A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
60 pág.
Fisioterapia nas S ndromes Cerebelares e Ataxia

Pré-visualização | Página 1 de 2

• Manutenção do equilíbrio e da postura:
- Feitas basicamente pelo arquicerebelo,
- Promove a contração adequada dos músculos dos
membros.
• Controle do tônus muscular
• Síndrome do Arquicerebelo:
- Ocorre com mais frequência em crianças com
menos de 10 anos;
- Causada por tumores que comprimem o pedúnculo
cerebelar;
- Sintomas:
- Perda de equilíbrio (Distasia);
- Não há alteração do tônus muscular;
- Deitadas – sem alterações consideráveis.
• Síndrome do Paleocerebelo:
- Ocorre no homem adulto como consequência do
alcoolismo crônico;
- Causada por tumores que comprimem o pedúnculo
cerebelar;
- Sintomas:
- Perda de equilíbrio (Distasia);
- Marcha com base alargada (Disbasia);
- Ataxia dos membros inferiores.
• Síndrome do Neocerebelo:
- Causam como sinal fundamental a incoordenação
motora (ATAXIA);
- Sintomas:
- Ataxia apendicular e axial;
- Ataxia estática e dinâmica;
- Dissinergia na marcha.
• Síndrome do Neocerebelo:
- Decomposição de movimentos;
- Disdiadococinesia;
- Discronometria;
- Hipotonia;
- Nistagmo cerebelar;
- Disartria cerebelar.
• São doenças que apresentam sintomatologia
cerebelar :
- Ataxias genéticas;
- Ataxias não-genéticas.
• São doenças que apresentam sintomatologia
cerebelar e etiologia hereditária:
- Ataxia de Friedreich;
- Heredoataxia de Pierre-Marie;
- Doença de Strumpell-Lorrain;
- Doença de Machado-Joseph.
• É um distúrbio neurodegenerativo autossômico
recessivo com incidência de 1 em cada 50.000
indivíduos.
- Início na adolescência;
- Déficit de equilíbrio, fraqueza dos membros
inferiores, disartria e ataxia, deformidades da
coluna e extremidades.
• É um distúrbio cerebelar autossômico dominante,
que gera atrofia dos lóbulos laterais do cerebelo.
- Início mais tardio;
- Ataxia e marcha ebriosa +
- Acometimento do nervo óptico, nistagmo, paralisia
dos músculos oculomotores.
• Também conhecido como paraplegia espástica
hereditária, caracteriza-se por um distúrbio
degenerativo cerebelar.
- Paresia crural;
- Hipertonia e hiperreflexia.
• É uma ataxia hereditária autossômica dominante.
- Inicio tardio;
- Déficits de equilíbrio, disartria, marcha ebriosa,
ataxia;
- Oftalmoparesia, nistagmo, diplopia;
- Hipertonia e hiperreflexia;
- Fraqueza muscular distal.
- Tumor cerebelar;
- Infarto cerebelar;
- Ataxias do S.N.P.
- Neoplasias primárias e metastásicas;
- Ataxia e hipertensão intracraniana;
- Astrocitoma fibrilar e hemangioblastoma cerebelar;
- Pulmão e mama.
- Patologia pouco diagnosticada;
- Acomete qualquer região do cerebelo;
- Mais frequente entre os homens;
- Isquêmico e hemorrágico;
- Fatores de risco associados;
- Principais sintomas:
- ataxia cerebelar;
- disartria;
- disdiadococinesia.
- Quadro clínico:
- Vertigem;
- Náusea e vômito;
- Cefaléia;
- Incoordenação motora;
- Déficit de equilíbrio;
- Nistagmo.
- Neuropatias:
- Diabética;
- Alcóolica;
- Polineuropatias.
• Objetivos:
- Normalizar o tônus muscular;
- Favorecer o controle tônico nos padrões motores
altos;
- Estimular o mecanismo reflexo normal;
- Reeducar o equilíbrio dinâmico;
- Melhorar a coordenação motora.
• Condutas:
- Alongamento muscular ativo-assistido;
• Condutas:
- FNP:
- MMII (flexão / abdução / RI)
- MMSS (flexão / abdução / RE)
- Escápulo-pélvico
- Tronco (flexão / flexão lateral / rotação)
• Condutas:
- Fortalecimento muscular
• Condutas:
- Dissociação pélvica
• Condutas:
- Treino de padrões motores seguindo o DNM
• Condutas:
- Treino de reações posturais e equilíbrio
• Condutas:
- Treino de marcha controlada
• Condutas:
- Exercícios de Frenkel:
- Técnica criada em 1889 para tratamento de pacientes
com incoordenação motora.
