FUNDAMENTOS - CONSTRUÇÕES SOCIAIS
7 pág.

FUNDAMENTOS - CONSTRUÇÕES SOCIAIS


DisciplinaFundamentos das Ciências Sociais11.029 materiais132.470 seguidores
Pré-visualização3 páginas
UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ
 FUNDAMENTOS DAS CIÊNCIAS SOCIAIS
PROFa LUCIA DE SOUZA GUIMARÃES PALMEIRA
 
1.1 CIÊNCIAS SOCIAIS E CIÊNCIAS NATURAIS 
As \u201cciências naturais\u201d \u2013 aquelas voltadas para a natureza (Física, Química, Biologia, Astronomia etc.) e as \u201cciências sociais\u201d \u2013 disciplinas voltadas para o estudo da realidade humana e social, sempre foram motivo de preocupação de teóricos e filósofos que buscavam identificar suas semelhanças e diferenças. Para a Antropologia social (ou cultural) as \u201cciências naturais\u201d estudam fatos simples, eventos que têm causas simples e são facilmente isoláveis \u2013 tais fenômenos, são recorrentes e sincrônicos, ou seja, estariam ocorrendo, por exemplo, agora. A \u201cciência natural\u201d estuda, então, o conjunto de fatos que se repetem e têm uma constância sistemática, já que podem ser vistos, isolados e reproduzidos dentro de condições de controle razoáveis, em laboratório, podendo então ser repetidos até que as condições de exigências dos estudiosos sejam alcançadas. A simplicidade, a sincronia e a repetitividade concorrem para que dois estudiosos diferentes, em locais também diferentes, possam provar uma determinada teoria
Ex.: Dois cientistas naturais podem observar os modos de reprodução das formigas.
 Já as \u201cciências sociais\u201d estudam fenômenos complexos, difíceis de se isolar as causas e de motivações exclusivas.
Ex.: O simples fato de se comer um bolo \u2013 este bolo pode ser comido por se ter fome, por solidariedade a uma pessoa ou um grupo, por motivo de aniversário etc. ou por vários motivos ao mesmo tempo. Para que possa entender o que está sendo declarado pergunte, agora, a alguém que esteja ao seu lado \u201cpor que se come um bolo?\u201d. Comprovamos então que não se come um bolo por uma causa única ou motivação exclusiva, o que dificulta desenvolver uma teoria.
 Assim, podemos dizer que nas \u201cciências sociais\u201d os eventos possuem determinações complicadas, podem ocorrer em ambientes diferenciados. Diferentemente de um rato reagindo a um anticorpo num laboratório, um aniversário ( e todas as ocasiões sociais fechadas) cria o seu próprio plano social, podendo ser diferenciado de todos os outros, embora guarde com ele semelhanças estruturais.
	Tudo indica que entre as Ciências Sociais e as Ciências Naturais tem-se uma relação invertida, ou seja: se nas \u201cciências naturais\u201d os fenômenos podem ser percebidos, divididos, classificados e explicados dentro de condições de relativo controle e em condições de laboratório, objetivamente, existem também sérios problemas em relação a estes fatos, pois o homem pode vir a usá-los para causar males à humanidade. 
No caso do cientista social, as condições de percepção, classificação e interpretação dos fenômenos são complexas, mas os resultados em geral não têm conseqüências na mesma proporção das \u201cciências naturais\u201d. Muito poucas vezes teorias sociais acabaram se tornando credos ideológicos, como o racismo e a luta de classes. Ao contrário, o cientista social tende a reduzir, simplificar problemas. Raramente seus resultados podem vir a ser transformados em tecnologia e ciência, atuando diretamente sobre o mundo com o objetivo da destruição. No máximo, o domínio dos eventos sociais observáveis estão ligados à \u201carte\u201d e estão presentes nos filmes, teatro, novelas, romances e contos onde idéias são aplicadas produzindo modificações no comportamento social. No entanto, é mais fácil trocar de carro ou de televisão ou aceitar inovações tecnológicas do que trocar valores simbólicos ou políticos.
Vejamos então: os fatos sociais são irreproduzíveis em condições controladas \u2013 mesmo em situações reproduzidas como em teatro ou cinema, embora possam ser observados (só podemos observar funerais, aniversários, rituais de iniciação), mas não podemos reproduzi-los, pois o ambiente seria outro, o momento seria outro etc. Eles, quase sempre, fazem parte do passado, são eventos, a rigor, históricos ( nunca vou saber como foram os dias que antecederam a proclamação da república). Já entre as ciências naturais e a tecnologia existe uma relação estreita, pois ambas trabalham com eventos controláveis.
