Histo_ria das Cie_ncias da Sau_de _ 2014 2 (1)
10 pág.

Histo_ria das Cie_ncias da Sau_de _ 2014 2 (1)


DisciplinaTópicos Especiais em Saúde I I5 materiais24 seguidores
Pré-visualização3 páginas
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS 
2o SEMESTRE: 2014.2
Componente HCB19 Tópicos Especiais em Saúde II: História das Ciências da Saúde
Carga horaria: 68h
Professora: Fernanda Rebelo
Horário: segunda-feira das 13:00 às 17:00 
Local: PAF 3 \u2013 sala 211
Ementa 
Este componente tem por objetivo oferecer a alunos de graduação e de pós-graduação um panorama geral da historiografia das ciências da saúde, identificando as tendências temáticas e metodológicas atuais; os enfoques renovadores a respeito da construção dos fatos científicos no campo da saúde e os contextos institucionais e sociais nos quais saberes e práticas foram construídos e articulados. 
Na reconstituição deste processo, pretende-se identificar e analisar os seus elementos constitutivos, os espaços institucionais de formação e de atuação e as diretrizes políticas adotadas na saúde pública. A relação entre ciência e política tem sido tema de pesquisa na área das ciências sociais e saúde, especialmente relacionadas às ciências biomédicas, assim como o papel do Estado na institucionalização e na profissionalização da saúde pública. A investigação histórica na área da saúde também tem se debruçado sobre as campanhas sanitárias, o controle de epidemias e endemias e a participação de organismos internacionais (OMS, OPAS). 
A partir do final do século XIX, até os anos de 1950, podemos destacar temas como a introdução da medicina experimental nas instituições de pesquisa, a emergência da microbiologia, os processos imigratórios e a saúde das populações, a saúde global, a cooperação sanitária internacional. Enquanto campo interdisciplinar, a história das ciências dialoga com diferentes tipos de abordagens oriundas da sociologia, da antropologia e da filosofia. Portanto, os temas e os problemas da historiografia das ciências estão diretamente associados aos debates a respeito das origens históricas da ciência moderna, dos fundamentos epistemológicos do conhecimento científico, bem como das bases sócio-cognitivas e da natureza coletiva das práticas científicas. A bibliografia, assim como a análise de algumas fontes primárias, permitirá a apresentação e discussão das variadas questões relativas ao processo saúde-doença na literatura sócio-histórica. Destaca-se ainda a análise dos saberes e práticas relacionadas à saúde mental e os estudos culturais e sociais da ciência e da técnica do campo da saúde em uma perspectiva crítica de gênero e raça.
Conteúdo programático 
Introdução. História e Historiografia das Ciências da Saúde. 
Apresentação do curso. 
	
2. Teorias médicas 1: contágio e anticontágio.
Czeresnia, Dina: 'Do contágio à transmissão: uma mudança na estrutura perceptiva de apreensão da epidemia'. História, Ciências, Saúde\u2014Manguinhos, vol. IV(l):75-94, mar.-jun. 1997.
2.1 Teorias médicas 2: a geração espontânea e o higienismo clássico 
Caponi, Sandra. La generación espontánea y la preocupación higienista por la diseminación de los gérmenes.. História, Ciências, 
Saúde . Manguinhos, vol. 9(3): 591-608, set.-dic. 2002a.
3. Teorias médicas 2: a microbiologia 
Canguilhem, Georges. Ideologia e Racionalidade nas Ciências da Vida. Lisboa: Edições 70, 1977. Cap. 3, O efeito da bacteriologia no fim ddas teorias médicas do século XIX, pp.51-70.
3.1 A Emergência da bacteriologia no Brasil.
Benchimol, Jaime Larry. Domingos José Freire e os primórdios da bacteriologia no Brasil. História, Ciência e Saúde \u2013 Manguinhos, II (1): 67-98, mar-jun. 1995.
Leitura Complementar:
Rosen, George. \u201cA era bacteriológica e suas consequencias (1875-1950)\u201d, in: Uma história da saúde pública. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec/UNESP/ABRASCO, 1994, pp. 219-252.
4. Teorias médicas 3: Medicina Tropical e vetores
Edler, Flávio Coelho. A Escola Tropicalista Baiana: um mito de origem da medicina tropical no Brasil. História, Ciência e Saúde \u2013 Manguinhos. 2002, vol.9, n.2, pp.357-385.
Caponi, Sandra. Trópicos, micróbios y vectores. História, Ciências, Saúde- Manguinhos, 2002b, vol. 9, p. 111-138. [on-line].
5. História da Saúde Pública 1: a higiene e as reformas urbanas
Benchimol, Jaime Larry. \u201cReforma urbana e Revolta da Vacina na cidade do Rio de Janeiro\u201d, in: Ferreira, Jorge; Delgado, Lucilia de Almeida Neves (orgs.). O tempo do liberalismo excludente: da Proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, pp. 231-86 (O Brasil Republicano, v. 1). [PDF]
Reis, João José. A Morte é uma Festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. , José Ferreira. Igreja, iluminismo e escolas mineiras coloniais. São Paulo: Nacional, 1968. Cap. 10 Civilizaçar os costumes (I): A medicalização da morte. pp. 247-272.
6. História da Saúde Pública 2: práticas de cura no século XIX
Pimenta, Tânia Salgado. Terapeutas populares e instituições médicas na primeira metade do século XIX. As artes de curar nos tempos do cólera. In: Chalhoub, Sidney (orgs). Artes e ofícios de curar no Brasil. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2003.
Diniz, Ariosvaldo da Silva. As artes de curar nos tempos do cólera. In: Chalhoub, Sidney (orgs). Artes e ofícios de curar no Brasil. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2003.
 
