Materialdiatico_execucao_vfinal_LeslieFerraz
41 pág.

Materialdiatico_execucao_vfinal_LeslieFerraz


DisciplinaDireito Processual Civil I39.698 materiais715.198 seguidores
Pré-visualização10 páginas
Cumprimento de sentença \u201cstricto sensu\u201d
(processo uno)
	Sentença judicial que reconheça obrigação de fazer e não fazer (artigo 461, CPC) 
	
	
	
	Sentença judicial que reconheça obrigação de dar coisa
 (artigo 461-A, CPC)
	
	
	Execução \u201csine intervallo\u201d
(processo uno) 
	Sentença judicial que reconheça obrigação de pagar quantia (arts. 475-I e 475-J, CPC) \ufffd
	
	
	Execução propriamente dita
(processo apartado)
	Sentença penal condenatória; Sentença arbitral; Sentença estrangeira homologada pelo STF: depois de distribuída a petição inicial e citado o executado, aplica-se o procedimento da nova lei
 (art. 475-I a 475-R, CPC)
	
Títulos executivos extrajudiciais
(Artigo 585, CPC)
	
EXECUÇÃO
	Livro II, CPC/artigos 566 e segs., CPC
	Quanto ao seu caráter
	Definitiva
	Artigo 587, CPC
Artigo 475-I, CPC
	Fundada em título judicial e extrajudicial
	Provisória
	Artigo 587, CPC
Artigo 475-I, par. 1º e 542, par. 2º, CPC
Artigo 475-O, CPC
	
