2015  Novas diretrizes SBV
36 pág.

2015 Novas diretrizes SBV


Disciplina2015- Novas Diretrizes Sbv1 materiais30 seguidores
Pré-visualização25 páginas
D E S T A Q U E S 
da American Heart Association 2015 
Atualização das Diretrizes de RCP e ACE
Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 
Questões Éticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 
Sistemas de Atendimento e Melhoria Contínua da Qualidade . . . . . . . . . . . . . 3 
Suporte Básico de Vida para Adultos e Qualidade da RCP: 
RCP Aplicada por Socorrista Leigo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 
Suporte Básico de Vida para Adultos e Qualidade da RCP: 
SBV Aplicado por Profissionais de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 
Técnicas Alternativas e Dispositivos Auxiliares para RCP . . . . . . . . . . . . . . . . 11 
Suporte Avançado de Vida Cardiovascular para Adultos . . . . . . . . . . . . . . . . 13 
Cuidados Pós-PCR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 
Síndromes Coronárias Agudas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 
Situações Especiais em Ressuscitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 
Suporte Básico de Vida em Pediatria e Qualidade da RCP . . . . . . . . . . . . . . . 20 
Suporte Avançado de Vida em Pediatria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 
Ressuscitação Neonatal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 
Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 
Primeiros Socorros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 
Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Índice
Agradecimentos 
A American Heart Association agradece as seguintes pessoas pela contribuição que fizeram para o desenvolvimento desta publicação: 
Mary Fran Hazinski, RN, MSN; Michael Shuster, MD; Michael W. Donnino, MD; Andrew H. Travers, MD, MSc; Ricardo A. Samson, MD; 
Steven M. Schexnayder, MD; Elizabeth H. Sinz, MD; Jeff A. Woodin, NREMT-P; Dianne L. Atkins, MD; Farhan Bhanji, MD; 
Steven C. Brooks, MHSc, MD; Clifton W. Callaway, MD, PhD; Allan R. de Caen, MD; Monica E. Kleinman, MD; Steven L. Kronick, MD, MS; 
Eric J. Lavonas, MD; Mark S. Link, MD; Mary E. Mancini, RN, PhD; Laurie J. Morrison, MD, MSc; Robert W. Neumar, MD, PhD; 
Robert E. O\u2019Connor, MD, MPH; Eunice M. Singletary, MD; Myra H. Wyckoff, MD; e a equipe do Projeto de Destaques das Diretrizes da AHA. 
Edição em português: Hélio Penna Guimarães, MD, PhD, FAHA e a equipe do Projeto de Destaques das Diretrizes da AHA.
© 2015 American Heart Association
 Destaques da Atualização das Diretrizes da AHA 2015 para RCP e ACE 1
Introdução 
Esta publicação com os \u201cDestaques das Diretrizes\u201d resume 
 os principais pontos de discussão e alterações feitas na 
 Atualização das Diretrizes de 2015 da American Heart 
 Association (AHA) para Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) 
 e Atendimento Cardiovascular de Emergência (ACE). Ela 
 foi desenvolvida para que os profissionais que executam 
a ressuscitação e os instrutores da AHA possam focar 
na ciência da ressuscitação e nas recomendações MAIS 
importantes das diretrizes, ou controversas ou que resultem 
em mudanças na prática ou treinamento da ressuscitação. 
Além disso, explica o raciocínio adotado nas recomendações. 
Como esta publicação foi concebida como um resumo, ela não 
menciona os estudos de referência publicados e não informa 
Classes de Recomendações ou Níveis de Evidência. Para 
obter informações e referências mais detalhadas, incentivam-
se a leitura da Atualização das Diretrizes da AHA 2015 para 
RCP e ACE, inclusive o Resumo Executivo1, publicado na 
Circulation em outubro de 2015, e a consulta ao resumo 
detalhado da ciência da ressuscitação no Consenso Científico 
Internacional de 2015 sobre RCP e ACE, com recomendações 
de tratamento, publicado, simultaneamente, na Circulation2 
e na Resuscitation.3 
A Atualização das Diretrizes da AHA 2015 para RCP e ACE se 
baseia em um processo internacional de avaliação de evidências 
que envolveu 250 revisores de 39 países. O processo da revisão 
sistemática de 2015 do International Liaison Committee on 
Resuscitation (ILCOR) foi bastante diferente quando comparado 
com o processo utilizado em 2010. No processo de revisão 
sistemática de 2015, as forças-tarefa do ILCOR priorizaram 
tópicos para revisão, selecionando aqueles em que havia novos 
conhecimentos e controvérsias suficientes para suscitar uma 
revisão sistemática. Em consequência dessa priorização, foram 
realizadas menos revisões em 2015 (166) do que em 2010 (274). 
 
