PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS
2 pág.

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS


DisciplinaPsicologia, Direitos Humanos e Inclusão Social5 materiais77 seguidores
Pré-visualização1 página
PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS
A história da psicologia com os direitos humanos é bastante íntima e entrelaçada, pois a psicologia sempre se manteve atrelada aos princípios norteadores dos direitos humanos. Levando em consideração o contexto histórico em que foi lançada a declaração universal dos direitos humanos, que foi em 1948, três anos após a segunda guerra mundial que foi palco onde muitas vidas foram ceifadas, e apesar de tudo isso, a declaração universal dos direitos humanos é considerada a gênese de todas as outras declarações de direitos que foram feitas após esse período. 
De acordo com Sawaia (2000), no Brasil, a psicologia social começou a ganhar força a partir de 1980 com Silvia Lane e a partir daí, os psicólogos começaram a sair de seus consultórios e adentrar nas comunidades de fato por meio da psicologia comunitária também. A psicologia saiu da bolha do elitismo e passou a dedicar-se ao empoderamento do sujeito e a autogestão, contribuindo para torna-lo cada vez mais ativo na sociedade e sabendo sobre os seus direitos e deveres, além de possuir mecanismos para articulação de movimentos sociais e sindicais que possam ajuda-los a potencializar sua força e conseguir a garantia dos seus direitos básicos. 
Dessa forma, o profissional da psicologia anda lado a lado com os direitos humanos e faz com que a sua atuação seja voltada para que tais direitos sejam exercidos e garantidos, e inclusive o código de ética do psicólogo traz em seus princípios fundamentais, no primeiro artigo: \u201cO psicólogo baseará o seu trabalho no respeito e na promoção da liberdade, da dignidade, da igualdade e da integridade do ser humano, apoiado nos valores que embasam a Declaração Universal dos Direitos Humanos.\u201d CFP (2005).
Não há possibilidade de exercer a psicologia sem respeitar os direitos humanos, pois os dois são extremamente necessários e devem ser trabalhados juntos. Cabe ao psicólogo exercer com ética e profissionalismo a prática da profissão, respeitando e promovendo a inclusão de toda a sociedade, o respeito e a aceitação de diferenças, pois independente de características físicas, psicológicas, sociais, étnicas, religiosas e diversidade social, todos têm direitos e tais direitos devem ser zelados e cumpridos. 
Referências bibliográficas
SWAIA, B. B. Comunidade: a apropriação cientifica de um conceito tão antigo quanto a humanidade. 2000. Em Campos, R. H. F. (org). Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia.