Livro - Gestão Tributária
17 pág.

Livro - Gestão Tributária


DisciplinaGestão Tributária319 materiais1.118 seguidores
Pré-visualização17 páginas
ut
ár

io

83

suspendem a exigibilidade do crédito tributário até a
sua decisão.
Liminar em mandado de segurança (CTN, art. 151, \u25aa
IV) \u2013 O mandado de segurança é o remédio consti-
tucional para os casos em que há direito líquido e
certo; a medida liminar é toda medida que antecipa
os direitos até a decisão final do mandado de segu-
rança. Assim, se a liminar é concedida, suspende-se
o crédito, e se ela se torna definitiva, extingue-se o

crédito.
Concessão de liminar ou de tutela antecipada (CTN, \u25aa
art. 151, V) \u2013 independe de depósito; se concedida, sus-
pende o crédito, mas se negada, o contribuinte efetua o
depósito para suspender a exigibilidade do crédito.
Parcelamento (CTN, art. 151, VI) \u2013 é o parcelamento do \u25aa
débito perante o Fisco.

(5.7)

privilégios do crédito tributário

São os meios de que o Estado dispõe para assegurar o rece-
bimento do tributo (CTN, arts. 183 a 193).

Além das garantias que possuem todos os créditos, o
crédito tributário incide sobre os bens gravados, ou cláu-
sulas de inalienabilidade ou impenhorabilidade, seja qual
for a data da constituição do ônus ou da cláusula, exceto
quanto aos bens e rendas que a lei declare absolutamente
impenhoráveis.

Os créditos tributários têm preferência sobre quais-
quer outros que possua a massa falida; os únicos créditos

G
es

tã
o

tr
ib

ut
ár

ia

84

que antecedem aos tributários na preferência são os traba-
lhistas, de caráter alimentar (CTN, art. 186). Para se embar-
gar o crédito, deve-se, antes, garantir o juízo com a reserva
de bens suficientes.

atividades

O crédito tributário é constituído:1.
pelo surgimento da obrigação tributária principal.a.
pelo lançamento.b.
pela ocorrência do fato gerador.c.
pela anistiad.

A anistia, a conversão de depósito em renda e as recla-2.
mações que observem os termos das leis regulado-
ras do processo tributário administrativo acarretam,
respectivamente:

exclusão, suspensão e extinção do crédito tributário.a.
extinção, suspensão e exclusão do crédito tributário.b.
suspensão, exclusão e extinção do crédito tributário.c.
exclusão, extinção e suspensão do crédito tributário.d.

A imunidade e a isenção resultam no não-pagamento de 3.
tributo, porque:

ambas limitam a competência tributária.a.
ambas excluem o crédito tributário.b.
a imunidade limita a competência tributária e a isenção c.
exclui o crédito tributário.
ambas extinguem o crédito tributário.d.

C
ré

di
to

 tr
ib

ut
ár

io

85

Considere as afirmações:4.

Propiciar o direito de ação da Fazenda Pública.I.
Formalizar o crédito tributário.II.
Representar e medir as proporções do fato jurídico III.
tributário.

 Essas três assertivas referem-se, respectivamente:
ao fato gerador da obrigação, à base de cálculo e à a.
alíquota.
à base de cálculo, ao ato de lançamento e à alíquota.b.
ao lançamento, à base de cálculo e à alíquota.c.
ao ato administrativo da inscrição em dívida ativa, ao d.
lançamento e à base de cálculo.

( 6 )

obrigação tributária

( )

estudaremos neste capítulo a obrigação tributária.
As obrigações jurídicas representam vínculos legais que
são estabelecidas entre o Estado e o contribuinte toda vez
que este realiza um ato juridicamente previsto. A obriga-
ção tributária é, portanto, o liame que se forma toda vez
que o contribuinte realiza uma ação prevista em lei e que
lhe impõe a prática de um ato ou abstenção.

G
es

tã
o

tr
ib

ut
ár

ia

90

(6.1)

obrigação principal

A obrigação principal dos tributos está relacionada ao
pagamento dos mesmos. Segundo o CTN:

Art. 113. A obrigação tributária é principal ou acessória.

