A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
22 pág.
Erupção, Reabsorção e Esfoliação Dentária.Diogão

Pré-visualização | Página 1 de 2

Erupção, reabsorção e esfoliação dentária
acadêmico : diogo Henrique vaz de Souza (diogão)
Erupção dentária
É o processo pelo qual o dente se desloca do local de onde inicia seu desenvolvimento ( a cripta óssea ) até alcançar o plano oclusal funcional
Fases da erupção 
Movimentação pré-eruptiva
Erupção intra-óssea
Penetração na mucosa
Erupção pré-oclusal
Erupção pós-oclusal
Erupção dentária
Fase de movimentação pré – eruptiva
Fase de coroa -> o germe -> aumenta de tamanho por receber deposição de dentina e de esmalte -> cripta óssea em volta do germe dentário -> reabsorção (superfícies ) acomodação da coroa
Os ossos da maxila e da mandíbula encontram-se em formação e fazem a acomodação dos dentes em formação
Os dentes estão se formando em períodos distintos enquanto uns estão em crescimento outros já estão formando a raiz.
Erupção dentária
Fase de movimentação pré – eruptiva
Formação do diafragma epitelial (no início da fase de raíz) reabsorção no osso da base da cripta -> um leve movimento de acomodação do germe dentário
O início da formação da raiz coincide com leves movimentos em vários sentidos -> deslocamento oclusal do dente.
Formação do diafragama epitelial inicio da fase de raiz reabsorção do osso na base da cripta umlve movimento de acomodação do germe dentario.
4
Erupção dentária
Fase de movimentação pré – eruptiva
Leves movimentos de acomodação dos germes dentários em suas criptas ósseas
Erupção dentária
Fase de erupção intra-óssea
Corresponde a movimentação do dente de sua posição inicial na cripta óssea até sua penetração na mucosa oral.
Folículo dental -> denso -> adere ao epitélio dental externo -> uma camada densa e altamente vascularizada que separa o folículo das paredes da cripta óssea.
Na região subjacente ao gubernáculo ( remanescente da lâmina dentária) numerosas células mononucleadas
Aumento do número de osteoclastos -> os monócitos são precursores dos osteoclastos
Foliculo dental é denso ele se adere ao epitélio dental externo folículo dental e denso ele se adere ao epitélio dental externo folículo dental e denso ele se adere ao epitélio dental externo uma camada densa e ealtamente vascualriza que spera o folículo das paredes da cripta óssea ocorre aumento do numero de osteoclastos os monoscitos são precurosores dos osteoclastos,
6
Erupção dentária
Fase de erupção intraóssea
Modificação do folículo dental 
Torna-se muito denso
Adere ao EDE
Aumento da vascularização
Aumento do conteúdo de colágeno e proteoglicanas
Fibrilas colágenas aumentam em número e tornam-se mais grossas
Aumento no conteúdo de líquido tissular
Modificação do folículo dental, torna-se muito denso, modificação do folículo dental, então ele torna-se muito denso adere ao epitélio externo modificação do folículo dental modificação do folículo dental torna-se muito denso modificação do foluclo dental torna-se muito denso adere ao epteilio externo dental externo aumenta o conteúdo de colagenoe proteoglicasna uemtneo do conteúdo de colágeno e proteoglicas aumento do conteúdo de colágeno e de proteoglicana sumento do conteúdo de colágeno e de protenoglicasnas fibras colágenas aumentame numero e se toranm amis grossas fibras colágenas aumentam em numero e se tornam mais gorassas, aumento do conteutod de liquido tissualr
7
Erupção dentária
Fase de erupção intraóssea
Os osteoclastos são células responsáveis pela reabsorção óssea da porção oclusal da cripta, estabelecendo a via eruptiva.
O gubernáculo é contido por restos epiteliais da lâmina dentária que se desintegra na fase de campânula.
Velocidade de erupção varia de 1 a 10 micrômetros / dia
Quem estabelece a via euptiva são os osteoclastos quem estabelece avia euptiva são os osteoclastos queme stabaelece a via eurptivas são os osteclastos,
8
Erupção dentária
Fase de penetração na mucosa
 o início dessa fase corresponde ao término da formação da via eruptiva, ou seja quando não há osso alveolar recobrindo as cúspedes ou bordas inicisais dos dentes.
