Licenciatura em Biologia - Pesquisa Prática e Pedagógica - Biologia III
86 pág.

Licenciatura em Biologia - Pesquisa Prática e Pedagógica - Biologia III


DisciplinaPedagogia73.684 materiais557.178 seguidores
Pré-visualização31 páginas
Como \u2013 quem \u2013 para quem \u2013 quando \u2013 o quê.Como \u2013 quem \u2013 para quem \u2013 quando \u2013 o quê.Como \u2013 quem \u2013 para quem \u2013 quando \u2013 o quê.Como \u2013 quem \u2013 para quem \u2013 quando \u2013 o quê.Como \u2013 quem \u2013 para quem \u2013 quando \u2013 o quê.
RECURSOS
 Todo material (aula prática/livros/atividades) previsto pelo professor que
vai ser usado durante o projeto.
AVALIAÇÃO
 Avaliação do aluno
 Avaliação do projeto
APOIO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
 Bloco de intervenções
 Canteiro (quando necessário)
ASPECTOS DIDÁTICOS DO DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO DE
TRABALHO
23
O papel dos educadores, nesse contexto da pedagogia de projetos, é acompanhar
a elaboração e a implementação dos projetos, procurando verificar, em cada um, quais
competências e habilidades importantes o educando apresenta, ou poderia apresentar,
desenvolvendo ao longo da elaboração, da implementação e da avaliação dos projetos de
aprendizagem em que se envolvem.
\u201cO ser humano é, naturalmente, um ser
da invenção no mundo à razão de que faz a
História. Nela, por isso mesmo, deve deixar suas
marcas de sujeito não pegadas de objeto.\u201d
Paulo Freire, 1997, p.119
Para refletir...
ASSIM, CABE AOS PESQUISADORES/EDUCADORES:
1- A FUNÇÃO DE AJUDAR OS EDUCANDOS A ENCONTRAR AS
INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SEUS
PROJETOS;
2- OS ANTIGOS CONTEÚDOS DISCIPLINARES ENTRAM EM CENA,
À MEDIDA QUE SE MOSTREM ÚTEIS OU RELEVANTES PARA O
DESENVOLVIMENTO DO PROJETO;
3- SEU APRENDIZADO, ASSIM, NÃO SE TORNA ALGO
DESVINCULADO DA REALIDADE, QUE TEM QUE SER FEITO MESMO SEM
SABER O PORQUÊ, MAS PASSA A SER ALGO QUE SERVE A UM
PROPÓSITO CLARO E DEFINIDO.
24
Pesquisa e Prática
Pedagógica-III
PROCESSOS EDUCATIVOS E DESENVOLVIMENTO DE UM
PROJETO
Nesta perspectiva, um dos objetivos de pedagogia de projetos é permitir que a
aprendizagem dos alunos tenha um ponto de ancoragem firme nos interesses e nas
necessidades dos alunos, ou seja, na vida dele.
As etapas de elaboração e aplicação de projeto podem ser concebidas a partir da
proposta metodológica da problematização, segundo Berbel (1998, p.133).
Portanto, ao trabalhar com a metodologia da problematização, estamos de modo
consciente, desenvolvendo no educando o senso crítico de autonomia, responsabilidade e
principalmente a percepção de se trabalhar de maneira conjunta à teoria e a prática.
A metodologia da problematização permite provocar nos alunos, além da
aquisição de conhecimentos, as associações destes com outros aspectos da vida em
sociedade que interferem diretamente nas relações de trabalho, na produção utilização
e disseminação dos conhecimentos teóricos e práticos e consequentemente na vida
da população como um todo.
25
Por sua vez, ao planejarmos os procedimentos da pedagogia de projetos, devemos
ter como parâmetros as seguintes etapas:
Assim, ao refletirmos sobre os passos da metodologia da problematização, podemos
entender que, antes de elaborarmos um projeto, é necessária a observação da realidade.
Após os educandos terem escolhido com o educador o problema em questão, verificarão
quais são os pontos-chave do problema, questionando e refletindo sobre os aspectos a ele
relacionados.
Logo após, vem à etapa da teorização, sistematização das informações técnicas,
científicas, mediante o uso de instrumentos de pesquisa. Em seguida, serão elaboradas as
hipóteses de solução, quando serão registradas e analisadas todas as alternativas possíveis
1ª) Observação da realidade \u2013 realiza-se a observação do que ocorre na realidade,
e com isso possibilita-se perceber os aspectos significativos dos problemas que estão
presentes na parte selecionada para o estudo. Tomemos como exemplo a seguinte situação:
vamos imaginar que ao observar a realidade de sala de aula, constatamos a existência de
uma indisciplina incontrolável dos alunos.