§ 1º A obrigação principal surge com a ocorrência do fato

gerador, tem por objeto o pagamento de tributo ou penali-

dade pecuniária e extingue-se juntamente com o crédito dela

decorrente.

[...]

(6.2)

obrigação acessória

É toda obrigação positiva ou negativa relacionada ao inte-
resse da administração e fiscalização tributária. Segundo

o CTN:

Art. 113. A obrigação tributária é principal ou acessória.

[...]
§ 2º A obrigação acessória decorrente da legislação tributária

e tem por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela

previstas no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos

tributos.

§ 3º A obrigação acessória, pelo simples fato da sua inobser-

vância, converte-se em obrigação principal relativamente à

penalidade pecuniária.

O
br

ig
aç

ão
 tr

ib
ut

ár
ia

91

(6.3)

decadência

A decadência é a perda do direito de se exigir qualquer
obrigação tributária. Como diz o CTN:

Art. 173. O direito de a Fazenda Pública constituir o crédito

tributário extingue-se após 5 (cinco) anos, contados:

I \u2013 do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o lan-

çamento poderia ter sido efetuado;

II \u2013 da data em que se tornar definitiva a decisão que hou-

ver anulado, por vício formal, o lançamento anteriormente

efetuado.

Parágrafo único. O direito a que se refere este artigo extin-

gue-se definitivamente com o decurso do prazo nele previsto,

contado da data em que tenha sido iniciada a constituição do

crédito tributário pela notificação, ao sujeito passivo, de qual-

quer medida preparatória indispensável ao lançamento.

(6.4)

prescrição

A prescrição relaciona-se à perda do direito de ação, ou
seja, se verificada a prescrição, o ente público não pode exi-
gir determinado tributo, pelo decurso do lapso temporal.
Como diz o CTN:

Art. 174. A ação para a cobrança do crédito tributário pres-

creve em cinco anos, contados da data da sua constituição

definitiva.

G
es

tã
o

tr
ib

ut
ár

ia

92

Parágrafo único. A prescrição se interrompe:

I \u2013 pelo despacho do juiz que ordenar a citação em execução

fiscal;

II \u2013 pelo protesto judicial;

III \u2013 por qualquer ato judicial que constitua em mora o

devedor;

IV \u2013 por qualquer ato inequívoco ainda que extrajudicial, que

importe em reconhecimento do débito pelo devedor.

Segundo a Lei de Execuções Fiscais (Lei n° 6.830/1980),
a qual regula o procedimento das execuções fiscais:

Art. 40. O juiz suspenderá o curso da execução, enquanto

não for localizado o devedor ou encontrados bens sobre os

quais possa recair a penhora, e, nesses casos, não correrá o

prazo de prescrição.

§ 1º Suspenso o curso da execução, será aberta vista dos autos

ao representante judicial da Fazenda Pública.

§ 2º Decorrido o prazo máximo de 1 (um) ano, sem que seja

localizado o devedor ou encontrados bens penhoráveis, o juiz

ordenará o arquivamento dos autos.

§ 3º Encontrados que sejam, a qualquer tempo, o devedor ou

os bens, serão desarquivados os autos para prosseguimento

da execução.

[...]

atividades

A obrigação tributária principal surge com:1.
a publicação da lei do tributo.a.
a ocorrência do fato gerador.b.
a entrada em vigor da lei do tributo.c.
o lançamento.d.

O
br

ig
aç

ão
 tr

ib
ut

ár
ia

93

A prescrição da ação de cobrança do crédito tributário se 2.
interrompe:

pela ocorrência do fato gerador.a.
pelo lançamento.b.
por qualquer ato que constitua o devedor em mora.c.
pelo despacho do juiz que determinar a citação do d.
devedor.

( 7 )

tributos em espécie

( )

estudaremos, neste capítulo, os tributos em espé-
cie. Sabemos que o tributo é uma prestação pecuniária
compulsória, pois é instituída em lei e decorre da prática
de um ato pelo contribuinte, podendo ou não ter uma con-
trapartida por parte do Estado (como, por exemplo, as
taxas, que são recolhidas em função de um serviço público
realizado pelo ente estatal). Assim, estudaremos os tribu-
tos em espécie.

G
es

tã
o

tr
ib

ut
ár

ia

98