Musculação - Conceitos e Aplicações
114 pág.

Musculação - Conceitos e Aplicações


DisciplinaMusculação2.759 materiais110.376 seguidores
Pré-visualização6 páginas
MUSCULAÇÃO
Conceitos e Aplicações - 01
Prof. MSc. André L. Estrela
Introdução:
-Senso comum;
-Respaldo científico;
-Cinesiologia;
-Treinamento desportivo, etc.;
-Milon de Crotona;
-Trabalho com peso > músculo = musculação;
-Músculo X Homem;
-Abordagem metodológica;
-Programas individualizados;
-Presença do professor;
-Evolução constante.
-MUSCULAÇÃO = EXERCÍCIOS CONTRA A 
RESISTÊNCIA
2. Conceituação e divisão da musculação
2.1. Conceituação:
- Levantamento com pesos;
- Treinamento com pesos;
- Halterofilismo;
- Etc.;
- Conceitos errôneos e preconceitos;
- Popularidade.
\uf06c \u201c...conjunto de meios que visa o desenvolvimento e/ou a 
manutenção de qualidades físicas relacionadas as 
estruturas músculo-articulares, podendo também reabilitá-
las, bem como desenvolver a capacidade orgânica.\u201d
(BITENCOURT,1986)
2.2. Divisão:
- Competição;
- Profilático;
- Terapêutico;
- Recreativo e 
estético;
- Preparação física.
3. Princípios específicos da musculação:
\uf06c Da estruturação da 
série de exercícios;
\uf06c Da especificidade 
do movimento;
\uf06c *. Princípios do 
treinamento 
desportivo.
4. Qualidades físicas na musculação
4.1. Primárias:
\uf06c Força;
\uf06c R.M.L.
4.2. Secundárias:
\uf06c Resistência aeróbica 
e anaeróbica.
5.1. Resistências
5.1.1. R.C. (Resistência Constante):
- Não se desloca;
- Permanece inalterada durante toda a contração;
- Está presente nos treinamentos isométricos;
- Utiliza-se em qualquer aparelho...
5.1.2. R.D.I. (Resistência Dinâmica Invariável):
\uf06c Permite deslocamento;
\uf06c Permanece inalterada durante...
\uf06c Encontrada no maior número de aparelhos;
\uf06c Resistência desproporcional nos diversos ângulos do 
movimento;
\uf06c Falta de aproveitamento integral do trabalho muscular.
5. Resistências e equipamentos
5.1.3. R.D.V. (Resistência Dinâmica Variável):
\uf06c Modifica o peso durante todo o 
movimento;
\uf06c Trabalho pode ser concêntrico, 
excêntrico ou ambos 
consecutivamente;
\uf06c Permite pré-alongamento;
\uf06c Resistência na articulação e nos 
músculos diretamente 
envolvidos no movimento;
\uf06c Não permite momentos de apoio 
articular.
5.1.4. R.I. (Resistência Isocinética)
Propicia, na fase concêntrica do movimento:
\uf06c Resistência diretamente proporcional à força empregada;
\uf06c Execução em velocidade uniforme;
\uf06c OBS.: Muito utilizada na reabilitação.
Limitações da R.I.:
\uf06c Só apresentam resistência na fase concêntrica do 
movimento;
\uf06c Sem resistência no final da fase concêntrica do 
movimento;
\uf06c Dificultam o pré-alongamento;
\uf06c Limitante no desenvolvimento da força explosiva.
5.1.5. R.P. (Resistência Progressiva)
* Propicia:
\uf06c Acréscimo de resistência na fase concêntrica do 
movimento;
\uf06c Redução progressiva de resistência na fase excêntrica do 
movimento;
\uf06c Aumento da capacidade relativa de peso sem aumentar o 
valor absoluto de peso.
É encontrada, normalmente, nas estações:
\uf06c Supino;
\uf06c Pressão de pernas;
\uf06c Desenvolvimento.
\uf06c * OBS.: Há o objetivo de, no final da fase concêntrica, 
próximo à posição de \u201capoio\u201d termos uma resistência 
aumentada, reduzido à perda de tensão muscular.
5.2. Equipamentos:
\uf06c Módulos;
\uf06c Aglomerados;
\uf06c Barras;
\uf06c Halteres;
\uf06c Sapatos de ferro;
\uf06c Capacetes;
\uf06c Carretéis;
\uf06c Bancos, pranchas e 
cavaletes;
\uf06c Peças lastradas;
\uf06c Peças com areia;
\uf06c Borrachas;
\uf06c Bastões de madeira e 
PVC;
\uf06c Extensores elásticos;
\uf06c Aparelhos ginásticos;
\uf06c Etc...
PARA QUE SERVE ESTE APARELHO?
OU
ONDE POSSO REALIZAR \u201cESSE\u201d MOVIMENTO?