2ª) Pontos-chave \u2013 é a etapa marcada pelo levantamento dos pontos-chaves,
antecipados pela análise dos possíveis fatores associados ao problema selecionado e
também de seus determinantes maiores, quais sejam:
 Fatores associados ao problema \u2013 muitas são as causas que podem estar
associados à indisciplina em sala de aula. Assim, cabe ao educador, após fazer uma
reflexão crítica e contextualizada de sua sala de aula, realizar um levantamento de alguns
fatores que poderiam interferir no problema diagnosticado, tais como: a falta de estrutura
familiar, a falta de limites, método inadequado do educador, dentre outros.
 Determinantes contextuais do problema - a conclusão de que a indisciplina
em sala de aula pode ser um reflexo do descontentamento do educando, pois ele quer
mostrar que não está gostando de algo. E essa situação ocorre muitas vezes por falta de
uma política educacional mais séria que possa vir ao encontro de uma formação continuada
dos educadores. Partindo dessa reflexão, elegemos os seguintes pontos-chave para o
estudo:
3ª) Teorização \u2013 busca-se sistematizar as informações técnicas, científicas,
empíricas, oficiais e/ou outros, conforme natureza do problema. Trata-se, analisa-se e
avalia-se as informações coletadas, buscando contribuições para uma possível resolução.
Neste momento, o educador buscará bibliografias referentes aos pontos-chave levantados,
para uma melhor compreensão da prática analisada.
4ª) Hipóteses de solução \u2013 consiste na apresentação de propostas para a solução
do problema, de maneira a alterar o quadro existente. Todas as alternativas possíveis deverão
ser explicitadas. Tomamos como exemplo o estar diante de uma problemática pensarmos
em algumas hipóteses de solução:- realizar palestras para toda a comunidade escolar a
respeito da indisciplina e suas conseqüências.- reivindicar aos governantes a elaboração
de política educacional essa relação à formação continuada dos educadores.- realizar
mudanças na metodologia utilizada pelo educador, destacando a importância de se trabalhar
com pedagogia de projetos.
5ª) Aplicação da realidade \u2013 a aplicação das alternativas de intervenção na
realidade, possibilita-nos assumir o compromisso de realizar determinadas ações concretas.
Em vista disso, o próximo passo a ser concretizado refere-se à aplicabilidade das hipóteses
de solução na sala investigada.
- A indisciplina da relação família\u2013escola\u2013aluno\u2013professor\u2013comunidade.
- Políticas educacionais e formação do professor.
- O repensar da prática pedagógica.Após elencarmos os pontos-chave teremos como
meta obter subsídios para auxiliar o educador na compreensão e encaminhamento
imediato de possíveis soluções para os problemas apresentados.
26
Pesquisa e Prática
Pedagógica-III
\u201cum novo momento de reflexão definirá esta última etapa, inclui novas ações
dos estudantes e professores, agora sobre a realidade\u201d (BERBEL, 1998, p.8).
Neste contexto, para que todo o processo de elaboração do projeto
possa atingir determinado objetivo, é imprescindível pensar e repensar na
avaliação, pois a avaliação é parte essencial na composição do planejamento.
Se o educador não tiver claro como irá avaliar seu educando, acabará fazendo
apenas a verificação de conteúdos apreendidos, ou da sua aprendizagem.
Nesta perspectiva, vale destacar decisões relativas ao planejamento de atividades,
partindo do modelo curricular _ construtivista e aberto_ que é proposto na atual reforma do
Sistema Educativo. Este deixa ao educador a liberdade, o privilégio e a responsabilidade
de planejar as atividades concretas que proporá a seus alunos. Então, naturalmente, não
seremos nós que roubaremos seu profissionalismo.
Para isso, você deve tomar uma série de decisões, como, por exemplo:
Decisões relativas ao plano de atividades
Essas decisões você toma a partir de critérios diversos.
Critérios para tomar decisões
Alguns conselhos para serem considerados na escolha das atividades:
1º A escolha do tema de trabalho.
2º A escolha do tipo de texto.
3º A escolha da atividade concreta.
4º A decisão sobre a forma de