\u201cO processo de acumulação que tipifica o processo científico é algo lento em todos os ramos do conhecimento, mas muito mais lento nas chamadas ciências do homem.\u201d
 UMA DIFERENÇA CRUCIAL
As ciências sociais trabalham com fenômenos que estão bem perto do homem, pois se estudam os eventos humanos, fatos que pertencem integralmente ao homem. No entanto, se estudo as baleias, estudo algo diferente de mim, posso perceber estes cetáceos, mas não posso imaginar o que se passa no interior das baleias. Outras pessoas, como eu, podem estudá-las, mas nunca saberemos o que sentem realmente. Este é um evento para ser tratado pela ciência, pois nos permite jogar com a dicotomia SUJEITO (que conhece ou busca conhecer) e OBJETO (a realidade ou fenômeno sob o domínio do cientista). \u201cAs teorias e os métodos científicos são, nesta perspectiva, os mediadores que permitem operar, construindo uma ponte entre nós e o mundo das baleias\u201d.
As coisas, no mundo das ciências sociais são muito mais complexas, partindo logo da interação entre o investigador e o sujeito investigado \u2013 dito por Lévi-Strauss \u2013 situados na mesma escala. Pesquisador e pesquisado compartilham do mesmo universo das experiências humanas, mesmo que nunca se comuniquem. Não podemos nos tornar baleias, ratos ou leões, mas podemos nos tornar membros de outras sociedades, adotando seus costumes, categorias de pensamento, classificação social etc. Podemos aprender sua língua, casar com suas mulheres, obedecer ou modificar suas leis (...) \u201cestou inclinado a acreditar que a distância é o elemento fundamental na percepção da igualdade entre os homens. Deste modo, quando vejo um costume diferente é que acabo reconhecendo, pelo contraste, meu próprio costume\u201d. (observar exemplos dos nomes de pessoas na nossa sociedade e em algumas sociedades indígenas investigadas pelo autor \u2013 p.24-27).
Sendo possível ao investigador social interagir com o seu objeto de estudo, pois ele não é opaco e mudo como o objeto das ciências naturais \u2013 ele é transparente e falante, \u201cele tem o seu ponto de vista e suas interpretações que, a qualquer momento, podem competir e colocar de quarentena as nossas mais elaboradas explanações\u201d (se estudo a língua de uma determinada sociedade, dialogo com os falantes estudados \u2013 eles são os próprios informantes). Nesta possibilidade de abertura através do diálogo \u201cestá a diferença entre o saber voltado para as coisas inanimadas ou passíveis de serem submetidas a uma objetividade total (os objetos do mundo da \u201cnatureza\u201d) e um saber como o da Antropologia Social construído sobre os homens em sociedade.
A base de todas as diferenças entre as duas ciências \u2013 \u201cnaturais\u201d e \u201csociais\u201d \u2013 é o fato de que a natureza não pode falar diretamente com o investigador; ao passo que cada sociedade humana conhecida é um espelho onde a nossa própria existência se reflete.
1.1 SOCIOLOGIA: CONCEITO E OBJETIVOS
Conceito de Sociologia \u2013 é a ciência que procura explicar sobre quais condições específicas e características gerais os grupos humanos se constituem e se relacionam e quais os movimentos que os mesmos executam permanentemente .
Ou seja, a Sociologia é a ciência responsável pelo estudo da interação humana, do comportamento do homem dentro dos grupos sociais dos quais faz parte. Sob a ótica da Sociologia, observamos que esse homem influencia e sofre influências de seus grupos sociais.
A Sociologia observa o comportamento humano em relação aos seus valores sociais e culturais e, também, as características da personalidade humana. Sob a ótica social, podemos avaliar a repercussão que as doenças sofrem e o julgamento das pessoas doentes por seus grupos, quando possuidoras de doenças que a sociedade define de forma preconceituosa (ex.: AIDS).
Grupo social: socialização, controle e papel social
SOCIALIZAÇÃO: