PREPARO QUÍMICO MECANICO
7 pág.

PREPARO QUÍMICO MECANICO


DisciplinaOdontologia2.598 materiais12.172 seguidores
Pré-visualização2 páginas
menores do que o dos canais (pequenos calibres).
Finalidade
Variações de número, de direção, diâmetro, curvatura, secção transversal, desvios, perfurações, calcificações, reabsorções internas, presença de corpos estranhos, esvaziamento inicial de restos pulpares, determinação da odontometria, conhecimento da anatomia interna do canal.
Técnica: Pequenos avanços e retrocessos com discretos movimentos de rotação horária e anti-horária.
Movimentos de penetração
Instrumentos indicados
\u2022 tipo K preparadas. (10 \u2013 16mm).
Finalidade
Vencer calcificações.
Técnica: Pequenos avanços e retrocessos com discretos movimentos de rotação horária e anti-horária, com pressão apical.
MOVIMENTOS DE ALARGAMENTO
Movimentos de alargamento 
Instrumentos indicados
\u2022 tipo K de aço inox ou NiTi.
Finalidade
Aumentar o diâmetro do canal de maneira centrada, cônica e com secção transversal circular. Preparo Apical.
Técnica: Avanço apical simultaneamente com Rotação de ¼ a ½ volta no sentido horário sob leve pressão e Tração de pequena amplitude.
- Instrumento deve ter diâmetro maior que o do canal;
- Tração deve ser curta;
- Indicado para o cateterismo dos canais atrésicos.
Movimentos de alargamento continuo
Visa incorporar no círculo de corte todo o contorno do canal radicular.
- O instrumento deve ter diâmetro maior que o do canal
- Velocidade de avanço deve ser menor que a velocidade de corte
- \u201cPecking motion\u201d- 1 a 3 mm
Movimentos de alargamento parcial alternado
Os instrumentos não devem ser pré-curvados. 
\u2013 PERIGO DE FRATURA DEFORMAÇÃO DO PREPARO APICAL.
VANTAGENS
Preparo de todo contorno do canal radicular original (forma cônica);
Favorece o domínio do profissional quanto ao diâmetro e a forma do furo;
Favorece a seleção do cone para a obturação do SCR.
DESVANTAGENS
Deixar áreas do canal não instrumentadas;
Diâmetro do canal não permite uso de instrumento com diâmetro maior.
MOVIMENTO DE LIMAGEM (RASPAGEM)
Movimentos de Limagem
ATENÇÃO: A Lima deve trabalhar com liberdade dentro do canal.
TRACIONAR A LIMA NO SENTIDO OBLÍQUO
Instrumentos indicados
\u2022 tipo K ou H de aço inoxidável.
Finalidade
Movimento efetivo na instrumentação de canais achatados.
Cortar dentina ao retroceder, e não ao penetrar. 
 Preparar segmentos achatados e canais elípticos.
Técnica: Avanço, Pressão lateral contra a parede e Tração com movimentos curtos (0,5 a 2 mm).
*TRACIONAR A LIMA NO SENTIDO OBLÍQUO MOVIMENTO CIRCUNDANTE E ANTICURVATURA
Alargamento e Limagem
Instrumentos indicados
\u2022 tipo K de aço inoxidável.
Finalidade
Empregado durante o cateterismo de canais atresiados. 
Fase inicial da desobturação de canais radiculares.
Técnica: Rotação e tração \u2013 ¼ de volta no sentido horário, pressão contra a parede e tração sem rotação.
Movimentos de Viés
Instrumentos indicados
1-avanço
2-pressão contra parede
3-tração sem rotação com
Deslizamento em lateralidade.
\u2022 tipo K de aço inoxidável.
Finalidade: Alargamento para preparo apical.
Técnica: Avanço, Pressão contra a parede, Tração sem
Rotação com Deslizamento em Lateralidade.
Desgaste Compensatório
Eliminação das constrições dentinárias na entrada dos canais.
Melhor controle da ponta do instrumento.
Diminuição das curvaturas.
Técnicas de Preparo dos Canais Radiculares
SERIADA
STEP BACK
CROWN DOWN
Técnica de Preparo Convencional (Seriada)
A primeira a ser proposta na literatura (canais retos). 
Após preparo cervical e odontometria, iniciar preparo seriado com bordo oclusal/incisal em \u201clima fina\u201d.
Na região apical, realizar pré curvatura em lima puxando sua ponta ativa com a ponta da unha.
Instrumentos em ordem crescente em toda a extensão do CRT. 
Ex.: 1ª lima 20mm, 2ª 25mm, 3ª 30mm, 4ª 35mm, 5ª Nicho 40mm.
(Em polpa viva 1 + 4 limas, Em polpa morta 1 + 5 limas)
Instrumentos: Limagem com limas tipo K. 
Finalidade: Alargamento para preparo apical. 
Vantagens: Eficiente em canais amplos e retos.
Desvantagens: Maior risco de flare-ups. Dificuldade com limas mais calibrosas. Dificuldade de irrigação e aspiração. Risco de fratura do instrumento. Risco de provocar desvios, degraus, ou perfurações.
Técnica de Preparo Escalonado (STEP- BACK)
Canais retos, curvos, amplos ou atresiados. 
Finalidade: Criar conicidade com limas, preservar a posição do forame.
 Duas etapas:
 - Preparo apical.
 - Escalonamento.
Vantagens:
 Eliminação de dentina cervical constritiva.
 Redução de curvaturas.
 Menor deflexão do instrumento.
 Maior controle apical.
 Menor risco de agudização.
 Menores alterações no CT.
 Melhor eficácia de irrigação.
 Melhor condensação na obturação.
Dicas:
- Em canal achatado realiza-se movimentos translado.
- Em esvaziamento de polpa viva a lima é justa.
- Em polpa morta é uma lima de trabalho livre.
CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DA TÉCNICA DE PREPARO
Indispensável que o Instrumento introduzido no canal sem forçar, que fique ajustado no CRT. É também necessário ter o conhecimento dos seguintes itens: 
Anatomia Dental. 
Exame Radiográfico.
Patologia Pulpar e Periapical.
Propriedades dos Instrumentos
Equipamentos disponíveis.
Conhecimento da Técnica.
MARCOS
MARCOS fez um comentário
zzz
0 aprovações
MARCOS
MARCOS fez um comentário
. ,,lllll
1 aprovações
MARCOS
MARCOS fez um comentário
vc t FC . mm BB
0 aprovações
MARCOS
MARCOS fez um comentário
mhl Oli ui t mm
0 aprovações
Carregar mais