A velocidade e eupção aumenta e o dente chega mais rápido a mucosa oral
A compressão dos vasos sanguíneos devido a pressão exercida pelos dentes durante a erupção pode ocasionar prurido na região da mucosa oral antes do seu aparecimento na cavidade oral.
O inicio da fase de penetração na mucosa não corresponde ao termino da formação da via eruptiva. Ou seja quando não há osso alveolar recobrindo as cuspedes ou bordas incisais dos dentes, ou seja quando não há osso alveolar recobrindo as bordas incisaisa dos dentes,
9
Erupção dentária
Fase de penetração na mucosa
 com a exposição da coroa na cavidade oral o epitélio reduzido do esmalte que recobria a coroa funde-se ao epitélio oral
obeserva-se discreta proliferação de células do epitélio reduzido do esmalte que liberam proteínas como a imunoglobulina E esta proteína pode provocar febre
Forma-se com isso um canal epitelial que impede a exposição direta da lâmina própria na cavidade oral.
Com a exposição da coroa na cavida oral o epitélio reduzido do esmalte que recobria a coroa funde-se ao epitélio oral
10
Erupção dentária
Fase de erupção pré – oclusal
Após a penetração na mucosa o dente continua seu movimento até alcançar o plano funcional
Nessa fase os fatores intra e extrabucais bem como o crescimento crânio-facial podem interferir na direção do movimento eruptivo do dente.
Velocidade de erupção 75 micrometros por dia
Fase pre oclusal o dente continua seu movimento ate alcanças o plano funcioanal nessa fase na fase pre oclusal os estímulos internos externos bem como o crescimento do crânio facial podem intererir na diregação do movimento eruptivo do dente velocudade de erupção dé de 75 micrômetros por dia,
11
Erupção dentária
Fase de erupção pós-oclusal
Quando o dente alcança sua posição funcional a velocidade de erupção diminui permanecendo quase que imperceptível ao longo da vida
Ocorrem modificações nas estruturas de suporte
Osso alveolar se torna mais espesso
Fibras do ligamento periodontal terminam sua estruturação
A espessura do cemento se completa, principalmente na região apical a raíz
Raiz completamente formada com o fechamento do ápice
Fase de euopção pos oclusal a velocidade de erupção do dente diminui muito ou seja ocorrem modificações nsa estruturas de suporte do dente osso alveolar se torna mais espesso fibras do ligamento periodontal terminam sua estruturação pos oclusal a velocidade de erupção domonui osso alveolar se torma mais espesso fobras do ligamento periodontal temrinam sua estruturação a espessuara do cemetno se completa espessura do cemento se completa a espessura do cemento se completa a espessua do cemneto se completa principalmente na região apical da raiz, a espessura do cemento se completa principalmente na região apical da raiz raiz completamente fomramda com o fechamento do´ápice.
12
Teorias da erupção dentária
São 4
Crescimento radicular
Formação do ligamento periodontal
Remodelação da cripta óssea
Ação conjunta do folículo dentário com retículo estrelado do esmalte
Crescimento radicular
 Fase da raiz
Dentina radícula e periodonto de sustentação em formação
Enquanto forma a raiz o germe inicia seu deslocamento para a oclusal, devido a resistência gerada pelo osso da base da cripta e pelo folículo dental
Entretanto dentes erupcionam sem que haja a formação de raiz, e dentes impactados formam raiz mesmo sem erupcionarem
Provável efeito da velocidade de erupção
Formação do ligamento periodontal
A formação do ligamento periodontal envolve intensa secreção de síntese e secreção de matriz extra-célular de natuza conjuntiva em especial colágeno fibronectina e proteoglicanas
Interações entre essa matriz e fibroblastos conferem contratilidade entre e motilidade ao ligamento periodontal
Por isso a gênese do ligamento periodontal foi ligada a erupção dentária 
Entretanto os casos de osteoporose forma ligamento periodontal mas dente não erupciona, e displasias dentarias dente sem raiz, invalidam essa teoria.
Remodelação do osso da