7. História da Saúde Pública 3: prevenção e controle de epidemias
Chalhoube, Sidney. Febre amarela e ideologia racial no Rio de Janeiro do séc. XIX. Estudos Afro-Asiáticos (27): 87-110, abril de 1995.
Rebelo, Fernanda. Entre o Carlo R. e o Orleannais: a saúde pública e a profilaxia marítima no relato de dois casos de navios de imigrantes no porto do Rio de Janeiro, 1893-1907. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]. 2013, vol.20, n.3 [cited  2014-08-15], pp. 765-796.
8. História das doenças
Kropf, Simone. Doença de Chagas, Doença do Brasil. Ciência, saúde e nação, 1909-1962. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2009a. [Introdução e caps.1 e 2]
Souza, Christiane Maria Cruz de. A gripe espanhola em Salvador, 1918: cidade de becos e cortiços. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]. 2005, vol.12, n.1, pp. 71-99. ISSN 0104-5970.
 
9. Saúde Pública e identidade nacional
Lima, Nísia Trindade  &  Hochman, Gilberto. Pouca saúde, muita saúva, os males do Brasil são... Discurso médico-sanitário e interpretação do país. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2000, vol.5, n.2 [cited  2014-08-15], pp. 313-332
Kropf, Simone Petraglia. Carlos Chagas e os debates e controvérsias sobre a doença do Brasil (1909-1923). História, Ciências, Saúde \u2013 Manguinhos, Rio de Janeiro, v.16, supl.1, jul. 2009b, p.205-227.
10. Boticários, medicos e cirurgiões barbeiros
Fleck, Eliane Cristina Deckmann. A abordagem historiográfica dos séculos XIX e XX sobre a atuação de médicos e boticários jesuítas na América platina no século XVIII. História, Ciências, Saúde \u2013 Manguinhos, Rio de Janeiro, v.21, n.2, abr.-jun. 2014, p.667-685.
Figueiredo, Betânia Gonçalves. Barbeiros e cirurgiões: atuação dos práticos ao longo do século XIX. História, Ciências, Saúde - Manguinhos [online]. 1999, v.6, n.2 [citado 2012-07-31], p. 277- 291. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
59701999000300003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt
Leitura Complementar:
Pimenta, Tânia Salgado. Transformações no exercício das artes de curar no Rio de Janeiro durante a primeira metade do Oitocentos. História, Ciências, Saúde . Manguinhos, v. 11 (suplemento 1), p. 67-92, 2004. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v11s1/03.pdf
11. História da Psiquiatria, Biopolítica das populações e a medicalização do crime
Caponi, Sandra. Michel Foucault e a persistência do poder psiquiátrico. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2009, vol.14, n.1 [cited  2014-08-15], pp. 95-103.
Rebelo, Fernanda & Caponi, Sandra. O gabinete do doutor Edelvito Campelo D'Araújo: a Penitenciária Pedra Grande como espaço de construção de um saber (1933-1945). Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]. 2007, vol.14, n.4 [cited  2014-08-15], pp. 1217-1238 .
12. Campo da saúde em uma perspectiva