6. Metodologia da musculação
(Elaboração de programas)
\uf06c 1. Avaliação do aluno e seus objetivos;
\uf06c 2. Programa de adaptação;
\uf06c 3. Testagem;
\uf06c 4. Montagem do programa propriamente 
dito:
- Duração e freqüência semanal;
- Variáveis:
\uf06c Tipo de montagem das sessões;
\uf06c Exercícios;
\uf06c Equipamentos;
\uf06c Carga de trabalho:________________
\uf06c 5. Avaliação e reestruturação do 
programa
\uf06c Peso;
\uf06c Respiração;
\uf06c Forma de trabalho;
\uf06c Velocidade de execução;
\uf06c Repetições;
\uf06c Grupos;
\uf06c Passagens;
\uf06c Intervalos.
6.1. Avaliação do aluno:
\uf06c Exame médico;
\uf06c Anamnese da atividade física;
\uf06c Medida dos dados antropométricos;
\uf06c Avaliação postural;
\uf06c Avaliação da condição orgânica;
\uf06c Avaliação da condição músculo articular.
6.2. Programa de adaptação:
\uf06c Familiarização (mecânica correta);
\uf06c Iniciantes;
\uf06c Exercícios da série que irá trabalhar;
\uf06c Aplicação desportiva (eficiência do gesto específico);
\uf06c Entre 5 e 7;
\uf06c Respiração continuada;
\uf06c Qual a validade da adaptação?
# Coordenação;
# Economia de energia;
# Menor esforço.
6.3. Testagem
6.3.1. T.P.M. (teste de peso máximo):
\uf06c Máximo peso em um movimento completo;
\uf06c Observar a evolução da F.M.R.;
\uf06c Avaliado ciente do objetivo do T.P.M..
T.P.M. Crescente:
\uf06c Adição gradativa de peso.
T.P.M. Decrescente:
\uf06c REDUÇÃO GRADATIVA DE PESO.
Considerações:
\uf06c Apenas um teste basta!
\uf06c Resultados imprecisos;
\uf06c Alternar grupos musculares;
\uf06c Fazer aquecimento;
\uf06c Máximo de três tentativas/movimentos;
\uf06c T.P.M. é contra-indicado em reabilitação, adolescentes e sedentários(?).
6.3.2. T.P.R. Teste de peso por repetição:
- Maior o peso que consegue suportar nas repetições desejadas.
# Objetivo...............................RML
# Repetições...........................em torno de 30
# Peso.......................................X quilos
Resumidamente:
\uf06c Prescrevemos número de 
repetições;
\uf06c Escolhemos o peso adequado;
\uf06c Fazer as repetições;
\uf06c Avaliamos o resultado.
Considerações:
\uf06c Mais de uma sessão de aplicação;
\uf06c Pode ser aplicado em reabilitação;
\uf06c Quando há pouco peso para T.P.M.;
\uf06c Adaptação e base para T.P.R.;
OBS.: 
\uf06c Cuidar C.V.;
\uf06c Posição do corpo/equipamento;
\uf06c Empunhadura/pegada;
\uf06c Posição das articulações.
6.4. Montagem dos programas
Programa de musculação é o conjunto de sessões a serem realizadas num 
determinado período.
6.4.1. Duração e freqüência semanal
Depende:
\uf06c Dos objetivos;
\uf06c Número de sessões semanais;
\uf06c Condição física;
\uf06c Freqüência as sessões;
\uf06c Etc.
6.4.2. Variáveis interv. e interdependentes:
\uf06c Determinação do tipo de montagem;
\uf06c Determinação dos exercícios;
\uf06c Determinação dos recursos materiais;
\uf06c Prescrição da carga de trabalho.
A. TIPO DE MONTAGEM DAS SESSÕES:
\uf06c 1. Alternada por segmentos ou simples;
\uf06c 2. Localizada por articulação;
\uf06c 3. Alternada por origem e inserção musculares;
\uf06c 4. Associada a articulações adjacentes;
\uf06c 5. Mista.
1. ALTERNADA POR SEGMENTOS (SIMPLES):
\uf06c Evitar a fadiga prematura;
\uf06c Indicado para resistência aeróbica;
\uf06c Indicado para iniciantes;
\uf06c Segmentos podem ser utilizados uma ou mais vezes;
\uf06c Pode ter prioridade de determinada articulação (prioritária).
2. LOCALIZADA POR ARTICULAÇÃO
# AGONISTA \u2013 ANTAGONISTA
# COMPLETA
\uf06c Trabalho concentrado numa região;
\uf06c Fadiga precoce;
\uf06c Dificuldade de realização nas primeiras repetições do segundo 
exercício, na montagem agonista-antagonista;
\uf06c Treinamento da descontração diferencial;
\uf06c Na montagem completa, quanto maior o número de movimentos 
para a mesma articulação, mais precoce poderá ocorrer a 
fadiga.
3. ALTERNADA POR ORIGEM E INSERÇÃO MUSCULARES
São elaboradas com base nas origens e inserções dos músculos 
biarticulares, promovendo-se através dos exercícios uma alternância 
entre as mesmas.
\uf06c Trabalho é muito localizado;
\uf06c Indicado para níveis avançados;
\uf06c Promove fadiga acentuada;
\uf06c A porção muscular e o componente elástico mais próximos 
da inserção sofrem uma tensão maior do que as outras 
regiões do músculo.
4. ASSOCIADA A ARTICULAÇÕES ADJACENTES
São elaboradas de forma a que um primeiro exercício, envolvendo apenas 
uma