.1.007,§3º do NCPC).
Para os fins do art.1.016,IV,do NCPC a agravante informa que é patrocinada pela advogada que assina digitalmente este recurso, isto é,D.r Karla Michelle Ferreira Barata, que tem escritório na Avenida Nazaré n=3345.
Requer, que seja o presente recurso conhecido para a análise de seu mérito ser provido.
Nestes termos,
Pede deferimento.
Belém,20 de março de 2018. 
Karla Michelle Ferreira Barata
OAB: 00017645383