A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Roteiro miologia

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIVERSIDADE POTIGUAR
POLO CAICÓ-RN
CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA
DISCIPLINA: SISTEMA ÓSTEO-MIO-ARTICULAR
PROFa: LORENA ALBUQUERQUE VIEIRA
ALUNA: MARIA REGINA GOMES DE ARAÚJO 
ROTEIRO
Miologia
Conceito de músculos:
 
São estruturas individualizadas que cruzam uma ou mais articulações e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento. Este é efetuado por células especializadas denominadas fibras musculares, cuja energia latente é ou pode ser controlada pelo sistema nervoso. Os músculos são capazes de transformar energia química em energia em energia mecânica.
O músculo vivo é de cor vermelha. Essa coloração avermelhada das fibras musculares de deve à mioglobina, proteína semelhante à hemoglobina presente nos glóbulos vermelhos, que cumpre o papel de conservar algum 02 proveniente de circulação para o metabolismo oxidativo.
Os músculos representam 40-50% do peso corporal total. O corpo humano tem cerca de 650 músculos de distintos tipos, os quais estão revestidos por uma membrana conhecida como aponeurose. Os músculos são órgãos que melhor se adaptam, tendo em conta que a sua forma e o seu conteúdo se podem modificar substancialmente. Através do exercício físico, por exemplo, os músculos podem desenvolver-se e fortalecer-se.
Classificação dos músculos: 
 Quanto a situação:
Superficiais e Cutâneos: Estão logo abaixo da pele e apresentam no mínimo uma de suas inserções na cama profunda da derme. Estão localizadas na cabeça (crânio e face), pescoço e na mão (região hipotenar). Exemplo: Platisma. 
Profundos ou Subaponeuróticos: São músculos que não apresentam inserções na cama profunda da derme, e na maioria das vezes, se inserem em ossos. Estão localizados abaixo da fáscia superficial. Exemplo: Pronador quadrado.
Quanto à forma:
Longos: São encontrados especialmente nos membros. Os mais superficiais são os mais longos, podendo passar duas ou mais articulações. Exemplos: Bíceps braquial.
Curtos: Encontram-se nas articulações cujos movimentos tem pouca amplitude, o que não exclui força nem especialização. Exemplo: Músculos das mãos.
Largos: Caracterizam-se por serem laminares. São encontrados nas paredes das grandes cavidades (tórax e abdome). Exemplo: Diafragma. 
Quanto à Disposição da Fibra:
Reto: Paralelo à linha média. Ex: Reto abdominal.
Transverso: Perpendicular à linha média. Ex: Transverso abdominal.
Oblíquo: Diagonal à linha média. Ex: Oblíquo externo.
Quanto à origem e inserção:
Origem: Quando se originam de mais de um tendão. Ex: Bíceps, Quadríceps.
Inserção: Quando se inserem em maus de um tendão. Ex: Flexor longo dos dedos.
Quanto a função:
Agonistas: São os músculos principais que ativam um movimento específico do corpo, eles se contraem ativamente, para produzir um movimento desejado. Ex: Pegar uma chave sobre a mesa, agonistas são flexores dos dedos.
Antagonistas: Músculos que se opõem à ação dos agonistas, quando o agonista se contrai, o antagonista relaxa progressivamente, produzindo um movimento suave. Ex: idem anterior, os antagonistas são os extensores dos dedos.
Sinergistas: São aqueles que participam estabilizando as articulações para que não ocorram movimentos indesejáveis durante a ação principal. Ex: idem anterior, os sinergistas são estabilizadores do punho, cotovelo e ombro.
Fixadores: Estabilizam a origem de agonista de modo que ele possa agir mais eficientemente. Estabilizam a parte proximal do membro quando move-se a parte distal. 
Quanto à Nomenclatura:
O nome dado aos músculos é derivado de vários fatores, entre eles o fisiológico e topográfico:
Ação: Extensor dos dedos.
Ação Associada à Forma: Pronador Redondo e Pronador Quadrado.
Ação Associada à Localização: Flexor Superficial dos Dedos.
Forma: Músculos Deltóide (letra grega delta).
Localização: Tibial Anterior.
Número de Origem: Bíceps Femoral e Tríceps Braquial.
MÚSCULOS DA FACE
Couro cabeludo
EPICRÂNIO
Ventre Occipital