 
 
Figura 1
CLASSE (INTENSIDADE) DA RECOMENDAÇÃO
CLASSE I (FORTE) Benefício >>> Risco
Sugestões de frases para recomendações: 
\u25fe É recomendado
\u25fe É indicado/útil/eficaz/benéfico 
\u25fe Deve ser realizado/administrado/outro 
\u25fe Frases de eficácia comparativa\u2020:
 \u2022 Recomenda-se/indica-se o tratamento/estratégia A 
em relação ao tratamento B
 \u2022 Prefira o tratamento A ao B
CLASSE IIa (MODERADA) Benefício >> Risco
Sugestões de frases para recomendações: 
\u25fe É aconselhável
\u25fe Pode ser útil/eficaz/benéfico
\u25fe Frases de eficácia comparativa\u2020:
 \u2022 O tratamento/estratégia A é provavelmente 
recomendado/indicado em relação ao tratamento B 
 \u2022 É aconselhável preferir o tratamento A ao B
CLASSE IIb (FRACA) Benefício \u2265 Risco
Sugestões de frases para recomendações: 
\u25fe Pode ser aconselhável
\u25fe Pode-se considerar
\u25fe A utilidade/eficácia é desconhecida/indefinida/incerta 
ou não muito bem estabelecida 
CLASSE III: Nenhum benefício (MODERADA) Benefício = Risco
(Geralmente, somente uso de NE A ou B)
Sugestões de frases para recomendações: 
\u25fe Não é recomendado
\u25fe Não é indicado/útil/eficaz/benéfico
\u25fe Não deve ser realizado/administrado/outro
CLASSE III: Danos (FORTE) Risco > Benefício
Sugestões de frases para recomendações: 
\u25fe Possivelmente prejudicial
\u25fe Causa danos
\u25fe Associado a morbidade/mortalidade excessiva
\u25fe Não deve ser realizado/administrado/outro 
NÍVEL (QUALIDADE) DAS EVIDÊNCIAS\u2021
NÍVEL A
\u25fe Evidências de alta qualidade\u2021 de mais de um 1 ensaio 
randomizado controlado
\u25fe Meta-análises de ensaios randomizados controlados 
de alta qualidade
\u25fe Um ou mais ensaios randomizados controlados, 
corroborados por estudos de registro de alta qualidade
NÍVEL B-R (Randomizado)
\u25fe Evidências de qualidade moderada\u2021 de 1 ou mais ensaios 
randomizados controlados
\u25fe Meta-análises de ensaios randomizados controlados 
de qualidade moderada
NÍVEL B-NR (Não randomizado)
\u25fe Evidências de qualidade moderada\u2021 de 1 ou mais ensaios 
não randomizados, estudos observacionais ou estudos 
de registro bem elaborados e executados
\u25fe Meta-análises desses tipos de estudos
NÍVEL C-LD (Dados limitados)
\u25fe Estudos observacionais e de registro randomizados ou não, 
com limitações de método e execução
\u25fe Meta-análises desses tipos de estudos
\u25fe Estudos fisiológicos ou mecanísticos em seres humanos
NÍVEL C-EO (Opinião de especialista)
Consenso de opinião de especialistas com base em 
experiência clínica.
O CR (classe de recomendação) e o NE são determinados de forma independente 
(qualquer CR pode ser combinado com qualquer NE).
Uma recomendação com NE C não implica que a recomendação seja fraca. Muitas 
questões clínicas importantes abordadas nas diretrizes não se prestam a ensaios 
clínicos. Embora não haja ensaios randomizados controlados disponíveis, pode existir 
um consenso clínico muito claro de que um determinado exame ou tratamento seja 
útil ou eficaz.
* O desfecho