Prática Trabalhista 2ª fase OAB
154 pág.

Prática Trabalhista 2ª fase OAB


DisciplinaDireito do Trabalho I27.386 materiais481.932 seguidores
Pré-visualização38 páginas
para o cargo de 
encarregado de recebimento de mercadorias, com a mesma remuneração. Na nova 
função, Fábio passou a supervisionar a carga e descarga de caminhões dos 
fornecedores da empresa Zeta. Na época, Fábio gostou da mudança, a qual lhe deu 
a oportunidade de aprender novas rotinas. É importante ressaltar que o cargo de 
supervisor de contas possui plano de carreira, para o qual o empregado sobe um 
nível a cada cinco anos de tempo de serviço na função, com acréscimo de 50% do 
valor total da remuneração do cargo anterior, enquanto o cargo de encarregado de 
recebimento de mercadorias não possui plano de carreira. Em janeiro de 2011, 
Fábio foi demitido sem justa causa, recebendo todos os seus direitos trabalhistas 
com base na remuneração de encarregado de recebimento de mercadorias, tendo 
sido o termo de rescisão devidamente homologado no respectivo sindicato da 
111
2ª Fase Exame de Ordem 2011.2
Área Trabalhista
Prof. Gustavo Cisneiros
categoria. Considerando a situação hipotética apresentada, elabore, na condição de 
advogado de Fábio, a peça processual cabível, pleiteando o que julgar de direito.
PEÇA 02 
Alberto foi contratado por uma empresa de prestação de serviços de informática, na 
função de técnico, para trabalhar em favor de um grande banco privado. Depois de 
dois anos, ao verificar que seu salário não recebera o mesmo reajuste concedido a 
um colega admitido na mesma data, procurou um advogado para dar início a ação 
na justiça do trabalho com o objetivo de cobrar as diferenças salariais resultantes da 
aplicação do índice de reajuste concedido ao colega, além de seus reflexos. Antes 
mesmo de ingressar em juízo, a intenção de Alberto chegou ao conhecimento do 
empregador, que o convocou para uma reunião, realizada na presença de outros 
empregados. Ao ser inquirido acerca de sua intenção de processar a empresa, 
Alberto confirmou seu propósito e alegou que se sentia preterido e injustiçado, já 
que sempre cumprira suas funções com o mesmo ânimo que o colega beneficiado. 
Após o encerramento da reunião, Alberto, firme em sua decisão de ingressar com 
reclamação trabalhista, o que fez logo na semana seguinte, passou a ser alvo de 
desprezo por parte de seus superiores, que começaram a ignorá-lo e reduzir 
substancialmente suas atribuições, a ponto de o deixarem sem qualquer atividade 
durante mais de dois meses. Nesse período, comparecia diariamente ao trabalho, ali 
permanecendo sem executar nenhuma tarefa, o que passou a chamar a atenção de 
todos. Essa situação permaneceu inalterada por mais de um mês, quando Alberto 
não mais suportou e procurou seu advogado para que fossem adotadas as medidas 
legais cabíveis. Em face do relato hipotético acima, redija, na condição de advogado 
de Alberto, a peça correspondente.
PEÇA 03
Sob a alegação de que os empregados estariam subtraindo produtos farmacêuticos 
de uma de suas fábricas, a diretoria da empresa Delta Indústria Farmacêutica Ltda. 
determinou a realização de revista íntima diária em todos os empregados, inclusive 
das mulheres. Maria, empregada na empresa há cinco anos, recusou-se a despir-se 
diante da supervisora do setor, que era, naquele momento, responsável pela revista 
112
2ª Fase Exame de Ordem 2011.2
Área Trabalhista
Prof. Gustavo Cisneiros
íntima das mulheres. Visando a não favorecer movimento generalizado dos 
trabalhadores contra deliberação patronal, a empresa resolveu, como medida 
educativa, demitir Maria por justa causa, argüindo ato de indisciplina e de 
insubordinação. Segundo argumentou a empresa, o procedimento de revista íntima 
encontraria suporte no poder diretivo e fiscalizador da empresa, além de constituir 
medida eficaz contra o desvio de medicamentos para consumo sem o devido 
controle sanitário. Considerando a situação hipotética apresentada, na qualidade de 
advogado constituído por Maria, redija a medida judicial mais apropriada para 
defender os interesses de sua cliente. Fundamente a peça processual com toda 
argumentação que entenda cabível.