Fundada em sentença pendente de recurso desprovido de efeito suspensivo (RE e REsp)
Corre por iniciativa, conta e responsabilidade do exeqüente, que se responsabiliza a reparar os danos do executado, e exige \u201ccaução suficiente e idônea, arbitrada pelo juiz e prestada nos próprios autos\u201d (art. 475-O, I a III, CPC)
CUMPRIMENTO DE SENTENÇA x EXECUÇÃO
No que toca ao cumprimento da sentença, anota Cássio Scarpinella Bueno: \u201co modelo de implementação concreta de um fazer, não fazer ou entregar coisa no direito positivo brasileiro passou, com as Leis 8.952/94 e 10.444/2002 a dispensar um \u201cprocesso de execução\u201d. O que releva é o que o juiz que impõe um fazer, um não fazer ou uma entrega de coisa reconhece que estes deveres devem ser atendidos e, independentemente de qualquer outro processo ou provocação, implementa o que decidiu. E mais, senão principalmente, o faz independentemente de um roteiro, de um procedimento fechado \u2013 de um modelo pré-concebido \u2013 quanto à execução. O juiz que implementa o fazer, o não fazer e a entrega pode criar mecanismos executivos em prol da escorreita obtenção do fazer, do não fazer e do entregar, consoante as necessidades que verifica em cada caso concreto\u201d\ufffd.
No mesmo sentido, Carlos Alberto Carmona leciona que \u201co claro objetivo do legislador foi colocar no mesmo plano os mecanismos disponíveis para o cumprimento de todas as espécies de sentenças condenatórias, abandonando a idéia de que a implementação de tais sentenças devesse passar pelo processo (formal) de execução, com nova citação do devedor, que poderia embargar (ação de embargos do devedor) a execução com a necessária conseqüência de suspender o fluxo normal das medidas de expropriação.
A idéia era perfeita: dar ao juiz os poderes necessários para fazer valer sua sentença condenatória, independentemente de execução\u201d. 
Porém, como ressalta Carmona, \u201co resultado deixou a desejar, pois o legislador acabou criando, em verdade, dois métodos bem diferentes e apartados de fazer cumprir sentenças condenatórias: o primeiro, ligado às sentenças condenatórias, objetivando obrigações de fazer, não fazer, entregar coisa certa e incerta é ágil, poderoso, irresistível; o segundo, tendo por alvo as obrigações de pagar quantia, continua lento, balofo e desajeitado\u201d\ufffd. 
BOA-FÉ E LEALDADE PROCESSUAL (arts. 599 a 601, CPC)
O executado, não raro, pode se utilizar de manobras para impedir ou adiar a satisfação do credor. Para tanto, a lei confere poderes especiais ao juiz, que poderá, a qualquer momento, de ofício ou a requerimento da parte:
Determinar o comparecimento das partes;
Advertir o devedor que o seu procedimento é ato atentatório à dignidade da justiça\ufffd, incidindo em multa de até 20% do valor atualizado do débito, a favor do exeqüente.
IMPORTANTE: Anteriormente, o artigo 601, CPC, impunha ao litigante de má-fé a proibição de falar nos autos, o que foi revogado pela Constituição de 1988, pois a regra fere o contraditório e o devido processo legal.
ALGUMAS MUDANÇAS IMPLEMENTADAS PELAS REFORMAS PROCESSUAIS:
Inserção de provimentos mandamentais no sistema processual brasileiro: consistentes na ordem de cumprimento imediato da decisão judicial, com a previsão de mecanismos de coerção indireta, como a multa diária por descumprimento\ufffd. Inicialmente cabíveis apenas em se tratando de obrigações de fazer e não fazer (reforma do artigo 461, CPC, pela Lei n. 8.952/94), os provimentos mandamentais passaram a ser acatados também na execução das obrigações de entregar coisa (inserção do artigo 461-A, CPC, pela Lei n. 10.444/2002) e, mais recentemente, na execução das obrigações de pagar quantia (Lei n. 11.232/2005), embora, nessa modalidade de obrigação, o Código também faça remissão ao procedimento tradicional de execução. 
Unificação das fases de conhecimento e execução, a exemplo dos Juizados Especiais Cíveis, nos casos de sentença condenatória de obrigação de dar, fazer e não fazer (artigos 461 e 461-A, CPC, introduzido pela Lei n. 11.382/2006): nestes casos específicos, a execução deixou de ser um processo autônomo, passando a ser mais uma fase procedimental denominada cumprimento de sentença. A inovação consiste no fato de que, além do requerimento do autor, a execução também pode ser iniciada pelo próprio órgão jurisdicional ex officio, dispensando-se, em ambos os casos, a nova citação do réu.
Autorização de alienação do bem por iniciativa particular (introduzido pela Lei n. 11.382/2006).
Inversão da seqüência dos atos expropriatórios (introduzido pela Lei n. 11.382/2006): no arranjo anterior, o leilão ou praça eram a primeira opção do exeqüente, seguida da adjudicação e, finalmente, do usufruto de imóvel ou empresa. Pela nova disposição, o exeqüente pode, inicialmente, adjudicar o bem, e, caso não for de seu interesse, proceder à alienação particular, sendo o leilão ou praça sua última opção\ufffd.
Imposição de multa de 10% (dez por cento) ao devedor que, condenado ao pagamento de quantia certa ou fixada em sentença líquida, não efetuar o pagamento no prazo de 15 dias (artigo 475-J, CPC, introduzido pela Lei n. 11.232/2005).
 ATIVIDADE
Marco Antonio Botto Muscari enumera quatro óbices para a efetividade da execução\ufffd, dispostos na tabela abaixo. Você concorda com a opinião do autor? Quais pesos devem dados a cada um dos fatores apontados (de 0 a 3)? Existe a possibilidade de superar cada um deles com mudanças legislativas? Quais?
	LIMITES/ÓBICES 
	DESCRIÇÃO 
	PESO 
	SOLUÇÃO
	1. Limites naturais
	Grande parte da população brasileira enfrenta dificuldades financeiras, o que dificulta o pagamento de suas dividas
	
	
	2. Limites jurídicos
	A própria lei processual, em busca da \u201chumanização da execução\u201d impõe óbices à sua efetividade, como a proibição da prisão civil por dívidas e a impenhorabilidade de determinados bens
	
	
	3. Obstáculos culturais
	Falta base ética e moral aos devedores
	
	
	
4. Estratégia do devedor\ufffd
	O devedor \u2013 que, na maioria das vezes, já perdeu o processo de conhecimento\u2013, ainda resiste na fase executória, tentando postergar ao máximo o pagamento de sua dívida
	
	
 Bibliografia obrigatória
GRINOVER, Ada Pellegrini. Cumprimento da sentença. In: CIANCI, Mirna; QUARTIERI, Rita (coord.). Temas atuais da execução civil: estudos em homenagem ao professor Donaldo Armelin. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 01-10.
 Bibliografia complementar
MARCATO, Antonio Carlos. Liquidação de sentença. In: CIANCI, Mirna; QUARTIERI, Rita (coord.). Temas atuais da execução civil: estudos em homenagem ao professor Donaldo Armelin. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 93-105.
AULA 2. EXECUÇÃO DAS OBRIGAÇÕES PARA A ENTREGA DE COISA CERTA OU INCERTA
 
OBJETIVOS DA AULA
Reforçar a distinção do regramento do cumprimento de sentença/títulos judiciais e execução de título extrajudicial;
Avaliar o procedimento da execução da obrigação de dar coisa e suas particularidades, com destaque para os problemas advindos da