Licenciatura em Biologia - Pesquisa Prática e Pedagógica - Biologia III
86 pág.

Licenciatura em Biologia - Pesquisa Prática e Pedagógica - Biologia III


DisciplinaPedagogia93.126 materiais591.695 seguidores
Pré-visualização31 páginas
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456
O educador tem, nesse sentido, um papel irrenunciável. Papel que não se deve
confundir com o pessoal e próximo dos pais, ou o terapêutico do psicólogo, mas que deve
ficar no terreno da reflexão crítica que busca o nível da universalização, dos princípios, do
juízo moral e da autonomia.
Muitos acreditam que o que se deve fazer é transmitir habilidades
técnicas para que o indivíduo possa se defender na vida, e a estas
poderíamos acrescentar algumas habilidades sociais que permitam
adquirir boas relações e contactos rentáveis. Esse tipo de habilidades
bastaria para alcançar, em última instância, o bem-estar, o fim mais elevado
que se persegue nas sociedades atuais. Por isso, estabelecer em que
valores se deve educar exige um esforço de responsabilidade, posto
que leva pais e educadores a se perguntarem se não será mais
rentável educar seus filhos e alunos nos valores específicos das
habilidades mencionadas e não em valores morais.
Diz Lipman que:
Todas as teorias éticas têm seu lugar, cada uma deu mais relevância a um aspecto
ou outro do moral. Algumas dão prioridade ao conceito chave de felicidade, outras ao de
dever, etc. Nós, - segundo Adela Cortina em Ética aplicada y democracia radical, cap. 13 -
, ao falarmos de educação moral, lançaremos mão de quatro perspectivas diferentes que
têm algo a dizer a respeito e que convém tê-las em conta:
Assim, caro(a) educando(a) pode \u2013 se concluir que...
\u201cEDUCAÇÃO MORAL\u201d SIGNIFICA, NESTE PRIMEIRO SENTIDO, AJUDAR A MODELAR O
CARÁTER, DE MODO A QUE A PESSOA SE SINTA EM FORMA, AFEIÇOADA A SEUS PROJETOS DE
AUTO-REALIZAÇÃO, CAPAZ DE LEVÁ-LOS A CABO, CONSCIENTE DE QUE PARA ISSO PRECISA
CONTAR COM OUTROS IGUALMENTE ESTIMÁVEIS E ACALENTADOS.
a) moral é capacidade para enfrentar a vida diante da \u201cdesmoralização\u201d (tradição
de Ortega e Aranguren). Entende-se o moral neste nível como a formação do caráter
individual, que leva os indivíduos a adotar perante a vida um elevado estado de ânimo.
ENTÃO, EM QUE VALENTÃO, EM QUE VALENTÃO, EM QUE VALENTÃO, EM QUE VALENTÃO, EM QUE VALORES EDUCAR?ORES EDUCAR?ORES EDUCAR?ORES EDUCAR?ORES EDUCAR?
NÃO DEVEMOS \u201cIGNORAR AS RECOMENDAÇÕES DOS AUTORES
TRADICIONAIS EM ÉTICA QUANDO BUSCAMOS MODOS DE MELHORAR A
EDUCAÇÃO EM VALORES NA ESCOLA\u201d (FILOSOFIA EM EL AULA: 311).
70
Pesquisa e Prática
Pedagógica-III
Nesse nível, tudo o que se faça no terreno da auto-estima é pouco, sem
esquecer que o estímulo da auto-estima é acompanhado pela hetero-estima.
É importante não esquecer que entre um altruísmo mal entendido, que exige
do indivíduo o esquecimento de si mesmo, e um egoísmo exacerbado, que
leva ao desprezo dos demais, encontra-se o saudável meio termo de uma
auto-estima em que o indivíduo se sente de moral elevado.
O sistema educacional deve oferecer aos estudantes razões para \u201cesperar\u201d. E isso
se consegue em parte permitindo que tenham a experiência do em que consiste viver num
contexto de respeito mútuo, de diálogo disciplinado, de indagação cooperativa, livre de
arbitrariedades e manipulações. Não nos esqueçamos de que o moral requer como o
esporte, treinamento, porque o estar em forma não se improvisa;
O problema de fundo que palpita nessa perspectiva é que,
ainda que todos os homens busquem a felicidade, nem todos
a entendem da mesma maneira.
Aqui se estabelece uma distinção entre
felicidade e dever, uma distinção que tem revelado
história diferente para cada um desses conceitos,
porque o dever exige que qualquer um o cumpra; tem
exigência de universalidade, enquanto \u201ca felicidade\u201d
é o modo peculiar de auto-realização de cada pessoa,
que depende de sua constituição natural, de sua biografia
e de seu contexto social, fato pelo qual não nos
atreveríamos a universalizá-la. O que me faz feliz não tem
por que fazer feliz a todos; o dever moral é, pelo contrário,
o que todos deveríamos cumprir.
Por isso, ter em conta na educação moral o desejo
de felicidade dos homens é imprescindível, mas tudo claro que o
educador não tem direito de inculcar como universalizável seu modo de ser feliz. Aqui não
cabe mais do que o convite e o conselho: comunicar as próprias experiências e narrar
experiências alheias e, sobretudo, ensinar a deliberar bem, isto é, trata-se de oferecer as
bases para que cada pessoa desenvolva sua capacidade de eleição entre os diversos
modelos de auto-realização que vá conhecendo e, a partir daí, construa o seu próprio modelo.
A intuição-chave que as éticas da felicidade incorporam à educação moral é que
não se buscam as normas por si mesmas, mas porque elas fazem sentido na busca do bem
dos seres humanos;
b) moral é busca da felicidade, ponderação prudente do que convém a uma
pessoa, não apenas num dado momento de sua biografia, mas no conjunto de sua vida.
(Visão aristotélica, utilitanista da moral. Moral como dimensão dos projetos de vida
boa). Entende-se por moral aquele âmbito humano que nos conduz à felicidade.
c) moral como conjunto de valores próprios de uma comunidade. Hoje o
comunitarismo nos recorda que num tempo a moral consistiu no desenvolvimento de
capacidades em uma comunidade em que os indivíduos constroem sua identidade e
desenvolvem um senso de pertença como um tipo de hábito que se pode chamar
virtudes, e que a perda de dimensão comunitária engendra apenas indivíduos sem
raízes. É hora, pois, acreditem, de reconstruir comunidades em que os homens
aprendam a ser morais.
A TA TA TA TA TAREFAREFAREFAREFAREFA EDUCAA EDUCAA EDUCAA EDUCAA EDUCATIVA CONSTITIVA CONSTITIVA CONSTITIVA CONSTITIVA CONSTITUI ATUI ATUI ATUI ATUI A
PEDRA DPEDRA DPEDRA DPEDRA DPEDRA DE TE TE TE TE TOQUE DOQUE DOQUE DOQUE DOQUE DA ALA ALA ALA ALA ALTURA MORAL DTURA MORAL DTURA MORAL DTURA MORAL DTURA MORAL DEEEEE
UMA SOCIUMA SOCIUMA SOCIUMA SOCIUMA SOCIEDEDEDEDEDADADADADADE.E.E.E.E.
71
No campo da educação moral é mister acolher a voz da comunidade e lembrar que
nós nos socializamos e aprendemos a viver valores no âmbito de uma comunidade, que se
nutre culturalmente no entrelaçamento de tradições e se constitui por meio de costumes,
normas legais e instituições, que compõem seu ethos. A educação exige valorizar a dimensão
comunitária e enraizar as crianças no