PEÇA 04
O diretor da Empresa Nunca S/A ficou estarrecido ao flagrar o empregado Dirceu 
bêbado, durante o horário de trabalho, assediando sexualmente uma colega de 
setor, a qual se encontrava aos prantos. Dirceu é dirigente sindical legitimamente 
eleito, na plenitude do cumprimento de seu mandato. No dia seguinte ao fato, o 
diretor suspendeu Dirceu. Uma semana depois do início da suspensão, o diretor da 
Empresa Nunca S/A contratou os seus serviços profissionais. Na qualidade de 
advogado recém contratado pela referida empresa, elabore a peça processual 
cabível.
PEÇA 05
José, funcionário da empresa LV, admitido em 11/5/2008, ocupava o cargo de 
recepcionista, com salário mensal de R$ 800,00. Em 19/5/2011 José afastou-se do 
trabalho mediante a concessão de benefício previdenciário de auxílio-doença. 
Cessado o benefício em 20/6/2011 e passados dez dias sem que José tivesse 
retornado ao trabalho, a empresa convocou-o por meio de notificação, recebida por 
José mediante aviso de recebimento. José não atendeu à notificação e, completados 
trinta dias de falta, a empresa LV expediu edital de convocação, publicado em jornal 
de grande circulação, mas, ainda assim, José não retornou ao trabalho. Preocupada 
com a rescisão do contrato de trabalho e com o pagamento das parcelas 
decorrentes e para não incorrer em mora, a empresa procurou profissional da 
113
2ª Fase Exame de Ordem 2011.2
Área Trabalhista
Prof. Gustavo Cisneiros
advocacia. Na qualidade de advogado recém contratado pela referida empresa, 
elabore a peça processual cabível na defesa dos interesses do seu cliente.
PEÇA 06
Marcelo Santos, brasileiro, solteiro, portador da CTPS 2.222 e do CPF 001.001.001-
01, residente e domiciliado na rua X, casa 1, Cidade Nova, funcionário da empresa 
Chuva de Prata Ltda. desde 20 de abril de 2003, exercia função de vigia noturno, 
cumprindo jornada de trabalho das 19h às 7h do dia seguinte, e, em razão do 
trabalho noturno, recebia o respectivo adicional. A partir de 20 de agosto de 2008, a 
empresa, unilateralmente, determinou que Marcelo trabalhasse no período diurno, 
deixando de pagar ao funcionário o respectivo adicional. Em setembro de 2010, 
Marcelo foi eleito membro do conselho fiscal do sindicato de sua categoria 
profissional. Em 5 de junho de 2011, a empresa Chuva de Prata Ltda. demitiu 
Marcelo sem justa causa e efetuou o pagamento das verbas rescisórias devidas. 
Marcelo ingressou com uma Reclamação Trabalhista contra a empresa, pleiteando, 
além de sua imediata reintegração, sob o argumento de que gozada da estabilidade 
provisória prevista no Art. 543, p. 3º, CLT e 8º, VIII, da CF, o pagamento do adicional 
noturno que recebera ininterruptamente por 5 anos, bem como a nulidade da 
alteração de sua jornada. Na condição de advogado da empresa Chuva de Prata 
Ltda. redija a peça processual adequada à situação hipotética apresentada, expondo 
os fundamentos legais pertinentes e o entendimento da jurisprudência do TST a 
respeito do fato. 
PEÇA 07
Kelly Amaral, assistida por advogado particular não vinculado ao seu sindicato de 
classe, ajuizou reclamação trabalhista, pelo Rito Ordinário, em face do Banco 
Finanças S/A (RT nº 1234/2010), em 13.06.2011, afirmando que foi admitida em 
04.08.2002, para exercer a função de gerente geral de agência, e que prestava 
serviços diariamente de segunda-feira a sexta-feira, das 09h00min às 20h00min, 
com intervalo para repouso e alimentação
Carregar mais