Módulo 1. Contratos. Noções Gerais
5 pág.

Módulo 1. Contratos. Noções Gerais


DisciplinaDireito Civil III8.869 materiais73.737 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Disciplina: Direito Civil III \u2013 Contratos
Módulo 1. Contratos. Noções Gerais.
1.1. Conceito
Contrato é um negócio jurídico bilateral, um acordo de vontades, com a finalidade de produzir efeitos no âmbito do Direito.
1.2. Requisitos de validade do contrato
a) comuns a todos os negócios jurídicos
- agente capaz;
- objeto lícito, possível e determinado, ou pelo menos determinável, como, por exemplo, a compra de uma safra futura;
- forma prescrita ou não defesa em lei.
b) especiais aos contratos
- É o consentimento recíproco ou acordo de vontades, (consentimento recíproco) podendo ser expresso ou tácito. O consentimento tácito ocorre quando se pratica ato incompatível com o desejo de recusa. 
Há contratos em que a lei exige o consentimento expresso, não valendo o silêncio como aceitação. Aqui não se aplica o brocado: quem cala consente. Silêncio qualificado = exceção.
Quanto a possibilidade de aceitação tácita, vejamos o disposto no Código Civil:
Art. 111. \u201cO silêncio importa anuência, quando as circunstâncias ou os usos o autorizarem, e não for necessária a declaração de vontade expressa\u201d.
Art. 432. Se o negócio for daqueles em que não seja costume a aceitação expressa, ou o proponente a tiver dispensado, reputar-se-á concluído o contrato, não chegando a tempo a recusa. (contrato firmado entre ausentes)
Art. 539. O doador pode fixar prazo ao donatário, para declarar se aceita ou não a liberalidade. Desde que o donatário, ciente do prazo, não faça, dentro dele, a declaração, entender-se-á que aceitou, se a doação não for sujeita a encargo. (contrato de doação simples. ACEITA O CONSENTIMENTO TÁCITO)
Art. 512. Não havendo prazo estipulado para a declaração do comprador, o vendedor terá direito de intimá-lo, judicial ou extrajudicialmente, para que o faça em prazo improrrogável. (contrato de compra e venda com inclusão de cláusula a contento \u2013 REQUER DECLARAÇÃO EXPRESSA)
1.3. Formação dos contratos
a) Fase das Negociações preliminares ou fase da Puntuação (atos preparatórios)
Os contratos começam com as negociações preliminares. Quanto maior o valor dos bens, maiores serão as negociações preliminares. Essas negociações não obrigam e não vinculam os contratantes, pois ainda não passam de especulação de valores e condições. (EM REGRA)
Apresenta-se como reposta ao princípio da liberdade em celebrar-se negócios jurídicos.
A não contratação é um direito desde que esta recusa seja firmada dentro dos limites da boa-fé objetiva e não viole a confiança alheia.
Tem que se observar se não foi criada uma legítima expectativa de contratar (indícios), sob pena de responder civilmente com fulcro no disposto no art. 186 do Código Civil c/c 927.
Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.
Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo.
Assim quando as partes não passaram desta fase, eventual recusa de formação do contrato não gera inadimplemento contratual, mas excepcionalmente poderá gerar a responsabilidade civil por eventual dano.
b) Proposta, policitação ou oblação
b.1. Proposta séria e consistente, vinculação
É possível que, após essa fase, surja de um dos contratantes, uma proposta, a qual vinculará o proponente, desde que séria e consistente. Essa proposta também é chamada policitação ou oblação. Quem faz a proposta deve sustentá-la. 
Art. 427. A proposta de contrato obriga o proponente, (PRINCÍPIO DA VINCULAÇÃO OU DA OBRIGATORIEDADE) se o contrário não resultar dos termos dela (CLÁUSULA DE DIREITO DE RETRATAÇÃO), da natureza do negócio (EX. PROPOSTA ABERTA AO PÚBLICO QUE SE CONSIDERA LIMITADE AO ESTOQUE EXISTENTE, OU PROMOÇÕES DE RADIODIFUSÃO) ou das circunstâncias do caso.(DISCRICIONARIEDADE PELO JUIZ).
E Existiria um caso de não obrigatoriedade que seria:
O DECURSO DO LAPSO TEMPORAL PARA ACEITAÇÃO (art. 428 I CC)
b.2. O Código Civil faz distinção entre proposta feita a pessoa presente e proposta feita a pessoa ausente. 