- Baseia-se na execução de exercícios que requerem
PCR – Precisão, Concentração e Repetição para o
aprendizado motor.
- Os exercícios inciais são mais fáceis, evoluindo para
tarefas mais complexas, realizadas associadamente a
estímulos verbais e/ou acústicos.
• Condutas:
- Exercícios de Frenkel:
Exercícios nas mais diversas
posturas e associadas a palmas,
contagem, música...
• Condutas:
- Exercícios de Frenkel:
Exercícios com bola, bastão e
outros recursos auxiliares...
• Condutas:
- Treino do controle motor:
- Mudanças de velocidade e
ritmo.
• Condutas:
- Treino do controle postural
• Condutas:
- Treino de marcha
• Condutas para o tratamento da vertigem:
- Estabilização estática + exercícios de manutenção
do equilíbrio e fixação do olhar
- Ex. sentado com olhar fixo na ponta de um objeto
(10° por vez – sem movimentos).
- Ex. sentado com olhar fixo na ponta de um objeto
(movimentos da cabeça).
• Condutas para o tratamento
da vertigem:
- Estabilização dinâmica:
- De pé e durante a marcha;
- Diferentes bases de
sustentação.
• Condutas para o tratamento da vertigem:
- Estabilização dinâmica:
- Variações de velocidade e direção;
- Manutenção do olhar fixo.
Fisioterapia oculomotora nas 
alterações visuais
- É a capacidade de promoção dos movimentos e
ajustamentos posicionais dos olhos para as várias
demandas visuais, que requerem uma grande
coordenação, elaboração e precisão dos músculos
extrínsecos oculares.
- Movimentos monoculares: DUCÇÕES
– Horizontais  adução e abdução
– Verticais  supradução (elevação) e infradução
(depressão)
– Torcionais inciclodução (giro para dentro) e
exciclodução (giro para fora)
- Movimentos monoculares: VERSÕES
– Horizontais - lateroversões:
• Dextroversão mov. para direita
• Levoversão  mov. para esquerda 
– Verticais: 
• Supraversão  mov. para cima
• Infraversão  mov. para baixo
– Torcionais:
• Dextrocicloversão  giro dos globos oculares para direita
• Levocicloversão  giro dos globos oculares para esquerda
- Insuficiência de Convergência;
- Estrabismos;
- Paralisia dos nervos cranianos;
- PVC.
• É uma perturbação da função de convergência sem
anomalias da posição de repouso.
• Déficit de adução de um dos olhos, no movimento
conjugado.
• Instabilidade para convergir os olhos e mantê-los em
posição de leitura.
• Etiologias: Estresse, maus hábitos de leitura, trabalho
em excesso, fatores psicológicos e doenças genéticas.
• Sintomas: cefaléias, dores periorbitárias,
lacrimejamento, dificuldade de focalização e
eventualmente náuseas e vômitos, enjôo, tonteiras,
hiperemia ocular, cansaço visual, diplopia,
borramento da visão.
• É um tipo de alteração ocular que desalinha os olhos
para direções diferentes e representa a perda do
paralelismo ocular.
• Um dos olhos poderá estar direcionado para frente,
enquanto o outro desvia para dentro, para fora, para
cima ou para baixo, dependendo do olho fixador.
• Causada por tumores, aneurismas e infartos que
podem ser cerebelares.
• III Nervo – Oculomotor:
– Afeta os músculos: retos mediais,
superiores e inferiores, oblíquo
inferior, constrictor da íris e
elevador da pálpebra.
– Causas: Aneurisma, tumores,
diabetes mellitus.
– Características: Exotropia e ptose.
• VI Nervo – Troclear:
– Afeta o músculo reto lateral
– Pode ser vascular ou tumoral.
– Características: esotropia, pode apresentar
diplopia.
• PVC:
– Torcicolo de causa ocular provocado pela intenção de promover
a visão binocular em presença de um desalinhamento entre os
olhos causado por alguma limitação nos movimentos
oculomotores.
• Estrabismos;
• Algumas síndromes;
• Nistagmos.
• Retinopatia diabética:
• Como o idoso com retinopatia diabética enxerga?