Origem: 2/3 laterais da linha nucal superior do osso occipital e processo mastoide 
Inserção: Gálea aponeurótica
Ventre Frontal
Origem: Não possui inserções ósseas. Suas fibras são contínuas com as do prócero, corrugador e orbicular do olho.
Inserção: Gálea aponeurótica
TEMPOROPARIETAL
Origem: Gálea aponeurótica
Inserção: Borda lateral da gálea aponeurótica
GÁLEA APONEURÓTICA
Origem: Protuberância occipital externa e linha nucal suprema do osso occipital.
Inserção: Frontal. De cada lado recebe a inserção do temporoparietal.
Pálpebras
OBRICULAR DO OLHO
Origem: Parte nasal do osso frontal (porção orbital), processo frontal da maxila, crista lacrimal posterior (porção lacrimal) e da superfície anterior e bordas do ligamento palpebral medial (porção palpebral).
Inserção: Circundo a órbita, como um esfíncter.
CORRUGADOR DO SUPERCÍLIO
Origem: Extremidade medial do arco superciliar.
Inserção: Superfície profunda da pele.
Nariz
PRÓCERO
Origem: Fáscia que reveste a parte mais inferior do osso nasal e a parte superior da cartilagem nasal lateral.
Inserção: Pele da parte mais inferior da fronte entre as duas sobrancelhas.
NASAL (TRANSVERSO DO NARIZ)
Origem: 
Porção Transversal – Maxila, acima e lateralmente à fossa incisiva
Porção Alar – Asa do nariz
Inserção: 
Porção transversal – Dorso do nariz 
Porção Alar – Imediações do ápice do nariz 
DEPRESSOR DO SEPTO
Origem: Fossa incisiva da maxila.
Inserção: Septo e na parte dorsal da asa do nariz.
Orelha
AURICULAR ANTERIOR
Origem: Porção anterior da fáscia na zona temporal.
Inserção: Saliência na frente da hélix.
AURICULAR SUPERIOR
Origem: Fáscia da zona temporal.
Inserção: Tendão plano na parte superior da superfície craniana do pavilhão da orelha.
AURICULAR POSTERIOR
Origem: Processo mastoide.
Inserção: Parte mais inferior da superfície craniana da concha.
Boca
LEVANTADOR DO LÁBIO SUPERIOR E ASA DO NARIZ
Origem: Processo frontal da maxila.
Inserção: Se divide em dois fascículos. Um se insere na cartilagem alar maior e na pele do nariz e outro se prolonga no lábio superior.
LEVANTADOR DO LÁBIO SUPERIOR
Origem: Margem inferior da órbita acima do forame infra-orbital, maxila e zigomático.
Inserção: Lábio superior e asa do nariz.
LEVANTADOR DO ÂNGULO DA BOCA
Origem: Fossa canina (maxila).
Inserção: Ângulo da boca.
ZIGOMÁTICO MENOR
Origem: Superfície malar do osso zigomático.
Inserção: Lábios superior (entre o levantador do lábio superior e o zigomático maior).
ZIGOMÁTICO MAIOR:
Origem: Superfície malar do osso zigomático.
Inserção: Ângulo da boca.
RISÓRIO 
Origem: Fáscia do masseter.
Inserção: Pele no ângulo da boca.
DEPRESSOR DO LÁBIO INFERIOR
Origem: Linha oblíqua da mandíbula.
Inserção: Tegumento do lábio inferior.
MENTONIANO
Origem: Fossa incisiva da mandíbula.
Inserção: Tegumento do queixo.
TRANSVERSO DO MENTO
Origem: Linha mediana logo abaixo do queixo.
Inserção: Fibras do depressor do ângulo da boca.
DEPRESSOR DO ÂNGULO DA BOCA
Origem: Linha oblíqua da mandíbula.
Inserção: Ângulo da boca.
OBRICULAR DA BOCA
Origem: Parte marginal e parte labial.
Inserção: Rima da boca.
BUCINADOR
Origem: Superfície externa dos processos alveolares da maxila, acima da mandíbula.
Inserção: Ângulo da boca.
MÚSCULOS DO PESCOÇO
Músculos Superficiais do Pescoço
MÚSCULO PLATISMA 
Origem: Base da mandíbula, fáscia parotídea.
Inserção: Pele por baixo da clavícula, fáscia peitoral.
Músculos Laterais do Pescoço
MÚSCULO ESTERNOCLEIDOMASTÓIDE 
Origem: Cabeça esternal – face ventral do esterno; Cabeça clavicular – terço medial da clavícula.
Inserção: Processo mastóide do osso temporal e metade lateral da linha nucal superior.
Músculos Escalenos
MÚSCULO ESCALENO ANTERIOR 
Origem: Tubérculos anteriores dos processos transversos de C3 a C6.
Inserção: Face superior da 1ª costela (tubérculo escaleno anterior).
MÚSCULO ESCALENO MÉDIO 
Origem: Tubérculos anteriores dos processos transversos de todas as vértebras cervicais.
Inserção: Face superior da 1ª costela (podendo ser na 2ª costela).
MÚSCULO

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.