A grande diferença é que nas hipóteses de proposta entre presentes exigi-se o contato direito ou simultâneo, enquanto que entre ausente não.
Se a proposta é feita a uma pessoa presente e contém prazo de validade, esse deve ser obedecido; se não contém prazo, a proposta deve ser aceita de imediato. É o famoso \u201cpegar ou largar\u201d. 
Se a proposta é feita à pessoa ausente, por carta ou mensagem, com prazo para resposta, esta deverá ser expedida no prazo estipulado. Se a proposta não fixar prazo para resposta, o Código Civil dispõe que deve ser mantida por tempo razoável (que varia de acordo com o caso concreto). Núncio é o nome que se dá ao mensageiro. 
A proposta feita por telefone é considerada "entre presentes". A proposta feita por intermédio de salas de bate-papo é considerada pela maior parte da doutrina como \u201centre ausentes\u201d, e a firmada por e-mail é considerada como "entre presentes".
A proposta ainda não é o contrato: este só estará aperfeiçoado quando houver a aceitação. 
Art. 428. Deixa de ser obrigatória a proposta:
I - se, feita sem prazo a pessoa presente, não foi imediatamente aceita. Considera-se também presente a pessoa que contrata por telefone ou por meio de comunicação semelhante;
II - se, feita sem prazo a pessoa ausente, tiver decorrido tempo suficiente para chegar a resposta ao conhecimento do proponente;
III - se, feita a pessoa ausente, não tiver sido expedida a resposta dentro do prazo dado;
IV - se, antes dela, ou simultaneamente, chegar ao conhecimento da outra parte a retratação do proponente.
Art. 429. A oferta ao público equivale a proposta quando encerra os requisitos essenciais ao contrato, salvo se o contrário resultar das circunstâncias ou dos usos. (ex. costume de anunciar na cidade produtos em alta voz como forma de atrair cliente, sendo a proposta definitiva firmada ao vivo) Parágrafo único. Pode revogar-se a oferta pela mesma via de sua divulgação, desde que ressalvada esta faculdade na oferta realizada
c) Aceitação (QUEM ACEITA = OBLATO OU ACEITANTE)
c.1. Características do aceite
A aceitação é a concordância com os termos da proposta, que deve ser pura e simples. 
c.1. Contra-proposta
Art. 431. A aceitação fora do prazo, com adições, restrições, ou modificações, importará nova proposta.
c.3. Princípio da eticidade. Obrigatoriedade de avisar caso não chegue a resposta quando entre ausentes.
Art. 430. Se a aceitação, por circunstância imprevista, chegar tarde ao conhecimento do proponente, este comunicá-lo-á imediatamente ao aceitante, sob pena de responder por perdas e danos.
c.4. Momento do aceite. Nascimento do contrato. Expresso ou tácito.
Aceite tácito. Confusões quanto ao momento do nascimento do contrato.
 Art. 432. Se o negócio for daqueles em que não seja costume a aceitação expressa,(QNT NÃO É USUAL A ACEITAÇÃO, EX. INDUSTRIAL. CREDOR QUE NÃO QUIZER MAIS A MERCADORIA TEM QUE AVISAR) ou o proponente a tiver dispensado, (EXEMPLO HOTÉIS/ RESERVA) reputar-se-á concluído o contrato, não chegando a tempo a recusa. 
Teorias
Teoria da Expedição
A proposta "entre ausentes" pode ser feita por carta ou telegrama, aperfeiçoando-se o contrato quando da expedição daqueles. Caput. Art. 434 CC.
Art. 434. Os contratos entre ausentes tornam-se perfeitos desde que a aceitação é expedida, exceto:
I - no caso do artigo antecedente;
II - se o proponente se houver comprometido a esperar resposta;
III - se ela não chegar no prazo convencionado.
Teoria da recepção \u2013 está é a teoria aceita na prática. Segundo a qual considera-se o momento do aceite aquele em que a resposta é recebida, isto porque, enquanto não recebida poderá haver arrependimento, conforme disposto no artigo 433.
Art. 433. Considera-se inexistente a aceitação, se antes dela ou com ela chegar ao proponente a retratação do aceitante.
Teoria da declaração \u2013
Djé
Djé fez um comentário
QUESTOES COMENTADAS DE CIVIL CESP
1 aprovações
Carregar mais